Imigrante ilegal, negro, islâmico e herói nacional

Mamadou Gassama é um dos milhares de imigrantes que, todos os dias, arrisca a vida para escapar de um qualquer inferno na Terra, a bordo de uma embarcação frágil e sobrelotada. No caso de Mamadou, foi o Mali, um dos países mais pobres do planeta, apesar de dono da terceira maior reserva africana de ouro.

O Mali é um estado secular, de maioria muçulmana. Ainda assim, existem algumas zonas no norte do país onde a sharia se substitui à lei, o que equivale a dizer que um conjunto de fanáticos interpreta o Corão como lhe apetece e aplica amputações, apedrejamentos até à morte e outras formas de tortura e extermínio. Não sei se Mamadou vivia no norte do país, mas eu nem no sul queria estar, com malucos daqueles à solta. Fugia dali, como o maliano fez.  [Read more…]

Ditadores sofisticados

BAAJC.jpg

Bashar al-Assad devolveu a condecoração que lhe foi atribuída pelo estado francês em 2001. Sim, é verdade: os nossos moralíssimos lideres ocidentais têm esse estranho vício de condecorar qualquer merda que lhes apareça à frente, democrata ou ditador, desde que sirva, ainda que momentaneamente, os seus interesses políticos e pessoais. Ou os interesses económicos de quem lhes paga as campanhas e lhes garante as reformas douradas.

Daí não admirar que Kadhafi tenha financiado a campanha de 2007 de Sarkozy, que os EUA armem a Arábia Saudita até aos dentes ou que o polidos britânicos sejam os banqueiros preferenciais dos oligarcas russos, com a sua City repleta de lavandarias de Vladimir Putin. Porque, por trás do falso moralismo e da preocupação fingida com a democracia e com o bem-estar da humanidade, estão quase sempre prostitutas políticas sem escrúpulos. Ditadores mais sofisticados, portanto.

BAAQE.jpg

 

Serei só eu a sentir o cheiro a esturro no ar?

OPCW.jpg

Na madrugada de Sábado, Estados Unidos, França e Reino Unido decidiram bombardear instalações militares do governo sírio, alegadamente relacionadas com a produção e armazenamento de armas químicas, alegadamente usadas contra a população civil e indefesa de Douma, um dos últimos bastiões rebeldes nas imediações de Damasco, que alegadamente acertaram os alvos a que se propuseram.

O ataque vem na sequência de tweets contraditórios de Donald Trump, um clássico do governante socialite, que num dia felicita Putin pela vitória numa eleição fraudulenta, para no outro afirmar que a relação entre as duas potências está pior do que nos tempos da Guerra Fria. Em poucas horas, o anedótico presidente norte-americano conseguiu ameaçar que os mísseis iam a caminho, para depois afirmar que tais movimentações poderiam estar para “muito breve ou nem por isso”. Ter um maluco aos comandos da máquina de guerra do império tem destas coisas. E a nomeação de John Bolton é a cereja no topo do bolo da falta de noção deste mentecapto com ogivas. [Read more…]

Síria, 15 anos após as armas de destruição maciça que ninguém conseguiu encontrar no Iraque

S.jpg

Fotografia: Associated Press

Passaram 15 anos desde a invasão do Iraque e as armas de destruição maciça do regime de Saddam, cuja existência Bush, Blair, Aznar e Barroso juravam poder provar factualmente, continuam em parte incerta.

