Canções históricas

 

(e também por ocasião da Páscoa)

2 – Bella Ciao

È questo il fiore del partigiano
O bella ciao, bella ciao, bella ciao ciao ciao
È questo il fiore del partigiano
Morto per la libertà

Cassandra Vera

A condenação a uma pena de prisão imposta por um tribunal à jovem Cassandra Vera, sob a acusação de os seus comentários sobre a morte, por atentado atribuído à ETA – quando a ETA era guerrilha – , nos idos anos 70, de Carrero Blanco terem um “carácter de descrédito, gozo e escárnio a uma vítima de terrorismo”, é inquietante. Blanco, um brutal ditador fascista, vítima?! Até os autores do atentado foram, depois da democratização de Espanha, amnistiados. E quero ser claro: um ataque a um 1º ministro fascista, isto é, um objectivo politico-militar de uma implacável ditadura – não esqueçamos que Franco, já depois do 25 de Abril português, promoveu fuzilamentos “preventivos” em Espanha – é resistência, é guerrilha, coisa muito diferente de terrorismo.
Não conheço todos os comentários irónicos de Cassandra, se são de bom ou de mau gosto. Sei que foi condenada a uma pena de prisão por delito de opinião. Ainda por cima, por ter má opinião de um tirano.

Ameaça de morte

A ameaça fascista, que se ergue em vários pontos da Europa, tem a sua expressão maior na presidenciável Marine Le Pen. Trump é fixe, Putin gosta dela e os Wilders, Orbáns e Coelhos (os Pintos, não os Passos) desta vida têm todos um poster da aspirante a ditadora na parede do quarto, mesmo ao lado da tarja com suástica e a frase O trabalho liberta. Será que a França consegue a proeza de a eleger? Depois do que aconteceu nos Estados Unidos, não seria de admirar. É bom que os tipos lá do sítio que se dizem democratas façam um bom cordão sanitário à volta desta frau. [Read more…]

Sorria

Todos os equipamentos electrónicos com ligação à internet, incluindo automóveis ou outros veículos de transporte, têm uma “porta dos fundos”, quer dizer, a possibilidade de serem totalmente comandados à distância sem o conhecimento do seu proprietário ou utilizador. Seja ele um cidadão comum, ou um chefe de estado – Donald Trump, o presidente dos Estados Unidos, tem sido espiado, designadamente através do seu telemóvel, vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana. O sistema operativo Windows, só para dar um exemplo, já traz de origem o código que permite a intrusão, vigilância, manipulação, cópia ou destruição de ficheiros e de hardware, incluindo microfones e as câmeras de vídeo. O mesmo se aplica a smartphones, Ipads, smart tv e por aí adiante.

Esta é, sucintamente, a última revelação da Wikileaks.

Não é claro, nesta altura, se a informação assim obtida estará a ser comercializada, ou de algum modo partilhada. Ou seja, não se sabe, embora isso seja plausível, se os detentores da tecnologia que permite este tipo de acção prestam “serviços” a clientes – leia-se Estados ou grandes empresas – espalhados pelo mundo, como, por exemplo, em Paris, em Bruxelas ou em Freixo de Espada à Cinta.

[Read more…]

A marcha do fascismo

c3_ckx7vuaaqkj5

Foram recentemente introduzidas alterações ao Código Civil, no sentido de reconhecer os animais como seres sensíveis. Não estando, ainda, do ponto de vista jurídico, equiparados a pessoas, os animais, com esta alteração legislativa, deixam de ser coisas aos olhos da lei, circunstância que altera profundamente o seu estatuto e protecção jurídicas, além do que lhes atribui formalmente uma nova relevância social.

Acontece que, a par disto, existe o SICAFE, o Sistema de Identificação de Caninos e Felinos, criado pelo Decreto-Lei nº 313/2003 que, no seu Artigo 3º, nº3, estabelece que “A identificação só pode ser efectuada por um médico veterinário, através da aplicação subcutânea de uma cápsula no centro da face lateral esquerda do pescoço.”

