Aos jovens da minha Terra

Sou o Francisco Salvador Figueiredo, tenho 21 anos, estou matriculado em Filosofia – sim, “matriculado” é a palavra certa – e estou a trabalhar em Karviná (República Checa) num projeto de voluntariado com crianças deficientes. Não, isto não é uma apresentação nos Alcoólicos Anónimos. Estejam descansados.

Nasci no Porto, vivi no centro do Porto desde os 10 anos e ainda tive uma passagem por Lisboa. Sim, faço parte dos privilegiados, seja lá o que isso for. Sempre me interessei por política. Era defensor da Marisa Matias em 2016, porque a história de vida dela e a sua qualidade em unir pessoas de várias cores políticas me fascinavam. Simpatizava com o Bloco, porque tinha 16 anos, queria igualdade, liberdade e tudo na paz. Entretanto, as minhas ideias foram caminhando para a direita e desde aí já pensei muita coisa, mas instalei-me rapidamente no Liberalismo. Atualmente, considero-me um liberal em toda a linha, focado no indivíduo e na liberdade como um bem em si mesmo. No entanto, este texto não é para falar da minha ideologia, é um texto dirigido para as pessoas da minha geração.

[Read more…]

Liberais e o Estado, parte 35

Por acaso, o assunto do dia ainda é o caso de José Sócrates, que ontem foi comentado num episódio especial no nosso blogue e que já teve direito a postas bastante certeiras. No entanto, houve uma notícia no jornal Nascer do Sol que não passou despercebida a muitas pessoas de Esquerda, incluindo o meu estimado João Maio, que não faço ideia que calçado usa. (É assim que se faz para vocês pensarem que um de nós vai acabar expulso, não é?) [Read more…]

O final é o mesmo?

Isto é como diz a velha História: São 11 contra 11 e no final o Sócrates sai ilibado.

Justiça pelas próprias mãos?

Há uns dias, ouvíamos um juíz a desafiar um gajo para a porrada. Agora, ouvimos um juíz a dar porrada a um povo inteiro.

Prognósticos?

A culpa ainda vai ser do Passos.

Quotas? A discriminação do bem.

Estava a fazer uma passagem pelo Twitter e deparo-me com este título de uma notícia: “Plano contra o racismo prevê quotas para acesso de alunos de escolas desfavorecidas às universidades”.

Antes de tudo, admiro-me que estas quotas sejam inseridas num plano contra o racismo. Só há “alunos de escolas desfavorecidas” não-brancos? Há desfavorecidos privilegiados? Sinceramente, esta parece ser a pior forma de racismo de todas: é quando vem disfarçado de igualdade. Esta ideia presume que uma pessoa tem mais ou menos condições, em princípio, pela sua etnia. É um insulto a pessoas de etnias que seriam beneficiadas, pois há uma elite pseudo-antirracista que considera que necessitam de um empurrão. E é também um insulto a quem não seria beneficiado, pois colocam nos ombros destas pessoas o sentimento de que apenas são o que são pela sua etnia, como se não tivessem de trabalhar. [Read more…]

All a bunch of socialists

Até o Chega.

Se a aldrabice pagasse imposto

Por vezes, aparece menos polido, tal como Louçã apareceu há semana e pouco. Por outras, aparece mais polido, como hoje apareceu o João Maio. Mas nunca se deixará de notar no fanatismo ideológico típico do Bloco. Mais um chorrilho de mentiras e que não admira ninguém. Porquê? Porque o Bloco não passa disto. O Bloco faz lembrar as Produções Fictícias, que tinha um lema parecido com “contra factos, arranjamos argumentos”.

Sempre que quiserem visitar um resumo da cartilha bloquista sobre o que os liberais querem para a saúde é visitar o texto do João, que nem conhece o meu gosto por calçado.

O modelo que os liberais defendem para a saúde não caiu do céu. Existe e resulta em vários países europeus. Por muito que o João gostasse que assim fosse, a IL não defende o modelo dos EUA.

A IL defende que acima do lucro, de ser privado, público, etc, está a saúde das pessoas. No entanto, a esquerda está a marimbar-se para a saúde das pessoas, porque é mais importante provar que um modelo falhado funciona.

Até a socialista Marta Temido assumiu que é necessária uma melhor colaboração entre todos os setores. O maior adversário do socialismo, talvez maior do que o liberalismo, é a realidade.

