Abençoai

Abençoai a alegria de quem, apesar do abismo que nos rodeia, encontra motivos para sorrir. Abençoai o meu vizinho que, mau grado estar desempregado e em dificuldade, se apaixonou e não consegue esconder o jubilo. Abençoai os amigos que ficam felizes porque viram o roubo das suas pensões reduzido e, se descontaram toda a vida honradamente, não lhe invejeis a quantia que recebem só porque é mais elevada que a vossa; a inveja é um veneno na nossa vida. Abençoai até os nossos amigos benfiquistas que festejam alegremente embora muitas das suas vidas estejam submersas no escuro do drama. Abençoai aqueles que foram hoje brincar para as praias já que, vendo bem as coisas, a maior parte deles vive a uma distância gratuita do mar. Abençoai os que, no calor da luta, se encontraram fraternalmente nas manifestações de Abril e Maio e trocaram sorrisos pela felicidade de estarem juntos. As melhores coisas da vida são, realmente, gratuitas e malditos sejam os que nos ensinaram o dever da tristeza e lançaram o anátema sobre o direito à felicidade como se esta fosse um pecado ou, pior ainda, um erro. Não precisamos de nos alienar na alegria para a provar. Podemos olhar a beleza da paisagem sem esquecer de que dela faz parte um abismo. Afinal o símbolo da nossa liberdade é uma flor. E uma arma. Destas coisas me lembrei quando, há pouco, caminhava à beira mar contemplando um glorioso pôr do sol. Se estou a desvairar, só me resta pedir a vossa indulgência e, talvez, a vossa bênção.

Copenhaga – uma benção

Quem falhar a primeira casa de botão

atrapalha-se com o resto do abotoamento”

Johann Wolfgang von Goethe

Se em Copenhaga tivesse havido um acordo concreto, com muitas centenas de milhares de milhões de euros de investimentos no meio, então ter-se-ia falhado a “primeira casa de botão” – e, com isso, perdido muito tempo e dinheiro.

Tendo havido um desfecho inconclusivo – flop –, existe esperança que com o avançar implacável da crise mundial de sentido e de economia se identifique rapidamente a verdadeira “primeira casa de botão”, ou seja, o actual estrangulamento central que impede o nosso desenvolvimento e que tem que ser resolvido em primeiro lugar. E então o tema central serão as causas imateriais-psiquicas subjacentes à crise mundial e respectivas soluções e não uma das suas muitas consequências.

Assim, os mais novos entre nós dos quais muitos hoje estão totalmente convencidos da alegada cadeia causal tão dúbia como mecanicista – emissão de CO2 = fim do mundo –, verificarão dentro de 20, 30 ou 40 anos que o fracasso da cimeira de Copenhaga foi um benção porque nos obrigou a prestar atenção sobre os perigos muito mais graves e mais imediatos.

Rolf Dahmer