Comunista na Praça de S. Pedro ante a multidão de fiéis:

“Meu filho, um dia tudo isso será ateu” – Saravá, Millôr Fernandes.

“O Acordo Ortográfico é uma merda!”

Gostava de ter sido eu a inventar esta frase, mas a sua autoria pertence ao hoje falecido Millôr Fernandes, um dos grandes cultores da língua portuguesa, homem cultíssimo, amigo de Raúl Solnado, humorista de tal modo universal que pode ser tão citado como Oscar Wilde. Como se isso não bastasse, era um brasileiro com a lucidez suficiente para saber que os falantes e os escritores da lusofonia sabem ouvir-se e ler-se uns aos outros e que, portanto, o lugar de um monte de merda não é no meio da ortografia.

Millôr Fernandes, morrer à gargalhada

Millôr Fernandes partiu. O mundo da língua portuguesa não vai rir tanto.