Se temos filas e filas de espera deve-se as péssimas políticas públicas que excluem privados das soluções como se não fossem úteis. Enquanto os liberais querem alargar as hipóteses de escolha, não aumentando a despesa pública, o Bloco pretende aumentar a despesa num modelo mais do que falhado? Parece que sim. E para isto, é necessário criar espantalhos como se a saúde deixasse de ser um direito com o modelo liberal.

O João decide ainda dar um ar da desonestidade a que o Bloco nos habituou e pegar num caso isolado que aconteceu num hospital privado. Foi de facto algo desumano e que não aconteceria se não tivéssemos o privado reservado a ricos. Mas é preferível criar filas de espera intermináveis do que recorrer a todos meios disponíveis. Ou isso, ou o João quer privados a trabalhar de graça. Enfim, é toda uma realidade paralela em que se agitam umas bandeiras fáceis com as mentiras habituais sobre os liberais. Até o termo liberal tentam deturpar.

Os anos passam, a realidade mantém-se: o Bloco não consegue largar os seus preconceitos.

Quando a ideologia é a mentira

No dia das mentiras, no esquerda.net foi lançado um artigo fiel à identidade do Bloco. O texto é de Bruno Maia, médico neurologista. Também é ativista, claro está. O que podemos ler neste texto é mais uma mentira e uma tentativa de colar os liberais a regimes ditatoriais. Como o Bloco padece de uma qualidade argumentativa terrível repleta de lugares comuns e bandeiras fáceis como se fossem influenciadores de Instagram, tem de recorrer aos fantasmas que cria para tentar atacar o maior adversário do coletivismo que alimenta o Bloco há mais de 20 anos: o liberalismo.

Uma semana torna-se invulgar se não aparecer alguém desta esquerda a repetir as mentiras de sempre sobre liberais, beneficiando da memória curta das pessoas. Os liberais começaram por explicar a sua ideia para a saúde de uma forma pouco clara, pelo menos para o Bloco, mas a cada vez que isto acontece, os liberais tornam-se mais claros. Mais meia dúzia de meses e vemos liberais a explicar a sua ideia para a saúde com bonecos da Playmobil. [Read more…]

Arrepiante!

Há uma ligação muito especial das estruturas de alguns clubes ao próprio clube. A Real Sociedad e o Athletic Bilbao são exemplos disso. Calhou ser a Real Sociedad a levar a Taça para casa e o treinador deu-nos esta pérola. Este exemplo de amor ao clube. Isto é Futebol no seu estado mais puro.

Gisberta Salce Júnior

Em 2006, Gisberta Salce Júnior foi assassinada na cidade do Porto. Gisberta era uma mulher trans e foi vítima de um crime de ódio. Aqui podem ler a História.

O meu Porto, a minha cidade mui nobre e leal, sempre teve valores de resistência ao ódio e ao totalitarismo. Foi o Porto que resistiu contra o absolutismo no século XIX e, mais recentemente, foi o Porto que deu o maior NÃO a André Ventura. Este crime não se enquadra nos valores mais básicos que uma sociedade civilizada deve ter. Muito menos os do Porto.

De pouco vale, porque a Gisberta não voltará, mas ela merece uma homenagem digna e merece saber, esteja onde estiver, que o Porto não tolera o ódio. Esta foi a casa da Gisberta.

Para quem leu sobre o crime, tudo parece ter sido tenebroso. Tenha sido, ou não, motivado pelo ódio, foi com certeza uma atrocidade e aquela pessoa esteve em agonia durante muito tempo. Teve outro condão: o de chamar a atenção para a transexualidade, trazendo o debate à sociedade portuguesa.
Por tal, sim. Faz sentido homenagear a Gisberta, mesmo que certas senhoras na assembleia municipal considerem que “não fez nada pelo Porto”. Sim, é verdade que enquanto pessoa individual, a Gisberta, enquanto cá esteve, não fez nada de mediático na cidade; mas foi uma vítima (e diga-se que transexuais continuam a ser violentados e mortos todos os dias) que trouxe, pelo crime e pela sua identidade, um assunto estigmatizado para debate na praça pública. Rua Gisberta Salce Júnior no Porto, sim.

João L. Maio

Deixo-vos aqui o link para uma petição para atribuir o nome de Gisberta Salce Júnior a uma rua portuense.

100 anos? Tanto tempo. 500? Foi há dois dias.

Holodomor para aqui, Holodomor para ali, Inês Melo Sampaio, Jurista na Comissão Europeia, disse isto:

E muito bem. Temos de ter prioridades e o combate à pandemia é uma delas. Não, espera, afinal…

Mais rapidamente se apanha um fanático do que um coxo.

