Ó filho, já não estamos no tempo da ortografia!

Personagens: um rapaz suficientemente cauteloso para perguntar como se deve escrever uma palavra; uma mãe suficientemente informada para desconfiar que ninguém sabe.

Rapaz: Ó mãe, ó mãe, ó mãe!

Mãe: Ai, filho, uma vez chega, até me gastas a maternidade! Diz!

Rapaz: Ó mãe, ó mãe, olha esta fotografia aqui neste blogue tão espectacular! Afinal, como é que se escreve? É ‘veredito’’? É que já vi escrito ‘veredicto’.

Mãe: Isto deve ser um daqueles problemas do acordo ortográfico, anda tudo maluco. Se isto for assim no trânsito, as pessoas ainda podem começar a confundir sentido proibido com sentido obrigatório!

Rapaz: Não percebi!

Mãe: Deixa lá, filho! Vamos ver em dois dicionários e no Vocabulário Ortográfico, como fez, uma vez, um senhor muito simpático e giro que escreve aqui no Aventar.

(Que foi? Um autor não pode ter fantasias?)

Rapaz: Por onde começamos?

Mãe: Olha, no Priberam diz que se pode pronunciar das duas maneiras e escrever das duas maneiras.

Rapaz: Que fixe! Então, nunca está errado!

Mãe: No Infopédia, dizem a mesma coisa.

Rapaz: E também posso pronunciar das duas maneiras?

Mãe: Acho que sim, filhote, até podes pronunciar de uma maneira e escrever da outra, desde que não te perguntem nada, e mudar na semana seguinte. Vamos ver no Vocabulário Ortográfico Português. Olha: pode escrever-se de uma maneira ou da outra.

Rapaz: Mas no teu tempo também era assim?

Mãe (ligeiramente agastada com a insinuação de senilidade): Ó coiso, enquanto eu estiver viva, o tempo é meu! Quando eu era AINDA mais nova, só se escrevia “veredicto”, mas isso era no tempo da ortografia.

Comments


  1. Muito bom

  2. Luís Lavoura says:

    O António Fernandes Nabais, por detrás do verniz progressista-revolucionário à la Bloco de Esquerda, é um tipo antiquado, que não concebe que uma palavra possa ter duas ortografias e duas formas de pronunciar possíveis e igualmente corretas. Para o António Fernandes Nabais, tem que ser como era no tempo da Outra Senhora, em que ortografia só havia uma e pronúncia “culta” só havia uma.

    Já agora, António Fernandes, uma outra palavra com duas ortografias possíveis é “cara[c]terização”. Eu escrevo e pronuncio sem c, mas há muito quem escreva e pronuncie com c.

    • E o burro sou eu ? says:

      Do tempo da “outra senhora” és tu.

      “Para o António Fernandes Nabais, tem que ser como era no tempo da Outra Senhora, em que ortografia só havia uma e pronúncia “culta” só havia uma.”

      Seja no tempo da “outra senhora” seja agora só deve existir uma maneira correcta de escrever.

      É claro que os “grunhos modernaços” com contas no fakebook e tudo, podem escrever como quiserem, mas escrevem com erros de ortografia.
      E também podem comer sentados à mesa, com o chapéu na cabeça, que não pagam multa, mas ficam bem na fotografia…

    • João Mota says:

      Para Luís Lavoura: o mais engraçado é que o Acordo de 1945/73 não fala uma única vez em pronúncias cultas, conceito, esse sim, completamente ultrapassado. Mas o AO90 fá-lo, nada menos que uma dúzia de vezes, para justificar os seus abstrusos preceitos. É o que dá tentar falar doutoralmente sobre coisas que nunca se leram nem se conhecem.

      • Luís Lavoura says:

        E então? Qual é o mal de se falar em “pronúncias cultas”? A “pronúncia culta” é a pronúncia padrão, e é ela que determina a forma como uma palavra se escreve.

    • António Fernando Nabais says:

      Parabéns, Luís, pela acumulação de disparates:
      1 – ser de esquerda (como é o meu caso) é o mesmo que defender a ausência de regras. Nós, nas reuniões do Bloco, depois de uns charros, defendemos, por exemplo, o fim das regras de trânsito, porque são fascistas.
      2 – deve ser ainda efeito dos charros em que nós, os esquerdistas de verniz bloquista, andamos encharcados, mas não estou a ver em que parte é que disse que só há uma pronúncia correcta, como se isso fosse possível.

  3. Luís Lavoura says:

    Peço desculpa ao António Fernando por ter escrito “Fernandes” no comentário anterior; foi engano meu.

    • José Peralta says:

      Luís Lavoura

      Já que parece ser tão apologista do famoso e “revolucionário” a-côr-do-horto-gráphico, que deve têr rendido uma pipa de massa (que nós pagámos…), ao Prof. Malaca Casteleiro, se, quando vê, assiste a um qualquer “espetáculo” televisivo ou outro, se considera “espetador”…

      “A-côr-do” que já foi mandado às urtigas pelos países da comunidade lusófona, incluindo o Brasil…

      • E o burro sou eu ? says:

        ” se considera “espetador”…”

        Não sabia que agora o prof Casteleiro também era toureiro ou cavaleiro da tauromaquia. Ambos são “espetadores”

  4. Maria da Conceição Pascoal says:

    Podemos apoiar ou detestar o Novo Acordo Ortográfico. Não podemos é baixar o nivel quando discutimos o assunto. O que me preocupa atualmente é a facilidade com que toda a gente comete erros, sem se dar conta. Por vezes misturamos o antigo e o novo. Considero que isso é que é muito grave e irá afetar-nos a todos, até pela imagem de um Povo que não sabe cuidar da língua, o que não é propriamente verdade. Eu, definitivamente, estou contra o Novo Acordo.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.