E faz ele muito bem

Sérgio Conceição não quer *distrações. Contra tudo e contra todos.

A legitimidade do projecto europeu

implica a ilegitimidade do projeto. O Acordo Ortográfico de 1990, efectivamente, não existe.

Contra o Orçamento do Estado para 2022 (2/2)

Didion also employs continuous repetition of the prefix “mis-” in “misplaced ,” “misspelled,” and “missing.” This repetition dramatically reinforces her point.
Colleen Donnelly

Ja! Woher kommst du denn?
Bei welchen Heiden weiltest du,
zu wissen nicht, daß heute
der allerheiligste Karfreitag ist?
Gurnemanz

***

Peço imensa desculpa pelo atraso na habitual demonstração prática da inexequibilidade do Acordo Ortográfico de 1990, teatralizada há demasiados Orçamentos do Estado (2012, 2013, 2014, 2015, 2016, 2017, 2018, 2019, 2020, 2021 e 2022 [1/2]), através da entrega da proposta de OE ao presidente da Assembleia da República pelo ministro das Finanças. A culpa é da Páscoa.

Em finais de Outubro do ano passado, o OE2022 foi chumbado, embora por motivos diferentes dos aqui aduzidos para a rejeição. Entretanto, muito Douro correu debaixo da Ponte Luiz I e tivemos agora dois novos protagonistas, curiosamente, ambos ligados ao problema ortográfico em curso: Santos Silva (directamente, por razões óbvias) e Medina (indirectamente, porque, enquanto durar esta tourada, os conceitos massacre contínuo e repetição contínua continuarão passe a redundância a ser aplicados).

© Manuel de Almeida/Lusa [https://bit.ly/3JPr0vW]

Mas centremo-nos no assunto que aqui nos traz.

Quanto ao documento que Medina entregou a Santos Silva (pdf) e que foi «elaborado com base em informação disponível até ao dia 13 de abril [sic] de 2022», eis uma pequeníssima amostra daquilo que já é o pão nosso de cada ano: [Read more…]

O capelão Licínio Luís terá tirado uma selfie em público

«Gouveia e Melo estava a ponderar readmitir o capelão Licínio Luís, depois de este [,,,] se ter retratado publicamente». Felizmente, temos o Público: «retractou-se publicamente». Efectivamente.

O caso Mortágua

está na moda e passará de moda, como passou o caso Fazenda: «ficarmos com três grafias é absolutamente insustentável, não faz sentido nenhum, é de uma ilogicidade total».

O Diário da República e o infinitivo pessoal

 

Podem sêrem… não é linguagem de cá.
Cândido de Figueiredo

***

O infinitivo pessoal é um tema fascinante. Distingue-se do infinitivo impessoal por ser flexionado — chamar-lhe flexionável pareceria, à primeira vista, uma denominação mais correcta, mas levar-nos-ia por caminhos tortuosos. A denominação infinitivo flexionado vinga em palcos que me agradam particularmente e há excelentes artigos que se debruçam sobre o assunto (e.g., Madeira et al., 2010; Fiéis & Madeira, 2014).

Gosto imenso do infinitivo pessoal e daquela tão desconhecida regra que determina a incorrecção do recurso à contracção de preposição com artigo ou pronome, quando estes iniciam uma oração infinitiva.

Lembrei-me disto, ao ler hoje o Diário da República, mais concretamente, quando me estatelei naqueles da e do (contracções de de + a e de + o) em vez de me deleitar com uns de a e de o (formas “descontraídas”):

Ninguém reparou no fato?

Ah!

Já agora, venha o resto. [Read more…]

Marcelo Rebelo de Sousa felicita muito calorosamente a selecção brasileira de futsal

«O Presidente da República felicita muito calorosamente a seleção nacional de Futsal [sic]». Exactamente.

Foto: EPA/GERRIT VAN KEULEN

Legislativas 2022 e Acordo Ortográfico de 1990: as respostas dos partidos com assento parlamentar

Alertado pelo João Maio, acabo de saber que a Antena 1, a TSF e a Renascença conduziram o último debate das Legislativas 2022 entre representantes dos partidos com assento parlamentar. Chega e PSD não se fizeram representar, mas há uma nótula no final deste pequeno texto.

No fim do debate, a pergunta:

Revisão do acordo ortográfico: sim ou não?