A oligarquia do Estado Português

Hoje é dia da mentira. É dia de dizer que o PS é de centro-direita, é dia de culpar o neoliberalismo pelo mal do nosso país, é dia de dizer que não vivemos afogados em impostos… Infelizmente, temos uma esquerda não-PS que constantemente abana estes fantasmas para que não se suje a sua pureza ideológica de igualdade e dos amanhãs que cantam.

 

Ontem, António Costa “anunciou que vai pedir a fiscalização sucessiva dos diplomas com novos apoios sociais que a oposição aprovou no Parlamento e o Presidente promulgou”. A razão que Costa deu é o facto de ser inconstitucional, pois aumenta a despesa fixada no Orçamento de Estado. Finalmente, temos um primeiro-ministro responsável e que tem um respeito máximo pela Constituição. Se fosse o mesmo PM que tínhamos em Abril de 2020, às tantas, dizia que era para manter os apoios “diga o que disser a Constituição”. Pelo menos foi o que esse disse sobre o confinamento. [Read more…]

Francisco Louçã, um negacionista?

Todos nós conhecemos Francisco Louçã, atual Conselheiro de Estado. Sabemos que tem uma obsessão pelos seus fantasmas neoliberais e que faz parte de uma classe desonesta que tortura a realidade até que ela fique a seu gosto. O próprio Francisco Louçã, que em pouco dignifica o meu bonito nome, teve também momentos infelizes em que tenta colar nomes como Friedman e Hayek a autênticos facínoras, recorrendo a citações totalmente descontextualizadas. Também foi apanhado a mentir sobre a taxa fixa proposta pela Iniciativa Liberal e foi ainda desmascarado por Mário Amorim Lopes numa troca de galhardetes que foi do Expresso ao Observador. [Read more…]

Azia? Toma lá poesia!

Desde a passagem do FC Porto para os quartos da Champions, o azedume geral acentuou-se. Como tenho respeito por todos, até por aqueles que não gostam de nós, não quero que falte nada. Neste dia especial, não vos vou deixar com fotos dos nossos troféus, dos nossos jogadores ou das nossas vitórias. Deixo-vos com o poema do nosso Hino, porque o que vos lixa mesmo é aquilo que somos. Longa vida! [Read more…]

Os liberais que afinal são estatistas

Desde que começou a pandemia, um ataque comum aos liberais é tentar provar que estes afinal querem que o Estado exista. Uma semana já não é a mesma coisa se não for dito que afinal os liberais gostam do dinheiro do Estado. Lembro-me de uma intervenção do género do primeiro-ministro dirigida a João Cotrim Figueiredo e, mais recentemente, um artigo de opinião no ECO de Pedro Sousa Carvalho. Será que os liberais afinal querem que o Estado exista?

 

Sim, querem. Se não quisessem, não eram liberais. Esta estratégia usada pela esquerda para descredibilizar os liberais e também usada pela direita magoada por não os ter atrelados é muito fácil de explicar. Criam a ideia que os liberais não querem o Estado para nada e atacam esta mesma ideia que inventaram cada vez que se fala em Estado. Basicamente, os liberais não são refutados, mas sim aquilo que gostavam que os liberais defendessem para facilitar. O liberalismo ainda é muito desconhecido neste canto da Europa e isso justifica a facilidade com que se mete palavras na boca de quem nunca as disse. Qualquer dia, inventam que os liberais querem é acabar com a saúde pública e a educ… Não, isso já fazem.

 

Afinal, o que querem esses perigosos liberais? Querem um Estado forte, mas pequeno. Um Estado que proteja as liberdades individuais, social e economicamente. Um Estado que garanta um acesso universal à saúde e à educação, mesmo que não seja sempre o prestador, colocando a escolha do cidadão em primeiro lugar. Uma justiça independente, ao serviço dos cidadãos e não do Estado. Um Estado que estimule a criação e a inovação em vez de ser um entrave, através de cargas fiscais que fazem corar os nórdicos e burocracias ao estilo caricaturado pelos Gato Fedorento no “Papel? Qual papel?”. Um Estado preparado para apoiar os mais vulneráveis, garantindo a igualdade de acesso às oportunidades. Um Estado com menos intervenção na economia, garantido que temos uma economia capitalista e não uma economia amiguista, em que conta mais ter um primo na Câmara Municipal do que ser o melhor empresário da tua terra. Um Estado transparente e que valorize a separação de poderes, diminuindo assim a corrupção pela raiz. Um Estado que garanta que nenhum indivíduo é discriminado pela sua natureza. Um Estado que dê liberdade de escolha aos cidadãos no que à vida privada diz respeito. Resumindo, um liberal defende que todos os cidadãos devem ser tratados com dignidade e que devem ver as suas liberdades respeitadas, sem condescendências ou paternalismos.

