Dia de libertação dos impostos e custo do trabalho

Os portugueses vão precisar de trabalhar este ano até ao dia 4 de Junho para pagar impostos. É o que diz o relatório “The tax burden of typical workers in the EU 27” (“O fardo fiscal dos trabalhadores médios na Europa a 27”) disponibilizado pelo Público.

De que impostos se está a falar? Da contribuição para a segurança social, impostos sobre os rendimentos e IRS. Outras taxas, como combustíveis, tabaco, álcool, taxas de justiça, taxas de saúde, IMI, IMT, taxa da televisão, taxas na electricidade, taxas na água, contribuições extraordinárias no IRS, etc., etc. não foram consideradas (ver pág. 7).

Tenho  umas tristes notícias a vos dar. Nem todos estão sujeitos à mesma carga fiscal (estamos num sistema de impostos progressivos) e, dado que o relatório não incluiu todos os impostos, nem o dia 4 de Junho faz sentido como a data em que se deixa de pagar impostos! Mas note-se, eu nem sou propriamente contra os impostos e nem sou um rico com possibilidades de fuga ao fisco. Acho é que para o montante de impostos que se paga em Portugal, o estado não devolve à sociedade um proporcional serviço. Por exemplo, sei por experiência própria que na Alemanha a saúde tem custo zero, que as auto-estradas são, quase todas, gratuitas e que o subsídio de maternidade dura 18 meses, podendo ser expandido a 36 meses com um corte de 30% nesse subsídio. Isto só para citar alguns exemplos. Mas enfim, quando é público que o estado tem que pagar BPNs, Madeiras, Swaps e demais quejandos, é claro que o dinheiro não estica.

O relatório aqui referido tem ainda, na pág. 13, um interessante quadro comparativo sobre o custo para as empresas de cada euro pago ao trabalhador:

custo-do-trabalho

Portugal aparece quase no fundo da tabela quanto ao custo de cada euro pago a um trabalhador. Segundo estes dados, o  salário líquido pago a um trabalhador corresponde a um custo acrescido de 60% para a empresa, o que acho curioso, já que tenho ouvido falar em valores algo superiores. Mas das duas três, ou estes dados estão certos e quem anda a reclamar do elevado custo do trabalho em Portugal não tem ponta de razão ou então, por outro lado, estes dados estão errados e todo o relatório não vale nada.

Comments

  1. Konigvs says:

    Acho que temos um Estado que anda a viver acima das nossas possibilidades, pelo menos das minhas anda. No fundo pagar impostos para quê?
    Para se ter estradas que não se podem pagar? Para se ter a saúde universal e gratuita bem mais cara que nas clínicas do ministro da Medis? Para comprarmos um litro de combustível em que 60% são impostos? Para comprarmos um carro e depois não termos dinheiro para o estacionar porque em qualquer sítio temos de pagar 1€/hora? Para termos uma casa, direito constitucional, que mesmo depois de paga nunca será nossa, e termos aumentos de IMI que chegam aos 1000%?
    Ou como no meu caso que tenho uma casa, gasto 1€ de energia por mês, mas tenho de pagar aos chineses 10 vezes mais?
    Alguém que me responda: pagar impostos para quê? Para meter nos bancos, e no cu dos patrões?
    Deveria haver concorrência com o Estado, um outro Estado que me ficasse com os impostos mas que fizesse a coisa mais barata que eu assim podia mudar. Sei lá, fazer uma coisa como a DECO fez com a eletricidade, um gaijo juntava-se e fazia um leilão a ver se aparecia outro Estado (seja lá essa merda o que for) e fazia a coisa mais baratinha.
    É que este não serve, sem dúvida que anda a viver acima das minhas possibilidades, e ainda por cima, O filho da puta trata-me como um criminoso, e por estar desemprego, obriga-me a termo de identidade e residência. Como um criminoso não, que há criminosos, que só precisam de ir à polícia uma vez por mês, e eu bem me fodo que tenho de ir ao carimbo de 15 em 15 dias senão fico sem o dinheiro, já muito roubado, para o qual descontei e que é meu por direito. Afinal estado para quê caralho?


  2. Pagar impostos para quê ? Para ficarmos cada vez pior ! Creio que nem os mais
    execráveis agiotas fariam pior . Vivemos como extorquidos para os Políticos ,
    uma corja sem escrúpulos , enriquerecem , bem como os seus acólitos .
    Relativamente , ao desemprego , há pessoas inscritas , sem nada receberem ,
    sem terem rendimentos , como o meu caso , porque me roubaram tudo , sobre-
    tudo por culpa da canalha da Banca e não só , obrigando uma pessoa a apre-
    sentar-se sem terem dinheiro para a deslocação , para efeitos de TPE .
    Sabem o que isto quer dzer ? É mais um chavão destes Políticos incompetentes,
    corruptos e tiranos , que fazem de nós um joguete de paus mandados como se
    fôssemos uns BASBAQUES , isto é , realmente inacreditável .
    TPE quer dizer segundo esses crâneos Técnicas de Procura de Emprego , como
    se uma pessoa não soubesse procurar emprego e isso fosse o milagre para ar-
    ranjarmos emprego . Isto ainda é pior que vender banha da cobra . i
    Estamos mesmo entregues aos bichos , cada vez mais caminhamos mais para
    um ditatorial controle de absolutismo que nem uma Ditadura .
    O Povo que não se revolte que não é preciso .

  3. murphy says:

    Este post encerra a discussão que interessa fazer em Portugal: este governo está a trabalhar no sentido de forçar a malta a abandonar os gabinetes da capital, a largar as secretárias atafulhadas de papel nos ministérios, direcções gerais, secretarias de estado, observatórios e fundações, institutos e empresas públicas, etc., etc., EM RESUMO, a substituir o modelo dos “empregos sustentados pela BUROCRACIA” pela aposta em algo PRODUTIVO, nomeadamente, a agricultura e indústria?

    http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/02/portugal-lisboa-e-o-resto-do-pais-1.html

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.