Dia de libertação dos impostos e custo do trabalho

Os portugueses vão precisar de trabalhar este ano até ao dia 4 de Junho para pagar impostos. É o que diz o relatório “The tax burden of typical workers in the EU 27” (“O fardo fiscal dos trabalhadores médios na Europa a 27”) disponibilizado pelo Público.

De que impostos se está a falar? Da contribuição para a segurança social, impostos sobre os rendimentos e IRS. Outras taxas, como combustíveis, tabaco, álcool, taxas de justiça, taxas de saúde, IMI, IMT, taxa da televisão, taxas na electricidade, taxas na água, contribuições extraordinárias no IRS, etc., etc. não foram consideradas (ver pág. 7).

Tenho  umas tristes notícias a vos dar. [Read more…]

Dia da libertação dos impostos e hipocrisia

Partindo de uma treta estatística, a do dia da libertação dos impostos (bem desmontada pelo Miguel Madeira), anda parte da direita muito entretida naquele lirismo serôdio do “não queremos pagar impostos”. Querer ninguém quer, é sabido, mas a demagogia tem o inconveniente de colidir com a vida real.

Sugiro que amanhã vão todos para o trabalho a pé por veredas e atalhos, para começar, e se forem assaltados não chamem a polícia. E sempre questiono se assim pregavam casonão tivessem dinheiro para pagar as mensalidades do colégio onde têm as crias, ou se por acaso lá na família quando aparece uma doença cancerígena não utilizam os serviços do IPO.

O primarismo anti-impostos é uma doença de ricos, precisamente os que proporcionalmente menos pagam porque têm acesso aos mecanismos de fuga. Mas não prescindem do que não dá lucro e apenas o estado lhes pode proporcionar.