Convido os leitores do Aventar a ouvir as respostas de PAN (Inês Sousa Real), CDS (Francisco Rodrigues dos Santos), IL (João Cotrim de Figueiredo), Livre (Rui Tavares), CDU (João Oliveira), BE (Catarina Martins) e PS (António Costa).a partir de 02:01:18.

Não ouso escrever aqui o que os candidatos disseram, uma vez que alguns deles preferiram embrulhar a resposta com paleio, em vez de pura e simplemente responderem SIM ou NÃO. No entanto, há quem tenha sido claríssimo como água.

Nótula: O PSD e o Chega não se fizeram representar no debate. Todavia, graças aos Tradutores Contra o Acordo Ortográfico, sabemos qual a posição do PSD e, graças ao Público, sabemos qual a posição do Chega.

A sexão, a secção, a seção e a sessão

Columbo. I’m trying to reconstruct that note.
Galesko. You need any help with your spelling, lieutenant?
Columbo: Negative Reaction

***

É sabido que é curta a distância entre a *seção e a *interseção e, mais lá para a frente, entre a *interseção e a *intercessão. Sabe-se igualmente, como já nos lembrou Nabais, que a sessão é contínua. Em tempo de eleições (e eis uma bela imagem enviada pelo excelente leitor do costume),

também temos *sessões em vez de *seções, por haver *seções em vez de secções. Como já escrevi, mal por mal, prefira-se sexões, devido à vantagem do elemento [k]. Enfim. Continuação de uma óptima semana.

***

O OE2022

é péssimo.
Por esse motivo, isto

era perfeitamente escusado.

 

Acções, sff

Na quarta-feira, saberemos como ficou Manuel Pinho, depois de passado pelo coador

«Medidas de coação conhecidas na quarta-feira». Efectivamente, coação≠coacção. Lembrai-vos da *quação. Já dizia Voltaire, «Ce n’était qu’en Italie qu’on avait élevé des temples dignes de l’antiquité».

O facho e a ortografia

Le processus révolutionnaire commence toujours avec et dans une crise économique. Mais cette crise offrirait deux possibilités. La possibilité dite néo-fasciste, où les masses se tournent vers un régime beaucoup plus autoritaire et répressif. Et la possibilité contraire : que les masses voient l’opportunité de construire une société libre dans laquelle de telles crises seraient évitables. Il y a toujours deux possibilités. On ne peut pas, par crainte de voir la première se réaliser, renoncer à espérer la seconde et à y travailler, par l’éducation de ces masses. Et pas seulement par des paroles : par des actes.
Herbert Marcuse

***

Há dois anos, em entrevista à Visão, Rui Zink falou de um dos seus livros (Manual do Bom Fascista), esclarecendo que

Não gosto muito de explicar os livros, isso faz parte do leitor. Senão, o fascista sou eu.

Efectivamente, sabe-se que, em português europeu actual, ao fascismo não é atribuída apenas a acepção de Payne, ou seja, um tipo de ultranacionalismo, ligado a um mito de renascimento nacional e marcado por elitismo extremo, mobilização das massas, exaltação da hierarquia e da subordinação, opressão das mulheres e uma visão da violência e da guerra como virtudes.

Em português europeu actual, fascismo tem igualmente a acepção de [Read more…]

Baptista Leite, o Expresso e a poupança de letras

André Previn. You’re playing all the wrong notes.
Eric Morecambe. I’m playing all the right notes but not necessarily in the right order. I’ll give you that. I’ll give you that, sunshine.
 Morecambe and Wise, 1971 Christmas Show

Éric Zemmour. Et mes voisins, que disent-ils? Mr. Attia[∅], il me dit…
Franz-Olivier Giesbert. Attia[s], Attia[s].
Éric Zemmour. Attia[s] ou Attia[∅], c’est…
Richard Attias. Non, non. Quand j’était petit, effectivement, un professeur m’apellait souvent Attia[∅], que faisait un peu de bruit et je lui ai dit Attia[s]. Mais il: « c’est pas le moment de vous mettre au pluriel ». Mais j’y tiens ce [s].
LGQ

***

Sendo verdade que o empresário marroquino Richard Attias tem direito à fricativa laminoalveolar surda [s] final na pronunciação do Attias, muito mais direito tem o deputado português Ricardo Baptista Leite ao ‘p’ medial no seu Baptista. Trata-se de questão antiga, que já afectou Chagas Baptista e que vem afectando João Baptista da Silva Leitão. Todavia, para o Expresso, tanto faz como fez.

