Observatório Do Mundo – Troika, A Nova Ordem Europeia – TVI 24

O documentário da autoria de Harald Schumann legendado pela leitora Isabel Atalaia e publicado pelo Aventar foi retransmitido pela TVI24, em versão legendada e dobrada.

Versão Aventar: [Read more…]

Observatório Do Mundo – Troika, A Nova Ordem Europeia

A TVI24 emitiu um programa que é, essencialmente, o documentário “Poderosa e Descontrolada: A Troika”, traduzido pelo Aventar faz algum tempo. Aproveite para ver ou rever, agora com partes narradas em português.

Acompanhe a reportagem do jornalista Harald Schumann, onde se explica com uma fria clareza a razão de se ter emprestado dinheiro à Grécia, a Portugal, à Irlanda e ao Chipre. Compare os argumentos apresentados com os que a direita debita e forme as suas próprias conclusões. Ficar informado está apenas a um clique de distância.

Poderosa e sem controlo: a troika

Puissante et incontrôlée : la troïka; Documentário de  Harald Schumann, disponível em francês e alemão; ARTE / RBB; Fevereiro 2015

[Read more…]

O jornalista alemão Harald Schumann

veio a Portugal filmar a nossa miséria pós-troika e entrevistar pessoas para o seu novo documentário. O governo não aceitou falar com ele. Em Outubro passado o Aventar legendou o seu «Quando a Europa salva os bancos quem é que paga?».

harald_schumann

Visto de fora

O “resgate” errado, que apenas
salvou os investidores estrangeiros,
principalmente alemães, de
perderem nos maus investimentos
que fizeram, mina a confiança nas
instituições democráticas dos países
afectados. Os Governos e os
Parlamentos desses países parecem
ser apenas marionetas nas mãos de
desconhecidos, e não eleitos,
burocratas estrangeiros. E, ou, de
investidores.

o verdadeiro objectivo dos
“planos de resgate” foi salvar os
bancos – alemães, franceses,
ingleses – e os seus clientes ricos
que fizeram investimentos
estúpidos em bancos
sobredimensionados, alimentados
pelas bolhas imobiliárias, na
Irlanda, na Espanha e em Portugal.
Por esta razão, as dívidas dos
bancos a credores privados foi
reciclada em dívida dos Estados a
credores oficiais. Em vez dos
investidores, quem assumiu o risco
foram os contribuintes de todos os
Estados da Europa [P]