Esta noite, Trump, May e Macron bombardearam um Estado soberano, em violação da Carta das Nações Unidas, do seu Conselho de Segurança e das mais elementares normas do direito internacional que norteiam as relações internacionais entre estados civilizados, partindo do pressuposto de que o regime de Assad terá usado armas químicas contra a sua população, sem, contudo, apresentarem ao mundo as provas irrefutáveis que afirmam ter. Tal como aconteceu em 2003, quando o Iraque foi invadido. Com todas as consequências que isso teve, da escalada da violência ao sólo fértil onde germinou o Daesh. [Read more…]

Por que motivo Portugal não expulsou diplomatas russos

Talvez porque saiba a resposta a algumas das perguntas que o governo russo colocou às autoridades do Reino Unido e que aguardam resposta. Eis as perguntas:

[Read more…]

Sarkozy é de esquerda

NS.jpg

Existe uma certa direita, primária e estupidificada, representada em Portugal por sites de fanáticos acéfalos como o Direita Política, que associa frequentemente todo e qualquer ditador ou terrorista ao socialismo, ao marxismo ou a qualquer outra corrente de pensamento que se mexa à esquerda. Um evento permanente de degustação de gelados com a testa. [Read more…]

Os corruptos estão todos no Sul da Europa

Isto é sem dúvida uma aberração.

Startup Macron

Da necessidade de derrotar Le Pen nasceu um boneco. Mesmo tendo vencido com os votos da esquerda que o despreza e sendo o candidato que menos entusiasmava os seus próprios eleitores, o coro de papagaios que enche o eco televisivo transformou-o numa esperança. Ex-banqueiro, ex-relator de Sarkozy, ex-conselheiro de Hollande, ex-ministro de Valls, o oportunista saltitou até ao céu sem compromissos. “Eu reivindico a imaturidade e a inexperiência política”, gritou para uma plateia embrutecida pela aldrabice populista do candidato antissistema que o sistema adora. Fazer um caminho político passando por várias eleições é coisa “de um tempo antigo”, disse. E Macron é uma coisa do futuro, onde os partidos são startups e os presidentes melões por abrir. Jovem, belo, impecavelmente vestido, tudo nele é moderno. Em entrevistas sobre negócios usa, num inglês irrepreensível, os termos da moda. Tem a lábia de vendedor de oportunidades que deslumbra qualquer “colaborador” num fim de semana de team building. Faz parecer revolucionária a certeza de que tudo vai ficar um pouco pior. Tudo nele cheira bem. Cheira a Uber, que ele acredita ser uma excelente solução para os jovens desempregados, que não querem patrões, querem clientes. Macron não é um político. É uma app. Sempre em atualização.

Macron é trendy, a crónica de Daniel Oliveira, no Expresso

Degrau a degrau…

Um terço da população escolheu o mal. Já ouvi dizer que não se deve culpar o eleitorado; que as políticas até aqui seguidas é que estão a conduzir a este cenário. Em primeiro lugar, chegámos até aqui como resultado de políticas que foram votadas. E, em segundo lugar, o poder é do povo – por enquanto. Use-se.

França agrilhoada pelos políticos do medo

Os franceses elegem hoje o sucessor de Hollande, tendo, por opção de 45,31% deles na 1ª volta, a escolha entre Marine Le Pen e Emmanuel Macron. O sistema presidencialista francês, optou, constitucionalmente, por uma eleição dualista numa 2ª volta entre os dois candidatos mais votados, com o objectivo de proteger o seu país do vazio de poder e de presidentes eleitos sem uma maioria simples que legitime o seu poder.
frança
Evitando cair em crítica fácil por reducionismo, aponta-se, desde já, a principal virtude deste sistema – assegurar e reforçar a legitimidade do futuro Presidente, num sistema que o privilegia relativamente aos Parlamentos, sejam eles simples ou composto de câmara alta e baixa, como é o caso de França. No entanto, não podemos deixar de apontar alguns perigos para a Democracia que tal sistema comporta, nomeadamente dois, a saber:
1 – uma minoria pode obrigar uma maioria a votar em quem não se identifica [Read more…]

En marche

Liberalismo derrota nacionalismo proteccionista. Boas notícias para a Europa, excelentes para a França.

Ainda vai ser preciso salvar a França dos franceses

Novamente.

 

Prognóstico

De França, hoje à noite, pode vir algum alívio. Mas nunca uma boa notícia.