Efectivamente, mais do que não dever fazer, não pode fazer. Na base XXI do AO90, diz-se que “para ressalva de direitos, cada qual poderá manter a escrita que, por costume ou registo legal, adote [sic] na assinatura do seu nome”.

Não havendo qualquer documento em que Baptista Leite [Read more…]

Pelos vistos, no caso em apreço, o conceito “governo em plenitude de funções” é semelhante à doutrina “agora facto é igual a fato (de roupa)”

Exactamente. Efectivamente.

Viva o Porto

Ora eu nasci no Porto e criei-me em Gaia.
Almeida Garrett

***

Sou do Porto, adoro o Porto e adoro ser conterrâneo de Garrett. Por adorar o Porto, ando atento a plataformas que divulgam a História do Porto e que me trazem conhecimento e alegria. Todavia, por vezes, lá vem um travo amargo.

Há uns anos, avisei que a eliminação da letra ‘p’ de palavras como excepção levaria a um aumento de ocorrências de *excessão em vez da grafia pretendida pelos autores do AO90 (exceção), com a consequente necessidade de, em publicações portuguesas, se indicar, como já acontecia antes do AO90 em publicações brasileiras, que «’excessão‘ (com dois ss) constitui erro grosseiro» (cf. Manual de Redação [sic] e Estilo do jornal Estado de S. Paulo).

Nessa altura, acrescentei que seria igualmente necessário um aditamento, exclusivo para a norma portuguesa, com a menção da diferença entre concessão e conceção (sem o ‘p’). Exclusivo para a norma portuguesa, efectivamente, pois, em português do Brasil, a concepção mantém-se imaculada.

Noutra altura, com os exemplos recepção, percepção e concepção, expliquei a importância grafémica da letra ‘p’, não só devido à função diacrítica , mas também por causa da correspondência com morfemas presos (“bound morphemes”), neste caso concreto, -ceber e -cepção.

Ora, o mesmo acontece com -ceder e -cessão. A confusão, criada por regras mal concebidas e mal explicadas, leva a que vários escreventes de português europeu grafem seção, em vez de secção.

Eis um exemplo fresquíssimo, no sítio do costume.

Ora, da seção à interseção, [Read more…]

«FC Porto fez uma parceria com corretora de criptomoedas Binance»

Efectivamente, corretoracorrectora.

A nota ortográfica

Hugo Stiglitz. Und auf die Entfernung bin ich ein richtiger Fredrick Zoller.
IB

À la fin du XVIIIe siècle, la tolérance perd enfin sa signification restrictive et péjorative.
Denis Lacorne

Bernard Tapie. C’est où la nature?
Michel Polac. En Suisse…
ONPC

***

Hoje, não há *fatos no Diário da República, mas há *contatos. Sim, dois *contato no singular e muito perto um do outro. Tudo como dantes. Nada de novo a assinalar no sítio do costume.

Recentemente, recebi um testemunho, em forma de livro, que me trouxe reminiscências de uma prática há muito em voga entre gente forçada, por isto, por aquilo ou por aqueloutro, a adoptar o AO90. Essa prática (conheço exemplos concretos, mas ficam para próximas oportunidades) consiste em grafar alternativas, para que, de facto, o dito cujo não seja utilizado: por exemplo, metas em vez de *objetivos, excelente em vez de *espetacular, maravilhoso em vez de *ótimo, dar o dito por não dito em vez de *retratar-se, justamente em vez de *exatamente, etc.

Todavia, o exemplo desta “Nota Ortográfica” é diferente e, acrescente-se, interessantíssimo.

Os meus agradecimentos à Professora A.

Desejo-vos um óptimo resto de semana.

***

«Marcelo tão depressa diz que dissolve AR como que vai tentar ver se é possível viabilizar OE».

Há duas hipóteses: intervenção urgente, mas bem remunerada, de um professor de Português (e o OE2022 é viabilizado) ou dissolve-se a AR. Tertium non datur.

Foto: Reuters/Adriano Machado

Sessão contínua: secção ou *seção?

O googledocs, ferramenta utilizada em muitas escolas, propõe que se escreva “seção” no lugar de “secção”. Os alunos que recorrerem a este instrumento tenderão a considerá-lo uma autoridade, pelo que muitos passarão a escrever “seção” e, destes, alguns passarão a pronunciar de acordo com a grafia.

