Eu, professora, me confesso

[Paula Coelho Pais*]
Venho para a escola como num transe. Dormi mal pela enésima vez desde há meses. Estou a passar uma fase menos positiva em termos de saúde, com muitos altos e baixos, mais baixos do que altos. E não consigo alhear-me do que se passa à minha volta.
Já não tenho vinte anos. Com efeito os sessenta aproximam-se a passos largos e portanto, como se diz habitualmente, “já não vou para nova”.
No meu local de trabalho, esta é uma realidade que se avoluma. Muitos, tantos dos professores que conheço e que conhecem quem eu conheço, também andam por estas idades. Há mesmo escolas em que a média etária está acima dos sessenta. O desgaste é notório e agrava-se, de modo galopante, a cada novo ano.
Estamos naquele tempo da vida em que seria justo beneficiarmos de alguma serenidade, de algum reconhecimento até, de respeito e consideração. Aliás, a todos, todos sem exceção, de qualquer faixa etária e de qualquer profissão é devido este conjunto de atenções. Diria apenas que, com o passar do tempo, eles se avolumam na necessidade e na premência.
Mas essa não é a realidade. Existe no ar uma ameaça velada, um ataque permanente contra os professores. Como um monstro que vive num lodo, do qual se alimenta e que, a espaços, ressurge em toda a força, ávido de presas, esganado de fomes e de raivas.

