O fascismo de sempre que nunca mais

Sarah Adamopoulos

«Não fomos nós que escolhemos o tempo para governar. Foi o tempo que nos escolheu.» – Pedro Passos Coelho no congresso do PSD na Madeira hoje mesmo

Uma das palavras de indignação gritadas com angústia e revolta pelos manifestantes no passado dia 14 de Novembro em frente à Assembleia da República foi a que sem demoras acusou de fascismo os governantes que mandaram a polícia bater nas pessoas, e depois persegui-las pelas ruas de Lisboa. Fascistas, chamaram-lhes os manifestantes, horrorizados com as formas da repressão policial que ali aconteceu, enquanto várias emissões em directo faziam do apedrejamento (realizado por dezena e meia de putos revoltados da vida que a polícia poderia ter facilmente detido) e da reacção desproporcionada da polícia o melhor espectáculo mediático a que podiam aspirar naquele dia de protesto.

Estavam certos: vivemos dias de fascismo, com um Estado capturado por um grupo de pessoas sem capacidade política para governar, pois a política é por definição um diálogo, arte que desconhecem – e se dúvidas houvesse bastaria atentar nas múltiplas propostas de alteração ao Orçamento que num ápice esvaziaram de relevância, votando disciplinadamente contra o povo. Fascismo sim, e escusam de vir com as comparações do passado, nas suas formas mais absolutamente duras do século em que vários ditadores entregaram a outros tantos Estados o poder absurdo e criminoso sobre a vida dos cidadãos desses países.

E escusam também de vir com a retórica das inevitabilidades e dos dedos apontados ao PS do nosso descontentamento. Nada nesses argumentos retiram fascismo ao que hoje vemos nas acções do Governo autoritário e repressivo de Pedro Passos Coelho. Não nos representa, e já nem sequer os que votaram neles, porventura acreditando na social-democracia dos PSDs ou na virtuosa cristandade social católica dos CDSs. Não nos representam, e desde logo pelas razões objectivas de um sistema eleitoral que permitiu que fossem eleitos grandemente graças à abstenção – terrível e subvertido benefício para que a sua acção política no passado contribuiu de forma decisiva. [Read more…]