Nem sequer uma Dimitra?!

Além das filosofias e arquitecturas provenientes de um espaço geográfico que é o mesmo, mas temporalmente bem diverso, a Grécia dos últimos anos sempre nos divertia com algo de picaresco. Desde os conhecidos delírios de heroísmos de grandeza imperial, até às perdularices propiciadas por dinheiros alheios, tudo era possível. Até tivemos o priviléggio de seguir o tórrido caso hard-core do”vigareiro” Andreas Papandreu II – Dimitra Liani que encheu páginas e páginas de jornais e revistas. A antiga açafata de bordo adorava especificar em entrevistas, as proezas sexuais do valetudinário esposo, então um “simples primeiro-ministro”. Os gregos mais pândegos, até diziam que a capitosa e roliça ex-hospedeira da Olympic Airlines, ainda não tinha “feito” o piloto-automático… Uma pioneira nos direitos iguais de gender, há que reconhecê-lo.

Papandreu e Caramanlis são os familiares nomes da republicana Grécia. Agora junta-se outro apelido histórico, desta vez Venizelos. Apenas se espera que continue a sua saga de demagogias, “engenhocas financistas”, prestimosa cobertura de assuntos de corrupção e populismos de sarjeta. A ver vamos se não se mete em novas Megali Idea. Era só o que mais faltava.

Comments

  1. Buiça says:

    Muito bom!
    Vem aí mais do mesmo, o importante é que algo mude para que tudo fique na mesma.
    Não esquecer que estas famílias acumularam fortunas fabulosas (ia dizer Khadafianas) ao longo dos anos. O Estado Grego é apenas o veículo que utilizam para as capturar, com mais oratória ou menos oratória sempre mantendo a alternância “democrática”.