Baixo Mondego

Comments

  1. Paulo Marques says:

    Ainda não lhe puseram rodas?


  2. Quem distribui, ganha eleições mas não faz obra.

    • Paulo Marques says:

      Os milhões que passaram a comer mais refeições por dia agradecem a falta de obra.
      Mas não consta que os grandes grunhos do EUA e RU tenham feito grande obra, nem um murozinho digno do nome.


  3. Conheço o trabalho esforçado e quase única sobrevivência de agricultores, alguns de agricultura bio sustentável, dos quais nem se dá notícia de serem ou terem o direito dever do estado a serem subsidiados na situação de prejuízos elevados e dificuldades em que ficaram com as culturas completamente inundadas.
    E tantas outras questões sérias, estas e outras, em que
    o orçamento dos grunhos Centeno/Costa e& Marcelos não cobre a vida real dos portugueses, mas a ambição e hipocrisia obscena e vaidades e subserviência à política e $$ da UE e dos novos donos disto tudo aí as sabemos, tb a nível da Autarquia de Coimbra se festejam natais e anos novos com palavras hipócritas para néscios .

    …..pq nós vamos aceitando tudo isto mansamente.

    • Paulo Marques says:

      Mansamente? Não, a culpa é dos muçulmanos comunistas pagos pelos judeus que não respeitam o glorioso passado português de precisar constantemente de ser salvo pelos bifes, e por isso é preciso pôr os africanos daqui para fora.
      Qualquer coisa assim, que também não tenho paciência para os entender.

  4. Julio Rolo Santos says:

    Em tempos alguém ministerial tentou fazer barragens Mondego acima e nos seus afluentes mas logo se levantaram vozes contra porque iria prejudicar as regatas de canoagem que, julgo, se deixaram de fazer. É, como dizem os Espanhóis, nós só sabemos reclamar quando eles nos fecham as torneiras no Tejo mas, quando as abrem, nós deixamo-la correr para o mar. No Mondego, em condições normais, deixamo-la correr para o mar mas, quando é demais, deixamo-la invadir campos de culturas e as próprias causas. Somos pobres no fazer e no não fazer.

    • Paulo Marques says:

      Não conheço em específico, mas havia obras planeadas que chateavam as contas certas. Os aldeões que empreendam e construam eles uma barragem, imagino eu que diga Bruxelas.

Trackbacks

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.