1.6 milhões de euros pelos jacarandás

jacaranda_cinza

Num destes domingos passeei-me pela baixa de Lisboa. É uma coisa que gosto, andar por cidades fantasma, imaginar pessoas que nelas não vivem, apreciar os cafés sem clientes, deambular pelo meio dos estranjas, entretidos com as suas reflex, a capturar a luz da cidade que não faz sombras de pessoas. [Read more…]

Os Jacarandás floriram

António Barreto ” observador – mor dos jacarandás” já hoje assinala no Público que a avenida D. Carlos l, em Lisboa, exulta de cor, “tal como outros seus santuários, Largo de Santos, em Belém e no Parque Eduardo Vll”.

“…ainda por cima, em tempos de mentira, reviravolta e ocultação, é bom perceber que há coisas eternas, cuja repetição sazonal nos dá a garantia de que a vida nos oferece permanência e lealdade”!

Vinda do Brasil, esta bonita árvore que pode alcançar grande envergadura, enche-se de côr roxa, e hoje é frequente encontrá-la em muitos pontos da cidade.
As suas flores são duráveis, perfumadas e grandes, de coloração azul ou arroxeada, em forma de trompete e arranjadas em inflorescências do tipo panícula. A floração se estende por toda a primavera e início do verão (de agosto a novembro).

Estão a desaparecer no seu habitat natural, Bolívia e Uruguai, mas felizmente que em Lisboa não faltam exemplares centenários e que são objecto de admiração e carinho!