#BringBackOurGirls

Seis meses depois, 219 meninas nigerianas continuam em cativeiro. Que resta da campanha mediática mundial?

Devolvam a exclamação ao Tó Zé

António José Seguro juntou-se à campanha #bringbackourgirls, coisa que eu até poderia aplaudir se a idade não começasse a fazer de mim cínica e, a quinze dias de ir às urnas, eleitor escaldado até de água gelada se escapa.

Na sua página do facebook, o Tó Zé aparece a escrever um cartaz e, num daqueles arrebatos violentos que às vezes lhe dão, remata a frase com um enérgico, resoluto, indignado ponto de exclamação: Bring back our girls!

Mas quando levanta o cartaz para a câmara, pasme-se, o ponto de exclamação foi substituído por um discreto, contemporizador ponto final.

Das duas uma, ou não foi ele a escrever o cartaz (já sabemos que o inglês não é o forte dos líderes socialistas) ou alguém lhe disse para amainar, que a Nigéria é longe e também não vale a pena gastar fúrias com umas moças que a, bem dizer, nem vão poder votar.

Mais uma abstenção violenta, coitado. Não tarde nada ganha uma úlcera.