Esta “Cápsula” é um implante electrónico que contém um código com um número de dígitos que garantem a identificação individual do animal e permite a sua visualização através de um leitor, um aparelho igualmente electrónico destinado à captura e visualização dos dados constantes da cápsula.

[Read more…]

Heil!

dear-americans

Chegou a vez do fascista americano. Mais um. What could possibly go wrong?

Capa do Ano

dt

O Zé julga que é historiador

O Zé acredita que é jornalista. Agora, pensava que era historiador, mas fascismo não é quando um homem quiser.

Antigamente

Antigamente, sim. Antigamente havia sossego e cada um sabia muito bem o papel que lhe cabia no todo social. Havia respeito, havia pessoas trabalhadoras que não estavam sempre a queixar-se dos seus senhores. Não era esta pouca vergonha.

Um dia mau para o fascismo

O aeroporto de Lisboa passa a chamar-se Aeroporto Humberto Delgado. Uma homenagem merecida.

PONTE SALAZAR – Tenhamos a CORAGEM de lhe devolver o nome original.

Ponte Salazar

É este o nome de uma petição que circula na internet e que conta já com a assinatura de cerca de 1700 simpatizantes do fascismo. A petição, lançada na passada Quarta-feira, propõe alterar o nome da Ponte 25 de Abril para o original Ponte Salazar, devolvendo, desta forma, aos fascistas, o saudoso culto do chefe. Mas existe o risco de se tratar de uma jogada humorística, pelo menos a julgar por parte do conteúdo, feito de verdadeiras anedotas. Vejamos algumas: [Read more…]

Brasil: o povo na rua?

Brasil

Flutes, iates, limousines e extrema-direita. Eis a face visível da agenda política que procura aproveitar o tiro no pé do governo de Dilma para regressar ao passado de opressão e exploração do povo brasileiro. Os tais que se manifestam pelo fim da democracia. Que se manifestam contra o direito de se manifestar. Irónico e triste.

Fotomontagem via Diário de uma Cadeirante Cinefila

Marcelo, sempre do lado certo da história

1969

Em 1969, quando os estudantes de Coimbra se levantaram contra Américo Tomás, onde estava Marcelo Rebelo de Sousa? Não estava do lado dos estudantes, mas do lado de Américo Tomás. Uns lutaram pela liberdade e pela democracia; há outro que tudo fez para prolongar a tortura, a censura e a guerra colonial.

As palavras são de João Semedo, no comício de Marisa Matias em Coimbra, na passada Quinta-feira, e retratam um homem que sempre soube estar do lado certo da história. [Read more…]

Carta de Marcelo Rebelo de Sousa a Marcelo Caetano, um ano antes da revolução

Excelentíssimo Senhor Presidente (do Conselho),

Excelência,

Pedindo desculpa do tempo que tomo a Vossa Excelência, vinha solicitar alguns minutos de audiência (…). Seria possível, Senhor Presidente, conceder-me os escassos minutos que solicito? (…) Acompanhei de perto (como Vossa Excelência calcula), as vicissitudes relacionadas com o Congresso de Aveiro, e pude, de facto, tomar conhecimento de características de estrutura, funcionamento e ligações, que marcam nitidamente um controle (inesperado antes da efectuação) pelo PCP. Aliás, ao que parece, a actividade iniciada em Aveiro tem-se prolongado com deslocações no país e para fora dele, e com reuniões com meios mais jovens. [Read more…]

Marcelo Rebelo de Sousa – ontem, hoje e amanhã

PSD

Cavaco Silva, Pedro Passos Coelho, Miguel Relvas e Marcelo Rebelo de Sousa. Ontem, hoje e amanhã, Marcelo é a direita, representa a direita e será mais um presidente da e para a direita. E não há mal nenhum nisso: é uma opção legítima que a democracia lhe permite. Mau seria se lhe descobríssemos um rabo-de-palha como os vários que têm os restantes convivas citados. Até ver só más companhias, fascistas e corruptas, mas ter familiares e amigos de fraca índole ainda não é crime. Nem, tanto quanto sabemos, prejudica o erário público. Ser amigo de Ricardo Salgado não é a mesma coisa que andar a fazer negócios suspeitos com os fraudulentos do BPN ou orientar amigos com fundos europeus numa Tecnoforma perto de si. Mas não nos venha o senhor vender paleio de saco pré-eleitoral. Não nos tente negar que representa a direita com palavras vazias e comícios na Voz do Operário. Marcelo é a direita, representa a direita e será mais um presidente da e para a direita. Ontem hoje e amanhã.