E ninguém percebe bem de onde vem ou porque nasceu. Também poucos serão os que entendem de que se alimenta nas fases de semiadormecimento em que se esconde, aguardando novas vítimas. Mas está lá. Atento. Aguardando o momento certo para atacar de novo.
Fala pela boca de políticos perversos, de comentadores insanos, da opinião pública desinformada que incorpora mediunicamente e repete, como que hipnotizada, os impropérios e as agressões que escutou algures a alguém. Ataca em bloco determinadas classes profissionais porque tem de exorcizar o seu mal-estar, a sua dor e a sua infelicidade. E os verdadeiros responsáveis sabem bem disso. Conhecem-lhes bem as fraquezas. Estudam-nos de há muito e riem-se na sombra perante o sucesso da manipulação. Neste caso a onda recai novamente sobre os professores, acusados de ser os mais vis seres que há na Terra, incompetentes, incapazes, impreparados, negligentes, sem vocação, preguiçosos, maus, impacientes…
É como se uma lava surgisse da boca de mil vulcões contra nós. E, como num pesadelo incompreensível e caótico, se multiplicassem as chaminés vulcânicas até ao infinito.
Os professores passaram a ter as culpas dos males do Mundo. E o Mundo que não pára para pensar, aplaude e adere à hedionda causa formando turbas assustadoras.
Por isso, entre outros fatores que não ajudam, tenho dormido mal. Muito mal. E não porque me pese a consciência. Apenas porque a tenho apurada e sei da injustiça profunda de que estamos a ser alvo por esse mundo fora. Aliás, foi também por estes dias que um pequeno vídeo intitulado “Alternative Math” se tornou viral. Quem não está dentro da profissão poderá até achar alguma “graça” ao caricato de certas cenas. Mas quem sente na pele, nos ossos e na alma o verdadeiro alcance da metáfora, treme e fica com profundas dores de estômago perante a profundidade da caricatura e o terror que ela representa.
É, com efeito assim, que a sociedade está a ser desenhada para encarar os professores e, aliás, de um modo geral as clássicas figuras de autoridade. Como os antigos servos da Grécia, explorados pelos senhores do poder, sem poder fazer seja o que for a não ser quase pedir desculpa por existir.
“Eu, professora, me confesso”, foi o título que dei a esta breve mas profundamente sentida intervenção, porque considero que chegou o tempo dos professores confessarem abertamente as suas tremendas dores, sem receio do que se possa dizer. Porque falar contra nós, há de haver sempre quem fale, mesmo que não saiba do que está a falar.
Falo da vontade de chorar quando somos insultados pelos alunos. Falo do barulho ensurdecedor nos pátios, corredores e até nas próprias aulas. Falo da falta de apoio de alguns pais na sua missão educativa. Falo da necessidade de descanso quando varamos madrugadas fora a trabalhar em projetos sem qualquer visibilidade ou recompensa curricular. Falto das despedidas de filhos, maridos, mulheres, pais, família para trabalhar a quilómetros de casa sem qualquer compensação ou ajuda de custo. Falo da falta de reconhecimento, da falta de apoio, da falta de recursos, da falta de compreensão, da falta de respeito. Falo das acusações odiosas. Falo da falta de empatia. Falo da falta de delicadeza.
Mas falo também das agendas ocultas que se preparam, desde há décadas, para estourar com a Escola Pública, mesmo de parte de alguns que se arvoram em seus defensores. Falo da vontade de lançar o caos e o desrespeito para depois os cobrar aos professores. Falo da desautorização constante do nosso estatuto denunciando, logo após, que não somos capazes de manter a autoridade.
Falo ainda dos equívocos no que respeita à participação das famílias na escola, quando a melhor participação que podem ter é nas suas casas, conversando e educando os filhos. Falo de algumas famílias que esperam efetivamente que a escola desempenhe o papel educativo que lhes competiria a elas, sem dar contudo à escola autorização ou competências para que o faça. Falo da ideia de que temos de suportar tudo porque “estudámos para isso”. Falo das intromissões de quem nada sabe. Da falácia das “estratégias”, palavra a que se recorre como sendo milagrosa mas que, tantas vezes, é falha de verdadeiro conteúdo. Da falta de tempo das famílias para os filhos. Do depósito de crianças, adolescentes e jovens em que um tipo desvairado de política quis tornar forçosamente a escola sob a designação pomposa de “escola a tempo inteiro”, procurando assim agradar a famílias desesperadamente sem tempo e algumas sem vontade ou capacidade para lidar com os seus mais novos e que chegou a certos delírios como os que previam quase 24H sobre 24h dos alunos na escola, defendido como se tal fosse apanágio de uma verdadeira modernidade social.
