Uma mesquita no sítio das Torres Gémeas

A ideia de construir uma mesquita no Ground Zero, muito perto do local onde se erguiam as Torres Gémeas, só pode levantar polémica e despertar acesas discussões. Ainda bem que assim é.

Entre os vários argumentos apresentados, os defensores da mesquita salientam que a sua existência melhoraria o diálogo inter-religioso e ajudaria a lançar pontes entre as comunidades que professam outras religiões e as muçulmanas e islâmicas. Alguns líderes religiosos entendem que a solução deverá ser encontrada através do diálogo com as famílias dos mortos em 11 de Setembro, enquanto outros vêm aqui uma oportunidade de cimentar o que designam por macro-ecumenismo.

Por outro lado, o coro dos opositores afirma tratar-se de um ultraje e de uma chapada na cara dos nova-iorquinos. Há, inclusivamente, quem compare a construção da mesquita com a inauguração de um memorial a Hitler em Auchwitz ou com o estabelecimento de um centro cultural japonês em Pearl Arbour. Algumas vozes acusam os promotores da iniciativa de provocação e referem que estes pretendem reescrever a história.

Uma busca através do Google pela imprensa americana faz-me concluir que a ideia tem mais opositores do que apoiantes, sendo alguns artigos bastante violentos. Mas, digo eu, se a mesquita se concretizasse e alguns rancores fossem ultrapassados, estaríamos perante um exemplo de democracia, tolerância e respeito pela liberdade religiosa, valores que o ocidente afirma praticar. Mais importante ainda: seria dada uma forte machadada nos argumentos de muitos grupos fundamentalistas e nos discursos que, em ambos os lados, retiram a possibilidade de cada um respeitar o outro com base nas suas escolhas culturais e/ou religiosas.