Eleições em França – evidências e lições de moral

É evidente que a esquerda que votou Mélenchon na primeira volta só tem, por mais que lhe custe, uma escolha a fazer – votar no neo-liberal Macron. O espectro de uma possível vitória de Le Pen é horripilante.
A esta evidência não se pode deixar de lembrar uma outra anterior que não se cumpriu – a de Hamon, face à vergonha do esperado, ter desistido a favor de Mélenchon!

melenchon-macron

Com efeito, o Partido Socialista Francês recusou-se a infligir uma derrota pesadíssima a Marine Le Pen, evitando que ela acedesse à 2ª volta das eleições presidenciais! Se o PS estava preocupado com a extrema direita, [Read more…]

Au secours!

“Bonsoir, boa tarrde. Je suis um crapeau français, pardon, sapo frrrancês. Eu fugirr e emigrrar para o Porrrtugal du Geringonce. Ici em France, la gauche, pardon, esquerrrrda, ir engulirr muitos crapeaus, sapos, dans la deuxiéme, segunda volte das eleccions. Sauvez moi! Bonsoir, merci et à tout à l’heure”.

Fontes

A imagem é da emissão da SIC Notícias. A jornalista dissertava sobre a primeira volta das presenciais francesas, com base nas suas fontes – várias páginas do Twitter, o site do Público, o email, entre outras. Uma estação de televisão a fazer de RSS feed.

Entretanto, regista-se a má notícia sobre a vitória de Le Pen. Sim, será uma vitória mesmo que ela acabe derrotada. 

Ameaça de morte

A ameaça fascista, que se ergue em vários pontos da Europa, tem a sua expressão maior na presidenciável Marine Le Pen. Trump é fixe, Putin gosta dela e os Wilders, Orbáns e Coelhos (os Pintos, não os Passos) desta vida têm todos um poster da aspirante a ditadora na parede do quarto, mesmo ao lado da tarja com suástica e a frase O trabalho liberta. Será que a França consegue a proeza de a eleger? Depois do que aconteceu nos Estados Unidos, não seria de admirar. É bom que os tipos lá do sítio que se dizem democratas façam um bom cordão sanitário à volta desta frau. [Read more…]

A Lenda Negra

Não estamos esquecidos que uma das justificações dadas para a necessidade de um profundo ajustamento na economia e na sociedade portuguesas, ajustamento esse materializado num programa brutal de austeridade, que, em certa medida, ainda prossegue, foi a circunstância de Portugal, e o seu povo em particular, ter, ao longo de muito anos, vivido acima das suas possibilidades. [Read more…]

Le Pen: em nome do pai

 

le-pen

Por João Branco e Natascha Figueiredo

Marine não é Jean-Marie; é muito mais que Jean Marie. E é esse o facto que a torna mais perigosa que o pai. Marine herdou alguns dos traços político-identitários da liderança do pai mas soube também afastar-se da sua imagem tóxica de simpatizante nazi, promovendo um nacionalismo populista (iniciado pelo pai) que vai de encontro ao que o eleitorado francês neste momento quer ouvir. A verdade é porém, que todas as circunstâncias e problemas que enevoam o espectro político francês actual com o espectro político francês pré-eleitoral em 2002 não são os mesmos. Marine beneficia de um peculiar caos no país para colher benefícios. Em 2002, Jean-Marie levou a cabo uma campanha marcadamente ideológica, campanha que naturalmente o afastou da vitória na 2ª volta das presidenciais desse ano, muito por culpa do chamado “voto útil” em Jacques Chirac. O que efectivamente pode não acontecer no presente ano nas eleições que se avizinham com Marine.

[Read more…]

Não, não há vergonha na cara

Francois Fillon, former French prime minister, member of The Republicans political party and 2017 presidential candidate of the French centre-right, attends a political rally as he campaigns in Charleville-Mezieres, France, February 2, 2017. REUTERS/Christian Hartmann

Admitir um erro destes não o apaga, assusta. Assusta porque um dia a coisa banaliza-se e forrobodó instala-se definitivamente. E parece que já faltou mais.