Falo sobretudo da falta de conhecimento de quem critica. Da falta de informação profunda e abalizada. Da desinformação dolosa. Da agressão gratuita. Da raiva incontida. Do ódio peregrino. Da militância obscura.
Falo de tudo isto e do mais que já não consigo depois de mais de 30 anos de serviço e de exaustão total. Física, para aguentar tantas horas na escola e também emocional, para suportar tanta injustiça.
Por isso, eu, professora, me confesso. Me confesso do meu cansaço e do meu desgosto. Do meu desespero em perceber para onde caminhamos neste deserto de sentimentos e de empatia social. De perceber que dentro de pouco anos o sistema irá necessariamente colapsar para dar lugar à “nova ordem” que os poderosos delinearam há muito para os seus delfins, guetizando todos os outros sob a capa de uma pretensa inclusão, mas numa escola esfarrapada de recursos, desqualificada de apoios e necessariamente abandonada pelos seus melhores profissionais.
Do barulho constante a quem chamam alegria. Da confusão a que chamam dinamismo. Do caos a que chamam participação espontânea. Da sobrecarga horária a que chamam oferta de escola. Da falta de liberdade de tempo – para alunos e professores – a que chamam apoios. Da necessidade dos apoios que advém da falta de clima de sala de aula. Da falta de valorização da escola, da falta de entendimento do que é efetivamente um espaço de ensino, do que é o papel de um professor e do que é a obrigação de um aluno em termos de estudo, participação e respeito. De qual é, no fundo, a natureza das suas respetivas missões.
Poderei ensinar mil vezes a um aluno onde fica Portugal no Mapa do Mundo. Poderei servir-me das mais variadas estratégias, recursos, invenções, materiais pedagógicos, formas de ensinar ou motivar que, se o aluno não quiser estudar ou não sentir qualquer tipo de interesse em reter essa informação, nada haverá a fazer. E acreditem que existem muitos casos assim, como outros em que se passa totalmente o oposto, apenas devido a uma postura correta em sala de aula. Como num médico, se o doente se recusar a tomar o medicamento prescrito, não será de estranhar a ausência de cura. E é isso que muitos não aceitam – alunos, pais, famílias, opinião pública, políticos e até muitos de nós, docentes, com receio do que possam dizer, cansados que estamos da crítica constante.
E é isto em que muitos se recusam a acreditar, achando sempre que a culpa é do professor que não se esforçou o suficiente. Porque é mais fácil assim, empurrando o verdadeiro problema para debaixo do tapete, escondendo-o dos olhos e da própria inteligência. E lá vêm os resultados das Provas de Aferição e o espanto de muitos como se acordassem de repente para a realidade dos factos, dando ao “monstro” novas razões para se levantar do lodo e atacar a presa.
Por isso, é chegada a hora de dizer que a sociedade está doente e a escola está enferma. Mas não por culpa dos professores, verdadeiros enfermeiros de uma realidade que os ultrapassa e sufoca e a quem tentam constantemente remendar com o que têm à mão. Sim por culpa de décadas e décadas de caça ao voto, em que sucessivas tutelas, para agradar às famílias, levaram os professores ao altar do sacrifício, lavando depois daí as mãos como Pôncio Pilatos. E, como na cena decisiva em que a turba escolheu Barrabás em vez do Cristo, também a nós nos lançaram aos ódios da multidão para se libertarem a eles da culpa e da responsabilidade dos factos.
Maus profissionais – é um clássico – existem em todas as profissões. Mas tomar uma classe inteira por atacado e atacá-la deste modo ignóbil é algo de incompreensível e que tem de ter a montante objetivos perversos que importaria descobrir e denunciar. Até porque quem fala mal dos professores deste modo abrangente, assume um papel destruidor e desagregador do tecido educativo e, portanto, é o interesse académico dos alunos que verdadeiramente põe em causa. Isto deveria ser entendido urgentemente pela opinião pública. Até porque naturalmente a quem interessará que os alunos estejam bem e tenham sucesso senão, desde logo, aos professores?
Permitam-me um desabafo e uma memória feliz. Eu ainda sou do tempo em que, depois das passagens de ano, os alunos e as famílias nos traziam flores. Era tão bonito. Tenho saudades desse tempo. Não me envergonho de o dizer. Não configuraria qualquer tipo de interesse na possibilidade de uma avaliação mais positiva, já que o ano findara e a classificação tinha sido já atribuída. Era sim uma delicadeza, um carinho, uma atenção que humanizava a relação entre professores, alunos e famílias. Um reconhecimento que tinha também um papel pedagógico de deferência perante os docentes e de sensibilização dos alunos perante este facto. E maior era a comoção quando as flores nos chegavam das mãos de alunos que não tinham conseguido passar de ano mas a cujos professores, ainda assim, as famílias faziam questão de mostrar gratidão pelo esforço, empenho e dedicação demonstradas ao longo do ano para com as suas crianças e jovens.