A beatificação de Marcelo Caetano, por Marcelo Rebelo de Sousa

MRS MC

Se Cavaco Silva era um cidadão perfeitamente “integrado” no Estado Novo – e se dúvidas restassem, a contradição entre rejeição da atribuição de uma pensão a Salgueiro Maia e a atribuição de uma pensão por serviços “excepcionais e relevantes” a dois ex-inspectores da PIDE/DGS fala por si – um fascista praticante portanto, Marcelo Rebelo de Sousa não lhe fica muito atrás e será, no sentido facho da coisa, o candidato ideal para suceder a Cavaco.

Regressemos a Fevereiro de 2009. No colóquio “Tempos de transição”, dedicado à vida íntima de Marcelo Caetano, da qual Rebelo de Sousa fez parte, tendo o seu pai, Baltazar Rebelo de Sousa, amigo de Caetano e destacado fascista, desempenhado inúmeras funções na estrutura dirigente da ditadura, da Mocidade Portuguesa ao Parlamento-fantoche do Estado Novo, passando pelos ministérios da Educação, das Colónias, Saúde e Assistência, Corporações e Previdência Social, o agora candidato à presidência da República não poupou nos elogios a uma das figuras maiores do regime opressor que impôs ao país um reino de ignorância, manipulação e terror durante quatro décadas. [Read more…]

Política do espírito

A partir de quarta-feira, ministros, secretários de Estado e dirigentes locais do PSD e do CDS lançam-se à estrada para realizar em dois dias 18 sessões de propaganda que deixariam António Ferro orgulhoso. “Jornadas Portugal Caminhos de Futuro”, assim se chama a iniciativa, no mínimo insólita para dias que não são de campanha eleitoral. [Expresso]

Não é só na Hungria que há fascismo

the_jungle_calais_septembre_2015
[Calais Migrant Solidarity]

Em Calais, ontem de manhã, cerca de 300 sírios foram expulsos da cidade pela polícia. Como tentassem resistir, foram agredidos com matracas e gás pimenta e obrigados a seguir caminho para The jungle – um campo de refugiados situado num pântano baldio e infecto da periferia de Calais. A polícia francesa tem ordens para manter os refugiados afastados dos itinerários turísticos.

Uma Europa cada vez mais unida

O governo húngaro prepara-se para levantar um muro na fronteira com a Sérvia. O fascista Orbán, membro do PPE e amigo de palmada nas costas de Juncker continua a não integrar o lote dos radicais na narrativa do pensamento único. A pena de morte é já ao virar da esquina.

Armaste muita bandalheira papá

E contigo aqui não conseguimos ganhar as eleições. Antes que descubram que somos mesmo fascistas, vamos ter que te pôr a andar.

Diga lá outra vez?

Líder judeu francês elogia a Frente Nacional e Marine Le Pen. Será receio de ir parar à “fornada” do papá fascista?

Quanto vale a vida de um canalha?

blackshirts3

Por exemplo, admitamos que um ano vida de uma pessoa normal vale 1 QALY, e que uma pessoa com hepatite C vê a qualidade de vida reduzida em 50%, ou seja, 0.5 QALYs. Se o tratamento para a hepatite C permitir recuperar esses 0.5 QALYs durante 30 anos, então o valor desse tratamento será de 0.5 vezes 30, 15 QALYs.