– Pá, eu sei que dei uns tachos a minha mulher e aos meus filhos, tachitos bons, tachitos que eram para uma coisa e serviram para outra, tudo isto à conta do contribuinte, mas estou muito arrependido e gostaria de agradecer a vossa compreensão tornando-me no vosso próximo presidente. Mas não se preocupem que a minha credibilidade não está em causa. Foi tudo legal e transparente. Tão transparente como me apresento hoje aqui perante vós, cidadãs e cidadãos (colocar nacionalidade), colocando a nu todos os meus podres.

Desculpas destas não se pedem, evitam-se.  [Read more…]

O erro ético

francois-fillon-admet-que-les-plans-d-economies-de-son-gouvernement-etaient-des-plans-d-austerite

O candidato da direita à presidência francesa, François Fillon, depois de se ter descoberto que tinha beneficiado a sua família no contexto da sua actividade política, veio a público reconhecer o “erro ético” e pedir desculpa aos franceses.

Se fosse por cá, era capaz de vir para os jornais negar tudo, mentir descaradamente, evocar os santos e a virgem Maria. Esconder-se-ia em casa durante duas semanas e depois regressaria sorridente, como se nada se tivesse passado, e até receberia um “prémio de prestígio” qualquer.

A França perdeu muito nos últimos anos, mas pelos vistos não perdeu a vergonha toda.

A metamorfose Le Pen


O velho discurso da Frente Nacional varrido para baixo do tapete. O populismo seduz, oferecendo às pessoas a solução para todos os problemas sem grande esforços, deixando os partidos tradicionais encostados às cordas. Em França os socialistas radicalizam à esquerda, perdendo o centro e qualquer possibilidade de conquistar votos à direita numa eventual passagem à 2ª volta. O candidato do centro-direita enredado na costumeira teia da corrupção e compadrio. Marine Le Pen dá voz aos que não querem ver o problema que muitos franceses consideram ser a islamização de França, confundindo a maioria dos muçulmanos com alguns extremistas que têm praticado atentados terroristas. Promete endurecer penas de prisão para crimes graves, introduzir a pena de prisão perpétua, regressar ao Franco como moeda nacional e apresentar leis económicas proteccionistas, aliás o programa económico tem muitas semelhanças com as ideias do PCP ou BE, ou não fosse a extrema-direita semelhante ao marxismo…
Tenho para mim que, ou E. Macron atravessa sem escândalos este período e consegue o voto dos que acreditam na Liberdade e Democracia, ou veremos a França ser o próximo país a cair na intolerância e com ele muito provavelmente ruirá a Europa…

Canções Históricas

 

1- Ah! Ça Ira (1790)

Ah ! ça ira, ça ira, ça ira,
Le peuple en ce jour sans cesse répète,
Ah ! ça ira, ça ira, ça ira,
Malgré les mutins tout réussira.
Nos ennemis confus en restent là
Et nous allons chanter « Alléluia ! »
Ah ! ça ira, ça ira, ça ira
 

Negligência inconsequente

ppccl

Christine Lagarde, a poderosa líder do FMI que tem nas mãos o poder de vergar nações, foi condenada pela justiça francesa por negligência, num processo que remonta ao tempo em que era ministra das Finanças de Nicolas Sarkozy, e que previa uma moldura penal correspondente a um ano de prisão e uma multa de 15 mil euros. Em tribunal ficou provado que a conduta negligente de Lagarde custou 404 milhões de euros aos cofres franceses, porém, como é previsível neste tipo de casos, o poder sobrepõe-se à justiça e a directora do FMI, apesar de condenada, não foi alvo de qualquer tipo de sanção. Como é belo, o admirável mundo da imunidade absoluta das elites. [Read more…]

O Acordo Sykes-Picot

 

sykes-picot-1916

O Acordo Sykes-Picot foi um acordo secreto alcançado entre 15 e 16 de Maio de 1916, entre Sir Edward Grey e Paul Cambon, dividindo o Médio Oriente em áreas de influência do Reino Unido e da França. As negociações que conduziram ao entendimento entre as duas potências coloniais europeias ocorreram entre Novembro de 1915 e Março de 1916.