Sim, isto acontecia. E a educação processava-se de um modo fluido e conseguido. Sereno e com resultados. Mas depois tudo se tornou técnico, impessoal e desumanizado, convencidas as tutelas que assim é que era moderno e desejável. E começou a sanha contra os professores, desconsiderando-os e acusando-os perante a opinião pública como os grandes culpados dos males da sociedade. Aliás quem o fez, sabe bem o que fez, atacando o elo mais sensível e que era o garante da estabilidade das escolas: os professores. Professores até então vistos como alguém a quem se devia considerar e respeitar e, sobretudo alguém com quem se poderia aprender e olhar como um exemplo a seguir. Aliás era essa a mensagem que os pais transmitiam aos filhos e que resultava num processo harmonioso entre todos. Destruir isto que era o cerne da estabilidade educativa foi e continua a ser a agenda perversa e mais ou menos oculta de muitos decisores e elementos de poder colocados em lugares chave da nossa sociedade, nacional e internacionalmente falando.
Por isso afirmo aqui que não interessa realmente aos que ocupam certos lugares de topo na hierarquia das decisões do Mundo que a situação melhore. Se quisessem verdadeiramente uma solução para a reabilitação da escola escutariam realmente os professores, procurando entender-lhes o que lhes vai na alma e, honrando a sua formação e experiência profissionais, reforçariam sem equívocos a sua autoridade na escola e na sala de aula. Reequipariam escolas e bibliotecas escolares com mais recursos, materiais e humanos. Restabeleceriam o valor do silêncio nas salas de aula e a vantagem da concentração. Sem desprimor de propostas alternativas, acabariam com o receio infundado das aulas expositivas e voltariam a promover junto das crianças o saber escutar com atenção, o pensar criticamente, o ponderar antes de se pronunciar e o saber participar de modo ordenado e organizado. Promoveriam a filosofia para crianças, os momentos de reflexão e de meditação em ambiente escolar já com provas dadas em tantas escolas. Dariam tempo aos pais para estar com os filhos e promoveriam o valor da educação, do estudo e do respeito por si e pelos outros. Permitiram aos professores e educadores ter mais tempo para pensar, preparar e corrigir atividades, serenamente, nas suas casas, de modo a dispor de uma distância crítica necessária ao desempenho específico da sua missão, longe da agitação das escolas e reconheceriam, de uma vez por todas, sem preconceitos, que o trabalho docente tem características e necessidades específicas que o tornam diferente de todos os outros. Como outros terão as suas. Diminuiriam também – mas de modo significativo (12 alunos seria o ideal) – o número de alunos por turma se realmente quisessem apostar num ensino personalizado. Dotariam verdadeiramente as escolas com técnicos em número suficiente para apoiar os alunos com Necessidades Educativas Especiais. E dignificar-se-iam, sem pestanejar carreiras e percursos profissionais.
Responsabilizar-se-iam de um modo concreto as famílias pelo saber estar dos seus filhos e educandos, enaltecendo aquelas – e são muitas felizmente – que tanto esforço fazem para que os seus filhos consigam vencer academicamente. Valorizar-se-ia uma cultura de cordialidade e de boa educação. E, finalmente, cobrar-se-ia à sociedade, de um modo mais abrangente, a sua quota-parte de responsabilidade na educação das novas gerações, exigindo-lhe que fosse mais cuidadosa e criteriosa no que respeita às mensagens, imagens e textos que exponham situações de violência, agressividade ou grosseria, completamente impróprias para os mais novos, incapazes naturalmente de as descodificar e interpretar de um modo adequado e maduro.
Seria também essencial que a sociedade rejeitasse, recriminasse e repudiasse profundamente esta verdadeira campanha de ódio – totalmente gratuita e generalista – para com os professores – ou para com qualquer outra classe profissional – como rejeita, recrimina e repudia – e bem – tantas outras campanhas de ódio que ameaçam a nossa sociedade e que são provenientes da má-fé, do dolo, da maldade, do preconceito, dos interesses particulares e da ignorância de alguns.
……………
Paula Coelho Pais
Lisboa, 6 de Junho de 2018
Professora

