Caves de Vinho do Porto: sob as pedras, o silêncio

Caves de Vinho do Porto, Gaia, 18 de Fevereiro de 2018. Clique para ampliar.

Sob o silêncio cúmplice das instituições do Estado responsáveis pela preservação do Património, das forças políticas da oposição em Vila Nova de Gaia, incluindo o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda, da Comunicação Social e das eminências pardas da “sociedade civil” que costumam apresentar-se como grandes arautos da defesa dos valores identitários e do património histórico e arquitectónico do nosso país, prossegue no Centro Histórico de Vila Nova de Gaia, na zona das Caves de Vinho do Porto, o verdadeiro atentado que as imagens documentam.

[Read more…]

O Dr. Passos “opta pela vida académica”

O título do jornal Expresso poderia levar o leitor de bom senso a julgar que o ex-Primeiro-Ministro, o Dr. Pedro Passos Coelho, tinha decidido voltar a estudar. Não é o caso, porém.

Na realidade – essa sempre espantosa dimensão da semiótica que teima em ultrapassar a ficção – o político português que mais dano causou ao país desde que há democracia, vai dar aulas “em várias universidades”. É perfeitamente plausível que o ex-Primeiro-Ministro detenha as habilitações necessárias ao exercício da função de professor universitário, mesmo que para isso os serviços respectivos da administração façam o favor – que é dever – de reconhecer e creditar ao Dr. Passos Coelho a vasta experiência profissional adquirida nos últimos anos, convertendo-a em competente e adequado título académico.

[Read more…]

Demolições em força nas Caves de Vinho do Porto

Uma discreta notícia de jornal (em papel) deu nota, há poucos dias, do início das obras no “Mundo do Vinho”, na zona das Caves de Vinho do Porto, em Gaia. As imagens falam por si.

Crescimento brutal da volumetria do hotel Yeatman.

Demolição do edificado (clique para aumentar).

Demolição do edificado (clique para aumentar).

Um bairro esventrado aos poucos e a arte ao serviço da solidariedade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nas ruas e becos do Bairro de Santa Filomena, na Amadora, crianças e adultos convivem diariamente com a poeira e os destroços deixados pelas demolições. Nos olhos de quem adivinha um futuro sem futuro para os seus filhos é já visível a falta de esperança de quem veio, há muitos anos, para Portugal, na expectativa de encontrar um pouco mais do que tinha em Cabo-Verde. A vida foi-lhes madrasta, pois que o é quase sempre para quem já nasce com a pobreza inscrita nos genes.

Muitos dos que habitam no Bairro de Santa Filomena vieram para trabalhar na construção civil quando o Estado português necessitava de mão-de-obra barata para as suas grandes obras públicas. Nos anos 90, enquanto o País se atapetava de betão, os corações de muitos imigrantes enchiam-se da confiança de ter encontrado um lugar onde não faltava o trabalho e a comida na mesa. Construíram casas tijolo a tijolo, à medida dos seus bolsos remendados, como tantos portugueses o fizeram – é só percorrer o País e olhar com olhos de ver para as casas de milhares de pessoas, edificadas a pulso, em que um tecto, um tecto apenas, é o objectivo único e final de tantas almas mal abrigadas. Um resguardo que as proteja da chuva e dos olhares. Do vento e das agruras do mundo. Do sol e de todos os desenganos. Um lar. Pobre, é certo, mas um lar.

A euforia do betão terminou quando acabou o dinheiro. Os sucessivos governos desbarataram recursos, encerraram fábricas, acabaram com a agricultura, destruíram as pescas. Sepultaram um País e chamaram-lhe crise. Uma crise sem culpados mas com vítimas. Entre elas, os milhares de habitantes dos muitos bairros sociais que albergam cada vez mais gente.

“Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar”, pode ler-se noArtº 65 da Constituição da República Portuguesa. Os habitantes do Bairro de Santa Filomena não conhecem a Constituição. A Câmara da Amadora também não. Mas os colectivos que defendem um País mais justo conhecem.  É o caso do Habita, que tem denunciado a situação que se vive num grande pedaço de terreno no centro da Amadora, apetecível para empreiteiros, possível moeda de troca para muitos favores políticos.

Ao Habita juntaram-se outras vozes que recusam o silêncio. Entre essas vozes, estão a de Ana e Diogo, dois jovens estudantes, finalistas do curso de Design de Comunicação da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Puseram pés ao caminho, imprimiram fotografias dos moradores em grande formato, e concluíram, ontem, a colagem das fotos dos rostos de adultos e crianças do Bairro de Santa Filomena, nas casas que a Câmara Municipal de Amadora ainda pretende demolir. Porque a pobreza e a desgraça têm rosto, mas a solidariedade também.

 

Esta casa não é do Luis Nobre Guedes


Porque, se fosse, nunca seria demolida, ao contrário do que irá acontecer muito em breve. Uma casa construída com muito sacrifício por um lavrador, Florentino Duarte, que tem ali o seu único poiso e nos campos que cultiva o único sustento de 7 ou 8 pessoas. O mesmo Estado que o deixou construir a casa há mais de 30 anos; o mesmo Estado que, através dos fiscais do ICN, o incentivou a terminar e a ocupar a casa o mais cedo possível; o mesmo Estado que sempre lhe aceitou a contribuição autárquica rústica e urbana e todos os impostos relacionados com a casa; o mesmo Estado que recusou 2 vezes a sua legalização é o mesmo que agora quer fazer justiça sem olhar às circunstâncias.
Mesmo ali ao lado, naquela mesma aldeia da Piedade, concelho de Azeitão, Parque Natural da Arrábida, foi legalizada em 2004 uma outra casa ilegal, pertencente a Luis Nobre Guedes, advogado e político do CDS. Uma casa que só começou a ser construída em 2002, já depois da casa de Florentino Duarte ter sido ameaçada de demolição pela primeira vez, e cuja Licença de Habitabilidade demorou apenas 23 dias. Por uma coincidência incrível, Luis Nobre Guedes era então o Ministro do Ambiente, facto que, como é óbvio, nada teve a ver com a supersónica legalização da sua casa. Nem pensar, é tudo gente tão séria!
Parafraseando o lavrador Florentino Duarte, não se entende como é que por todo o Parque Natural de Arrábida foram legalizadas casas de fim-de-semana com mais de 200 m2, com piscinas em vez de hortas e «courts» de ténis em vez de capoeiras. E muitas delas sem o Parecer prévio do Parque Natural. E tudo isto enquanto as cimenteiras, agora com co-incineração, continuam a destruir a Arrábida.
Disse que não se entende, mas claro que se entende. E muito bem. Afinal, estamos em Portugal. E afinal, não é verdade que a sumptuosa casa de Florentino Duarte destrói e polui muito mais do que a singela e humilde Cimenteira do Outão?