E na passagem de ano, como estamos de IVA?

É apenas uma dúvida surgida um destes dias numa cavaqueira: quem jantar fora, o ainda chamado Réveillon (um dos escasso galicismos ainda não assaltados  pelo anglo-barbarismo dominante), e só pagar o seu consumo depois da meia-noite, leva com o IVA de hoje ou com o IVA do ano que vem?

A mim não me afecta, janto em casa, e aproveito para desejar a quase todos um bom ano de 2013, ultrapassada a crise bissexta que amanhã se continua.

Quase todos: não inclui ladrões de salários, privatizadores de Portugal, angélicas invasoras e outros assaltantes. Pode ser que em 2013 já não estejam onde estão.

Vinhas-me ao pau!

Uma festa minhota de família, dificilmente não tem no seu programa uma sueca. Refiro-me, obviamente, ao jogo de cartas.

Trata-se de uma prática desportiva altamente sofisticada, contando, inclusive, com sinais codificados para que os parceiros troquem informações durante o jogo sem que se quebre a regra de que não se fala durante a partida.

O melhor de tudo, são os comentários no fim de cada jogo, quer entre os jogadores quer entre a assistência que vai circundando a mesa de jogo e fazendo comentários em surdina. Tais comentários em cada final de partida quase sempre se reportam ao modo como determinada jogada foi feita e como deveria ter sido, as más opções de um jogador ou de parceiros e qual seria a opção certa.

É neste momento que se assiste às mais bizarras afirmações e conversas, do género:

“- Vinhas-me ao pau! Eu baldava a copa no teu pau e ficava ao corte.”

“- Se ele vinha ao pau eu cortava-lho, que eu estou seco.”

“- Metias o pau na copa, e ficavas ao corte.”

Ver chefes de família a ter conversas deste tipo, ainda para mais em ambiente familiar, onde muitas vezes o diálogo é entabulado entre pais e filhos, fez-me sempre alguma confusão. Fui-me habituando a estas coisas, mas, confesso, que ainda hoje acho um pouco estranho. E esta passagem de ano, passada com família e amigos, não foi excepção.