Nem sequer uma Dimitra?!

Além das filosofias e arquitecturas provenientes de um espaço geográfico que é o mesmo, mas temporalmente bem diverso, a Grécia dos últimos anos sempre nos divertia com algo de picaresco. Desde os conhecidos delírios de heroísmos de grandeza imperial, até às perdularices propiciadas por dinheiros alheios, tudo era possível. Até tivemos o priviléggio de seguir o tórrido caso hard-core do”vigareiro” Andreas Papandreu II – Dimitra Liani que encheu páginas e páginas de jornais e revistas. A antiga açafata de bordo adorava especificar em entrevistas, as proezas sexuais do valetudinário esposo, então um “simples primeiro-ministro”. Os gregos mais pândegos, até diziam que a capitosa e roliça ex-hospedeira da Olympic Airlines, ainda não tinha “feito” o piloto-automático… Uma pioneira nos direitos iguais de gender, há que reconhecê-lo.

Papandreu e Caramanlis são os familiares nomes da republicana Grécia. Agora junta-se outro apelido histórico, desta vez Venizelos. Apenas se espera que continue a sua saga de demagogias, “engenhocas financistas”, prestimosa cobertura de assuntos de corrupção e populismos de sarjeta. A ver vamos se não se mete em novas Megali Idea. Era só o que mais faltava.

Papandreou pressionado a demitir-se

Segundo a BBC, citada pelo ‘Público’, George Papandreou está a ser pressionado a  demitir-se.

A TV estatal grega nega a notícia. Todavia, na BBC, como pelo mundo inteiro, até no Jornal do Comércio, do Brasil, é anunciada a possibilidade de Papandreou renunciar ao cargo esta quinta-feira, em função de pressões internas no seu partido. O obeso Ministro das Finanças, Vanzelos, tem sido dos mais impetuosos na contestação de Papandreou.

As turbulências e revoltas de massas nas ruas, principalmente em Atenas, a instabilidade nas estruturas militares e a falta de coesão dos políticos estão a gerar, desde há muito, um clima denso e irrespirável na Grécia.

Papandreou, com legitimidade diga-se, salgou o ambiente com a decisão do referendo. Todo este complexo e escaldante processo de crise e de caldo social, político e militar se iniciou – lembre-se – com manipulações de contas públicas, por parte do partido de direita, Nova Democracia; depois veio o ácido da “ajuda externa” e das severas medidas do ‘memorando de entendimento’ da Troika – a ideia do referendo deriva do novo pacote de “ajuda” de 130 mil milhões de euros (30 mil vão directos para garantias a bancos estrangeiros) e do endurecimento da austeridade que será associada. [Read more…]