Mais uma vez tenho de agradecer ao Mário Amorim Lopes o imenso favor de demonstrar que o neoliberalismo mata, e  muito. Não tanto como os fascismos, dizem, porque não mata a eito e com milícias, assassina com folhas de cálculo e uma religião a que chamam economia. Como os mortos ficam mortos na mesma, e a lógica ditatorial (é óbvio que um regime neoliberal é insustentável em democracia) não varia tanto como isso, lá vai cumprindo o seu papel sucessório, arquitectado pelos hayekes e pelas randes deste mundo.

Quanto à pergunta: eu acho que a vida do Mário Amorim Lopes não tem preço. Mais que não seja, perder um idiota tão útil seria um desperdício.

Quando os lobos julgam a justiça uiva

No dia 25 de Abril de 1974, de manhã, cheguei ao Liceu de V. N. de Famalicão, terra onde vivia, e não havia aulas. De acordo com o que nos disseram havia mudanças e ninguém sabia muito bem o que se iria passar. Uma coisa ficamos logo a saber, não íamos para a tropa! (ir para a tropa significava, para mim e para os meus amigos, então com 16 anos, ir para a guerra, e falávamos muito disso).

Durante toda a manhã ficamos nas imediações do Liceu, entretanto fechado, em pequenos grupos e a conversar sobre o que ainda não percebíamos muito bem. Lembro-me de dois aviões que passaram nos céus, e não eram os da TAP. De tarde, e depois de mais informações, quer de alguns professores quer de alguns pais, ficamos a saber algo mais. Tudo iria mudar.

Para mim, verifiquei logo uma mudança, alguns livros que havia em minha casa, escondidos pelos meus pais, começaram a estar à vista, junto com os outros. Lembro-me de alguns do Miguel Torga, do Aquilino Ribeiro, e outros, que um amigo de meus pais trazia às escondidas do Brasil (Roberto das Neves, um célebre anarquista, Tomás da Fonseca, etc.). E assim tratei logo de ler alguns desses livros que estavam proibidos. Lembro-me do Bichos, do Torga, e Quando os lobos uivam, do Aquilino Ribeiro. Este retrata o que foi a expropriação violenta dos terrenos baldios (que tem uma administração própria, em regime comunitário) pela administração fascista do Estado Novo, com a consequente plantação de pinheiro em grandes parcelas do nosso território, e que matou a economia local em muitas localidades. O romance descreve essa luta, as perseguições e a repressão, com mortos.
Proibido, pois.

Junto com este havia outro, editado no Brasil, que hoje conservo. Trata-se da transcrição da  acusação e da defesa em tribunal do Aquilino por causa daquele livro.

Passados 40 anos do 25 de Abril, relembro esse, intitulado Quando os lobos julgam a justiça uiva.

Morreu a Marina Ginestà

Podem ler um breve resumo da sua audaciosa vida aqui (em castelhano).

Novas da democracia

Discordas da UE? Tens opiniões contrárias às da UE? Queres criticar a UE? Vais preso. Notícias gregas. Gregas, para já.

À Beira do Abismo

Quando um egolátrico teve quase TUDO no bolso, menos os portugueses.

Confissão

nuno melo
Nuno Melo declarou que os governos de Sócrates eram os piores desde o final da 1ª Répública.

Para não haver dúvidas: Nuno Melo, dirigente e deputado do CDS no Parlamento Europeu, manifestou a sua preferência por Salazar e Marcelo Caetano quando comparados com José Sócrates. Está no seu direito, embora vá ter dificuldades em levar o seu amor até às últimas consequências, uma vez que as organizações fascistas são proibidas pela Constituição da República.

Mas o que importa isso a Nuno Melo e aos seus amigos actuais e a haver? Há uma vantagem nestes políticos cujo narcisismo desata a incontinência verbal: ficamos a saber com que contar e o que podemos esperar dos seus planos futuros. E a poder exigir às borboletas mui democráticas, que batem as asinhas em louvor ao governo, uma clarificação inequívoca: já chegaram ao ponto de pensar que “isto só lá vai” com um regime autocrático? Aspiram a um neossalazarismo? É que se é assim, nós, pessoas decentes, temos coisas a preparar.