Comments

  1. Bento Caeiro says:

    Que GRANDE LAMENTO!
    Como professora não tem obrigação de saber, por isso vou eu armar-me em tal e dizer: nunca ninguém foi respeitado por achar que merece e, muito menos, por pedir respeito. Este, o respeito, é tal como a liberdade, para ser verdadeira, tem de ser conquistada.
    E, na verdade, o professor – enquanto profissão – há muito que perdeu a condição para que tal lhe seja concedido e, pelo que se vê – então com certos sindicatos cuja função, como correias de transmissão de forças políticas, mais não é que manipular o professor – muita água sob a ponte terá de passar, para que isso volte a acontecer.
    Os tempos em que o professor, pela profissão, ganhava estatuto – pela banalização e pela atitude do professor – já há muito se perderam. De forma que não esperem receber de mão-beijada, o que só aos professores compete conquistar.
    Se, no que diz respeito ao ensino, a situação é a que se sabe – não por acaso o negócio das explicações cresce, por fazê-lo na proporção inversa da qualidade do ensino – em termos disciplinares a situação é idêntica, no que respeita à atitude do professor e à percepção da mesma pela população, estamos perante um autêntico descalabro – daí o seu lamento.
    Então o exigir o retorno do que a todos foi retirado, e não será devolvido, e a insistência de manutenção de critérios de antiguidade para a obtenção de benefícios, foi a gota de água que fez transbordar o copo.
    Para além da questão do respeito, também lhe devo dizer que o lamento não conduz à aquisição de respeito; quando muito poderá levar ao desenvolvimento de um sentimento, muito mesquinho – no que me respeita -, que se poderá traduzir de pena, que é o que de pior vos poderá acontecer – em termos de respeito e dignidade.
    Por isso eu digo, não tenho pena alguma da vossa situação: estão a receber aquilo que pediram e para a qual trabalharam; a bola está nas vossas mãos e, acreditem – porque para além e apesar do antes dito, alguém vai ter que ser culpabilizado – não contem com a solidariedade da população.


  2. ” Se, no que diz respeito ao ensino, a situação é a que se sabe – não por acaso o negócio das explicações cresce, por fazê-lo na proporção inversa da qualidade do ensino – em termos disciplinares a situação é idêntica, no que respeita à atitude do professor e à percepção da mesma pela população, estamos perante um autêntico descalabro “…

    ” …da questão do respeito, também lhe devo dizer que o lamento não conduz à aquisição de respeito; quando muito poderá levar ao desenvolvimento de um sentimento, muito mesquinho – no que me respeita -, que se poderá traduzir de pena, que é o que de pior vos poderá acontecer – em termos de respeito e dignidade. …”

    “… exigir o retorno do que a todos foi retirado, e não será devolvido, e a insistência de manutenção de critérios de antiguidade para a obtenção de benefícios, foi a gota de água que fez transbordar o copo.” ….

    Assim transcrevendo estas suas afirmações, Bento Caeiro, eu subscrevo o seu comentário com o qual concordo inteiramente, e não só por opinião pessoal mas tb por conhecimento concreto da realidade em vários aspectos.

    E volto à carga :

    quando para ser-se admitido como professor/funcionário público era condição sine qua non ter uma licenciatura da especialidade a ensinar e o denominado curso a nível universitário de Pedagógicas de 3 anos além da licenciatura, o nível dos professores era garantidamente alto e competente, como o testemunhamos nós os da minha geração que tivemos o privilégio de sermos ensinados por excelentes e dedicados professores em condições de competência, autoridade e respeito, apesar de limitações de outra ordem inerentes ao sistema da altura .

    Havia o “Quadro de Honra ” para os melhores alunos numa altura em que a palavra honra e a boa educação existia e .fazia sentido e se cumpria entre todos e entre os professores.

    …era ” A Bem da Nação”….mas com valores, sim, que se foram perdendo.
    Saudades, sim, porque não, não só de tempos de menina e moça apesar de ingénuos, mas de tempos de mais cultura e respeito por esses valores .