Este tratado secreto foi exposto e divulgado em dois jornais russos, a 23 de Novembro de 1917.

O Acordo entre a França e o Reino Unido entregou ao Império Britânico o domínio dos territórios situados entre a costa do Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão, a Jordânia, o sul do Iraque e ainda uma área que inclui os portos de Haifa e Acre, ambos situados no actual território de Israel e que garantiam o acesso ao Mediterrâneo. À França coube o domínio da zona sudeste da Turquia, do norte do Iraque, da Síria e do Líbano.

Os cidadãos ocidentais, incluindo os portugueses, têm sido enganados sobre as origens, as motivações e os verdadeiros protagonistas, não só da guerra que dizimou a Síria, como de todas as acções subversivas conhecidas pelo nome de Primavera Árabe.

O primeiro presidente catalão da história

Se Manuel Valls for eleito será o primeiro presidente catalão da história e o primeiro presidente espanhol desde 1939, desde o fim da República Espanhola.

Valls nasceu em Barcelona e naturalizou-se francês em 1982.

valls

Foto tweeter Manuel Valls

Aguarda-se o oportuno comentário de Schäuble e da respectiva delegação nacional Passos-Albuquerque

Segundo os relatos, as promessas à União Europeia de manter o défice abaixo dos 3% do PIB, tal como é exigido pelas instituições europeias, foi “uma mentira pura e simples, aceite por todas as partes”, afirmou Hollande citado no livro.image

Segundo os autores, este acordo foi estabelecido em 2012, ano em que Hollande foi eleito, e seria válido até 2017. Ou seja, abrangeu a presidência de Durão Barroso e de Jean-Claude Juncker. (P)

Europa, austeridade e compromissos? Tretas. Depois da regra dos 3%, uma invenção francesa para encher chouriços, eis que em causa não está um qualquer enchido, mas apenas chouriço de PIGS. E também se compreende a vantagem de ter um português, este português, num alto cargo. Mantendo o garrote apertado, assim se assegura a ordem natural das coisas, onde uns mandam e outros obedecem.

Antigos muros franco-britânicos, pré-Calais

hedge-maze_2124522i

Longleat house, em Wiltshire

“O Presente de Deus”, por José Goulão

Fala quem sabe

Filhadaputice é isto

EU defict wall of shame

Seis países não cumpriram as regras do pacto de estabilidade em 2015

Disse-se que houve unanimidade entre os ministros das finanças europeus, que formam o Ecofin, na aplicação de sanções a Portugal. O que é falso, logo em primeiro lugar.

Durante a reunião não houve votação. Portugal e Espanha manifestaram-se contra as sanções, mas os restantes países não levantaram objeções dando luz verde à decisão. [Expresso]

Nem houve votação. Assim se confirma, novamente, que a “europa” é o projecto de um país, capaz de impor aos restantes o seu domínio.

Mas quem cala consente. Seis países ficaram em procedimento de défice excessivo em 2015. Croácia, França, Grécia, Reino Unido (se ainda conta), Portugal e Espanha.

A Croácia calou-se. A França calou-se. A Grécia calou-se. Filhadaputice é assobiar para o lado enquanto as chamas do vizinho não chegam ao palheiro. Mas lembrando Brecht

Actualização: a Grécia opôs-se às sanções.
Vivemos um tempo em que a contra-informação domina a informação. Neste caso, passámos de unanimidade para vários protestos. Mesmo assim, não chegou a haver votação. Grande europa.