Nem vale a pena ir votar que a Merkel resolve tudo

<> on November 14, 2011 in Leipzig, Germany.

«Uma campanha mortiça, não por acaso, mas por tacticismo: Angela Merkel tem conseguido convencer todos de que a situação não tem saída, e muito menos requer visão prospectiva, isto é, políticas. A cultura política que foi construíndo ao longo dos últimos oito anos não deixa espaço para a crítica nem para o debate. Fá-lo apresentando todas as suas grandes decisões como sendo actos involuntários, movidos pela necessidade. E todos os seus erros como problemas sistémicos. (…) Os eleitores alemães não estão a receber informação suficiente, nem fazem ideia alguma sobre o futuro. Isto aplica-se a tudo. Assim vamos: dirigentes que estão na disposição de governar sem o envolvimento do povo, nem têm tempo para debates nem novas ideias.»
Um texto de Juliane Mendelsohn, aqui.

Parafascismo e Paralelismos Abusivos

Em face das contingências a que estamos ancorados, não me parece justo nem mentalmente são apodar de fascista Pedro Passos Coelho, fascista a Troyka, fascista a Comissão Europeia, fascista o BCE, fascista o FMI. Não podemos nem devemos laborar na leviandade de esvaziar com paralelismos chocantes e abusivos a brutalidade e o datado de quaisquer fenómenos sócio-políticos mortos e enterrados. Palavras de indignação há muitas. Mesmo aquelas que os palermas empunham, na sua cegueira parcial, clubite partidária. As minhas Palavrossavras de angústia e revolta curiosamente vertem-se contra [e privilegiam] quantos, no passado recente, não zelaram por nós, não respeitaram o nosso direito a mais santa paz de espírito nem acautelaram o realismo das nossas vidas, comprometendo-as através de muitíssimas formas de sofreguidão e negligência, dolo e logro, impossíveis de caracterizar com eufemismos porque foram criminosas. [Read more…]

O fascismo de sempre que nunca mais

Sarah Adamopoulos

«Não fomos nós que escolhemos o tempo para governar. Foi o tempo que nos escolheu.» – Pedro Passos Coelho no congresso do PSD na Madeira hoje mesmo

Uma das palavras de indignação gritadas com angústia e revolta pelos manifestantes no passado dia 14 de Novembro em frente à Assembleia da República foi a que sem demoras acusou de fascismo os governantes que mandaram a polícia bater nas pessoas, e depois persegui-las pelas ruas de Lisboa. Fascistas, chamaram-lhes os manifestantes, horrorizados com as formas da repressão policial que ali aconteceu, enquanto várias emissões em directo faziam do apedrejamento (realizado por dezena e meia de putos revoltados da vida que a polícia poderia ter facilmente detido) e da reacção desproporcionada da polícia o melhor espectáculo mediático a que podiam aspirar naquele dia de protesto.

Estavam certos: vivemos dias de fascismo, com um Estado capturado por um grupo de pessoas sem capacidade política para governar, pois a política é por definição um diálogo, arte que desconhecem – e se dúvidas houvesse bastaria atentar nas múltiplas propostas de alteração ao Orçamento que num ápice esvaziaram de relevância, votando disciplinadamente contra o povo. Fascismo sim, e escusam de vir com as comparações do passado, nas suas formas mais absolutamente duras do século em que vários ditadores entregaram a outros tantos Estados o poder absurdo e criminoso sobre a vida dos cidadãos desses países.

E escusam também de vir com a retórica das inevitabilidades e dos dedos apontados ao PS do nosso descontentamento. Nada nesses argumentos retiram fascismo ao que hoje vemos nas acções do Governo autoritário e repressivo de Pedro Passos Coelho. Não nos representa, e já nem sequer os que votaram neles, porventura acreditando na social-democracia dos PSDs ou na virtuosa cristandade social católica dos CDSs. Não nos representam, e desde logo pelas razões objectivas de um sistema eleitoral que permitiu que fossem eleitos grandemente graças à abstenção – terrível e subvertido benefício para que a sua acção política no passado contribuiu de forma decisiva. [Read more…]