Uma francesa imbecil

A directora de uma escola francesa proibiu um menino português de entrar com uma camisola da nossa selecção.  É ler no Expresso, tal como a bela carta que o nosso embaixador em Paris endereçou ao miúdo.

Estranhará quem não conhece o chauvinismo gaulês, a forma como sempre desprezaram os nossos emigrantes, e o mau perder que a tantos caracteriza, cá e lá.

É um bom aviso para os que entre nós maltratam imigrantes, nomeadamente os brasileiros que espero fiquem cabisbaixos amanhã, esquecendo que cada vez mais os portugueses se tentam desenrascar emigrando e sujeitando-se a estas imbecilidades. A xenofobia é sobretudo uma imbecilidade, mas quando mete miúdos ao barulho ultrapassa a simples connerie e dá-nos vontade de ter a senhora pela frente para lhe despejar algumas frases da bela língua francesa, adivinhem quais.

É não perceber que o futebol é só um jogo, sobre o qual dizemos disparates, que nos faz explodir de alegria e conter de raiva, mas apenas e só um jogo.

O Mathis Araújo tem cinco anos. Está a aprender cedo, muito cedo, uma lição de vida sobre o estranho mundo dos adultos. Resta-me lamentar que a selecção francesa já tenha regressado a casa. Bem se podiam cruzar connosco: 7 a 0 ia ser pouco.