Decorem este nome: Volt!

Na semana passada, tivemos a entrada de mais um partido para o jogo democrático português: o Volt. Sou honesto, apenas conheço o Volt há umas semanas e interessei-me bastante pelo projeto. O Volt apoia a ideia de uma Europa federal e é bastante progressista.

Focando-me apenas no Volt Portugal, penso que é extremamente positivo para o debate ter um partido com uma ideia principal que não é defendida por mais nenhum. Parece-me que o Volt será essencial na discussão por questões sociais, visto que já demonstrou lutar por várias causas. Mesmo que não concorde pessoalmente com algumas, é importante que sejam debatidas. Todo e qualquer cidadão deve-se sentir representado e o Volt tem isso bem assente nos seus valores. Talvez por ser o início e ainda quererem encontrar a sua estrada, caíram no erro (ou não) de não assumir uma posição económica. Aliás, numa conversa no Instagram, Diogo Vasques, coordenador Policy de Saúde do Volt, diz não querer “categorizar”. Compreende-se e não condeno. O Volt já mostrou que a sua maior luta é social.

É de partidos assim que Portugal necessita, que não pretendem parar no tempo, mas ao mesmo tempo não querem avançar sem nenhum sentido.

Gostei do que conheci até agora do partido e deixo aqui a minha aposta em como conseguirá eleger em 2023. Se nas últimas eleições, a lufada de ar fresco foi a Iniciativa Liberal, nestas, será o Volt.

Sejam bem-vindos ao debate. Que nunca se conformem.

Comments

  1. Patricio Rodrigues says:

    No estado de inércia e laxismo em que Portugal se encontra pelo menos desde a época da monarquia, penso que um choque da energia seria fundamental. Talvez agora aplicando-lhe uma valente descarga de mil (1000) Volts o país ressuscitasse da eterna apatia em que tem vivido.

    • Fernando says:

      O governo Paf foi bastante chocante, criminoso até!

      Portugal não ressuscitou com os choques da Paf e Troika, ficou moribundo, e moribundo tem estado com doses austeritárias administradas por um europeísmo canceroso.

  2. Fernando says:

    Nem o liberalismo da “Iniciativa Liberal” nem o europeísmo do “Volt” são lufadas de ar fresco…

    O liberalismo da “Iniciativa liberal” é o liberalismo do governo que escavacou Portugal entre 2011 e 2015.
    A “Iniciativa Liberal” é uma aberração para a maioria da população, a maioria é dependente dos serviços sociais que o Estado presta, serviços que os liberais tudo fazem para degradar e acabar.

    E o europeísmo do “Volt” é antigo e está representado no governo.
    O federalismo europeu é outra fantasia liberal, as populações da Europa rejeitam o super estado Europeu.
    Se o trunfo do “Volt” é o europeísmo mais vale prepararem o seu funeral…

    • Luís Lavoura says:

      A “Iniciativa Liberal” é uma aberração para a maioria da população

      Pois é, a sua votação em 2019 foi inferior a 1%.

      Porém, no nosso sistema eleitoral, o que interessa é que em qualquer distrito um partido tenha uma concentração de votos suficiente. E é isso que a Iniciativa Liberal realizou, ao ter bastante votos no distrito de Lisboa. Por exemplo, no concelho de Lisboa, que é o maior do país, a IL teve 4% dos votos, e nos concelhos limítrofes (Oeiras, Cascais, Loures) teve resultados pouco abaixo disso.

      Assim, embora sendo uma aberração para a maioria da população, a IL conseguiu, de forma perfeitamente limpa, eleger um deputado.

  3. Paulo Marques says:

    Mais uma tecnocracia federalista, em 2020? Mal me lembro do DIEM, vou lá lembrar-me de sucessores.
    A ver se nos entendemos, não há, nem vai haver, povo Europeu, como os Rutte desta coisa provam constantemente. Unanimidade para mudar o Euro, quando mais o mercado único, só pelo D Sebastião.

  4. POIS! says:

    Pois tá bem!

    Uma boa notícia é terem um coordenador Policy de Saúde! É uma lufada de fresh air!

    Espero para ver quem é o postulador de Hake Slices em Economia e o diretor de Idle Talk em Educação para dizer se fico in ou se estou out..

    Estou em fleas para ver o outcame!

  5. Luís Lavoura says:

    Não creio que o Volt vá ter grande sucesso em 2023. Trata-se essencialmente de um partido europeu e pró-União Europeia, mas o povo vota sobretudo de acordo com ideias nacionais concretas e não de acordo com ideias um bocado abstratas como sejam o europeísmo.
    Mas, claro, é benvindo este novo partido, pois todas as sensibilidades políticas devem ter quem as represente.

  6. Paulo Marques says:

    Sim, conseguiu alguns votos dos privilegiados que não são afectados, até ao dia, pela destruição do estado e captura do que resta, e que até querem mais. Ninguém disse o contrário. Não tem é muitos mais para levar.

  7. Jose Oliveira says:

    O povo já disse o que pensava da UE em vários referendos europeus. Cá pelo rectângulo, o poder teme referendos, mas a malta absteve-se massivamente nas eleições europeias. Porque será?????


  8. E eu a pensar que isto era um artigo sobre carros eléctricos! Afinal é só para mais um partido de salafrários que também querem deitar as patas ao POTE!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.