  3. Ricardo Almeida says:

    Infelizmente os professores são o “low hanging fruit” no que toca às responsabilidades sociais.
    Começa pela maioria ser funcionário público que, para o típico tuga desesperado por um tema fracturante para discutir no barbeiro, o torna um alvo preferencial pois há muito que se estabeleceu por tabernas e tascas por esse país afora que todos os funcionários públicos são preguiçosos e demasiado bem pagos. Como lutar para que todos, públicos ou privados, trabalhem menos horas e com melhores salários não faz sentido (os senhores que aparecem na TV dizem que isso é coisa de socialistas. O tuga não faz ideia da diferença entre socialismo e feudalismo mas o senhor da TV parece enjoado por isso só pode ser uma coisa má), é muito mais fácil e “lógico” berrar em tudo o que é sítio que “se eu sou miserável então todos têm de ser igual ou mais miseráveis que eu.”
    Sim, porque tornar o sistema público uma referência para o sector privado são políticas comunistas e têm que ser combatidas. Porquê o tuga não sabe muito bem mas na semana passada esteve um senhor engravatado na TV a dizer que sim e como tal, se passou na TV, é porque é verdade.
    Como se ser funcionário público não fosse já mau q.b, aqui à uns anos atrás soube-se que um horário completo de professor público eram “apenas” 22 horas lectivas. O tuga não é professor mas às vezes passa ao lado da escola quando têm de ir ao banco e isso é suficiente para opinar sobre coisas que desconhece completamente. Tentar perceber a diferença entre uma hora lectiva e uma hora normal dá muita chatice. Investigar quantas horas de trabalho “normal” estão realmente por trás de uma hora lectiva é moroso demais para o pobre tuga que trabalha 40 e tais horas na firma lá do sítio. É mais fácil ignorar a informação e nivelar tudo pelo mesma régua retardada.
    Este testemunho é tanto triste como preocupante. É que os alunos de hoje a quem a escola pública não teve condições de educar convenientemente serão os agitadores de bandeiras de amanhã e os governantes do dia seguinte.
    E assim se perpetua o ciclo de mediocridade português.

  4. Paulo Marques says:

    Cada sociedade tem o ensino que merece. Se é para criar mordomos para os campos de golf, lamento, recebe a mais.

  5. Anibal Marques says:

    Devo felicitá-la pelo texto. O facto de o ter feito em tom de lamento é apenas a forma de dizer as suas verdades, com certeza evidentes na realidade.
    Eu compreendo-a e comungo do “seu ponto de vista”.
    Não sou professor, sou apenas um curioso do ensino-aprendizagem e um educador informal, se que que existe esta função.
    O mal está dentro de cada um nós. Há muitos “nós” que são a incorporação do mal geral.

  6. Piedade Roberto says:

    O que o texto revela é a verdade. O ataque aos professores e o desrespeito começou há anos, creio que por altura da Ferreira leite. Depois foi também a elevação dos direitos do aluno em detrimento do respeito e disciplina indispensáveis num estabelecimento de ensino. Vi alunos a atirarem ovos a professores, sem que nada acontecesse, os seus carros a ser vandalizados e os pais de alunos a insultarem os professores. Parece-me um mundo ao contrário. A Paula tem razão e o Ministério não presta, nem respeita os professores. Estão a ver se o ensino público acaba para ser o negócio para o privado como fizeram com as IPSS. Paga Zé!.

  7. Pedro Martins says:

    A única diferença dos professores para outros quaisquer trabalhadores é que sabem escrever bem e têm tempo para isso.

  8. Mr José Oliveira Oliveira says:

    A Paula Coelho tem inteira razão em tudo o que afirma e denuncia e os comentários malévolos provam-no à saciedade. O monstro sai do lodo e espalha-se. Muitos entendem servi-lo, cavalgando a onda, pensando que, desse modo, se engrandecem. Nada de mais errado. Ninguém será poupado. Atacar a classe docente, como fazem os ignorantes e os servos dos interesses instalados, só pode contribuir para hipotecar o futuro e despir as novas gerações das armas para enfrentar a vida. E é isso que está a ser feito. O capitalismo selvagem neoliberal agradece reconhecido e reforça os seus ataques. Ainda não viram nada. Como dizia Chomsky: “Oligarquy?…you ain’t seen nothing yet”….