António Costa e o Mercosul

Para quem ainda tinha dúvidas, com a sua declaração ao PÚBLICO de que Portugal “sempre se bateu por este acordo” e de que vai empenhar-se para que seja cumprido, com as “preocupações e objectivos” de “salvaguarda dos ecossistemas”, António Costa demonstrou cabalmente que a sua prioridade é o negócio e não o planeta, pois, como bem sabe, as referências ambientais no acordo – tal como nos outros que a UE anda a assinar como quem come uvas – são apenas palavras bonitas sem qualquer força executiva.
Que o acordo com Mercosul obriga a respeito pela “cláusula ambiental” não passa pois de areia para os olhos. A verdade é que este é mais um acordo que segue à risca o modelo de desenvolvimento destruidor que nos trouxe até aqui e que se encontra em total contradição com medidas que pretendem tornar a Europa mais sustentável.
O rei vai nu e tem língua bífida.

O cheiro a mofo

A história é simples. Já as implicações, nem por isso.

Alguém com autorização para publicar no Tweeter do Partido Aliança pegou numa foto da LIFE, da União Soviética em 1967, manipulou-a e usou-a para propaganda eleitoral. Quando a marosca foi descoberta, apagaram a publicação, o que teve pouco efeito pois a borrada tem sido chapada à cara do imberbe que publicou isto – a Internet não esquece (às vezes).

Esta era a parte simples. Quanto ao resto, é um rol absurdos.

  • Violação de direitos de autor de uma foto, com a particularidade de ser feita por um partido que tem por líder alguém que já foi Secretário de Estado da Cultura;
  • Mentira descarada na mensagem política (não são portugueses retratados na foto);
  • Não reconhecimento do erro cometido e tentativa de o encobrir;
  • Nenhum nexo aparente entre obesidade e motivação para votar no partido.

A única forma desta parvoíce fazer sentido é quererem dizer que antigamente é que era bom. É isto, não é? Pois, para os saudosistas do Doutor Salazar, fica a dica: se têm saudades dele, é fácil a ele se juntarem.