A dívida do Governo para com o futuro: Agro-ladroagem

Portugal está em “stress hídrico”, mas o governo projecta até 2030 mais 134 mil hectares de novos regadios … intenções de investimento que superam os 2.000 milhões de euros em novos regadios e a modernização dos sistemas já instalados para “acelerar” a intensificação de culturas, quando se verifica uma redução nas disponibilidades de água, segundo Relatório do Estado do Ambiente 2020/21 da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que revela um diagnóstico “preocupante” sobre o futuro dos recursos hídricos em Portugal. Ao longo dos últimos 20 anos houve uma redução na disponibilidade de água deixando o país em “stress hídrico”…
“Apesar deste cenário crítico, o governo anuncia que prevê investir 588 milhões de euros na modernização dos regadios existentes e 199 milhões na construção de novas infra-estruturas de rega. Destes montantes, a região alentejana irá beneficiar de 304 milhões. Para o centro do país serão canalizados 212 milhões.”

A região alentejana irá “beneficiar” ??? Que falácia inaudita, quando se está a falar de sugar a região alentejana, de a sobre-explorar e dela abusar à bruta com cada vez mais culturas intensivas e superintensivas !

“Visto de longe, um olival acabado de plantar parece um cemitério americano”. “Ele domina o manto de verde em quilómetros e quilómetros até perder de vista. Esta é a nova realidade no Alentejo, sobretudo em Beja, Serpa, Moura, Ferreira do Alentejo.”

Com infindável hipocrisia se declara que “A agricultura intensiva de regadio é perfeitamente compatível com a sustentabilidade dos recursos“ – o quê ??? E nem tendes vergonha nenhuma de reconhecer que “é um modelo agrícola atraente porque garante elevados rendimentos a curto prazo“ – pois, a curto prazo, para encher bolsos alheios e empobrecer tudo o resto…  e de concluir que “existe hoje uma dinâmica empresarial muito interessante no sector agrícola, que interessa acarinhar e suportar” – muito interessante é a vossa avó torta! No Alentejo, “antes existia grande variedade de culturas de sequeiro e de prados. Hoje, a homogeneidade de culturas domina numa região que está, em mais de 70%, na mão de grupos estrangeiros. Sem respeito pela paisagem ou tradição dos locais, os custos para a região são imensos.”

Sabeis vós e sabemos todos que a intensificação das culturas agrícolas acarreta a contaminação dos solos e águas por pesticidas e fertilizantes, a alteração das paisagem e problemas socio-económicos que afastam as pessoas do interior e promovem a perda de biodiversidade, bem como incêndios recorrentes…

Mas tudo isto pretendeis vós, governo, promover e subsidiar. Porque só vos interessa o curto prazo das eleições, só interessa sacar, esmifrar a qualquer custo. E quando a terra e o solo estiverem exangues, vão-se os investidores à sua vida e cá ficam os restos estéreis de terra deserta, mas nessa altura já vocês estarão reformados e sem punição. [Read more…]

Para quando o mestrado para orientador de aparcamento de viaturas?

Para quando o mestrado para “orientador de aparcamento de viaturas”? Ou, como denominam os invejosos e os ignorantes, para “arrumador”?

É mais do que tempo, que diabo!

Para quem queira inteirar-se melhor, é só clicar aqui.

Entretanto, ao ler o anúncio, vem à minha memória os discursos acerca do Alqueva, do Alentejo, do regadio, da agricultura, das prioridades, etc. Não sei porquê…