Helena Figueira explica, chega mesmo a garantir, que “secção” é grafia portuguesa que permanece inalterada pelo chamado acordo ortográfico (AO90). A infopédia não faz referência a “seção”, o Priberam informa que é grafia brasileira, tal como acontece com o Vocabulário Ortográfico Português. Este, no entanto, na coluna da direita, anuncia que a pronúncia lisboeta é  sɛ.sˈɐ̃w (ou seja, seção).

Em que é que ficamos? Ortograficamente, em nenhures, ou seja, no país desencantado do AO90.

 

Ah, mas os professores têm de explicar aos alunos como é que se escreve e tal e coiso!

 

Longe de mim desvalorizar os oficiais do meu ofício, mas deixai-me explicar-vos o seguinte: [Read more…]

«Temos de ter a humildade de admitir que é sempre possível melhorar o OE»

Pois tendes. E a solução é simples.

«O jornalista [António Valdemar] e o semanário Expresso retractaram-se»

Efectivamente, retractaram-se ≠ retrataram-se.

Acho muito bem

«PCP junta-se ao BE e vota contra proposta de OE tal como está».

Contra o Orçamento do Estado para 2022 (1/2)

Accorder un participe est une question délicate ; la difficulté, en outre, commence avec la terminologie. La nomenclature grammaticale est ancienne, parfois arbitraire (voir les innombrables « compléments circonstanciels » mal définis), souvent maladroite (le possessif ne « possède » pas toujours).
Bernard Cerquiglini

Can I smoke on television?
Kurt Cobain

***

No dia 13 de Outubro de 2020 (faz amanhã um ano), avisei: «para o ano, infelizmente, haverá mais».

Efectivamente, houve.

Com efeito, além da Teoria dos Leilões, premiada no ano passado, na véspera da entrega do OE2021 na Assembleia da República, também as experiências naturais, premiadas ontem, no dia da entrega do OE2022, são importantes para percebermos este processo. Sabemos que a ideia de base do recurso a experiências naturais para a avaliação de determinadas medidas é a seguinte: o que teria acontecido se tais medidas não tivessem sido adoptadas?.

Eis uma amostra daquilo que não teria acontecido ao Relatório do Orçamento do Estado para 2022, se redigido com recurso às regras ortográficas de 1945/1973: [Read more…]

Apesar de Santana Lopes ter vencido na Figueira da Foz,

agora facto” NÃO “é igual a fato (de roupa)“.

Assinalar com um X

Assinalar com um X?

OK.

Agora, sem o X.

Quando? Hoje. Onde? No sítio do costume.

Continuação de uma óptima semana.

***

Ontem, Cristiano Ronaldo tornou-se simultaneamente

o melhor goleador de selecções e o melhor goleador de seleções. Parabéns, CR7. Como sabemos, selecções ≠ seleções.

Foto: ©INPHO/Ryan Byrne

PSD pede impugnação da candidatura de Pedro Santana Lopes à Câmara da Figueira da Foz?

No entanto, quando Pedro Santana Lopes escreveu «agora facto é igual a fato (de roupa)», o PSD ficou quietinho.

Hoje, fui ajudar a minha mãe nas compras

e fiz publicidade gratuita ao Pingo Doce (nada contra, mas não sou cliente, moro no estrangeiro), ao leite Matinal (não bebo leite) e à Hoffen (desconheço a marca, só conheco o conceito, porque falo alemão). Por uma boa causa. Boa? Óptima!

Uma aparente recaída

It was a little melody I had, and I started writing words. They seemed to be very simple and very corny, but they seemed to fit. There was no way I could make them more grammatical. Girl I love you so bad-ly…it had to be Girl I love you so bad.
Paul McCartney

Shut up and listen. And learn.
Mike Patton

***

Hoje, durante um intervalo para tomar café e depois de ter respondido às mensagens de amigos preocupados com a situação na Bélgica (e na Alemanha), li isto:

Aparentemente, mais uma recaída do Expresso. No entanto, não. Trata-se, isso sim, de uma honestíssima transcrição da informação veiculada pelo excelente Público, onde a diferença entre susceptível [suʃsɛˈtivɛɫ]  e *suscetível [suʃsɨˈtivɛɫ] é conhecida.

Expresso está de parabéns.

***