Contra o Orçamento do Estado para 2020

Ora, questa frenesia dell’apparire (e la notorietà a ogni costo, anche a prezzo di quello che un tempo era il marchio della vergogna) nasce dalla perdita della vergogna o si perde il senso della vergogna perché il valore dominante è l’apparire, anche a costo di svergognarsi?
Umberto Eco

***

Foto: Tiago Petinga/Lusa [http://bit.ly/36HQkRp]

É impossível alguém rever-se no OE2020, a não ser que ande a espalhar o caos ortográfico. Efectivamente, a mixórdia de 1990 tem um dos seus pontos altos anuais no momento em que o ministro das Finanças entrega ao presidente da Assembleia da República um texto que o primeiro obviamente não escreveu e o segundo certamente não lerá. Baseio esta minha hipótese num facto: estes são exactamente os mesmos protagonistas dos momentos simbólicos do OE2016, do OE2017, do OE2018 e do OE2019. Se Mário Centeno e Eduardo Ferro Rodrigues tivessem escrito ou lido as propostas de 2016, 2017, 2018 e 2019, provavelmente não teríamos o caos de 2020 que aqui vos deixo, sob a forma de pequena amostra: [Read more…]

A festa de Macau

O Portugal institucional não foi convidado. Mas vão lá estar os filhos de Lisboa, criados dos ingleses, a canga do Bairro Alto, os podadores da Árvore. Há gente que, numa só noite, queima 20 ou 30 milhões de euros na roleta e no meridiano do fígado, enquanto o Centeno se enfrasca com água tónica num hotel de Bruxelas e manda dizer ao Dr. Costa que não há dinheiro.

#VERGONHA

E se o Senhor Presidente da Assembleia da República tiver feito de propósito?