5ª estação [A loja de santos]

5a_estação_01

Arrancou no passado dia 1 de Abril a nova Rádio Solar – um novo projecto radiofónico de Fernando Guimarães, com emissor que cobre o Algarve e uma primeira presença na web em webradios.pt. Uma rádio no Mundo, com muita música, informação editada por Rui Anacleto e alguns primeiros cronistas. Às quintas vai para o ar a crónica que assino: 5ª. Estação. A de quinta-feira passada não está famosa em matéria sonora (gravo em condições um pouco precárias – o que há-de ser melhorado logo que possível), mas aqui fica.

La java des bombes atomiques

“Merda Louca”, mais tarde “Merda Louca, o Lobo Branco”, é a tradução livre do nome do colectivo musical francês que integrou o alinhamento do primeiro concerto Rock In Opposition (RIO), em 12 de Março de 1978, no New London Theatre, uma iniciativa dos ingleses Henry Cow que juntaria ainda os italianos Stormy Six, os suecos Samla Mammas Mana e os belgas Univers Zero, sob o lema “a música que a indústria discográfica não quer que oiçam”.

La java des bombes atomiques, canção de Alain Goraguer e de Boris Vian, conta a história de um bricoleur que construía bombas atómicas em casa, tentando continuamente melhorá-las visto que o seu raio de acção não ultrapassava o perímetro de um quarto. Durante muito tempo trabalhou nas suas criações, interiorizando as limitações e o potencial das suas descobertas. Quando souberam que as suas pesquisas estavam prestes a dar resultados, os grandes chefes de Estado decidiram fazer-lhe uma visita. O autodidacta recebeu-os o melhor que pôde no seu atelier, onde acto contínuo os trancou e fez detonar a bomba. Em tribunal, defendeu-se com eloquência e com a consciência do dever cumprido. Primeiro condenado, depois amnistiado, viria – justiça lhe sendo feita – a ser eleito chefe do Governo.
Os Etron Fou Leloublan (inicialmente Chris Chanet, Ferdinand Richard e Guigou Chenevier) gravaram cinco álbuns de estúdio e os seus membros continuam a poder ser seguidos, a solo ou em grupo, por quem procura o improvável na música.

O desertor

Dedicado ao presidente dos outros portugueses, na sequência de uma discussão ontem por aqui havida. Circulava no facebook, e vem mesmo a propósito.