 

Os socialistas dizem que os liberais vivem numa fantasia – Estónia e Irlanda riram-se – quando defendem que são medidas liberais que ajudarão Portugal a crescer, mas que se tornam estatistas com a realidade. Será assim?

 

Os liberais, ao contrário de quem afirma isto, vivem na realidade. Ao contrário do que os socialistas fazem com as suas ideias, qualquer liberal admite facilmente que o liberalismo não é perfeito. Um liberal não tem como maior ambição provar que estava certo ou enriquecer à custa dos contribuintes, porque se fosse para isso mais valia ser do PS. O que um liberal quer é dar a oportunidade às pessoas de melhorarem a sua vida e… tem resultado. O objetivo não é provar à força toda que Friedman ou Hayek estavam certos, mas sim adaptar estas ideias à nossa realidade. E como os liberais vivem com os pés no chão, sabem que os portugueses têm um enorme esforço fiscal e que o Estado português não se pode queixar de falta de dinheiro dos contribuintes nos seus cofres. Se este dinheiro não serve para apoiar pessoas numa pandemia, para que serve o Estado então? Sustentar companhias aéreas e bancos falidos? Pagar o café com cheirinho da comitiva?

 

Quem está a falhar com a sua missão é o Estado. E num país que tem um Estado tão pesado na vida das pessoas, esse falhanço é ainda mais grave. Quando um liberal defende, por exemplo, que alunos do privado e do público sejam tratados da mesma forma pelo Estado, não está a ir contra os seus princípios. Quem o acha é que está a colocar a sua ideologia acima da vida das pessoas. Ora, quando eu andei num colégio de freiras, os meus pais deixaram de pagar impostos? Não. Não deixaram. O problema é que o Estado tem um produto e faz fita quando poucos o querem. Sim, porque ao contrário de um socialista, um liberal não pretende criar o sistema de privado para ricos e público para pobres. Se todos os cidadãos cumprem com o seu dever, também devem ser tratados de igual forma. Caso contrário, confirma-se que temos um país e dois sistemas. Um país em que, como cidadão, tens de ficar em casa, mas como militante, podes ir a aniversários partidários.

 

O que o Estado está a fazer às pessoas, e espero que um dia se olhe para isto como erro a não repetir, é amarrar a população. Não deixa as pessoas trabalhar e, com a mesma facilidade, também não as apoia. Alguns, do alto da sua arrogância, até ridicularizam dizendo que afinal sempre é necessário o Estado. Isto é o mesmo que eu querer ir trabalhar, a minha mãe dizer que não, eu pedir-lhe dinheiro e ela exclamar: Vês como não és nada sem a tua mãe?

 

Quanto mais pobres estamos, mais desesperados ficamos. E este desespero leva à vulnerabilidade que é instrumentalizada por populistas que encontram um inimigo comum e por medidas milagrosas de redistribuição que colocarão o Ronaldo e um colega meu do Cerco com a mesma qualidade de vida em 3 dias. São piores que os moços com dobragens terríveis das televendas. Esta iliteracia financeira em Portugal reflete-se, por exemplo, no facto de um partido liberal apenas ter assento parlamentar em 2019, sendo um dos únicos países europeus que ainda não tinha. Também temos um dos maiores partidos comunistas da Europa, a par de países como a gloriosa Grécia. E não conseguimos resistir à evolução da direita populista que está a causar divisões sociais graves no leste europeu.

 

Os liberais não viraram estatistas. Os liberais, simplesmente, sabem que existe diferença em apoiar alguém que perdeu tudo devido à pandemia ou financiar as empresas dos amigos que “não podemos deixar cair”.

 

Os liberais pretendem criar pontes e permitir que os cidadãos possam confiar no contrato social, com um equilíbrio entre as liberdades positivas e negativas. Ao contrário deste sistema em que as pessoas votam e são afastadas quatro anos da política.

 

O Estado traiu a população. O Estado não cumpriu a sua função.

Sviatlana Tsikhanouskaia

Hoje é dia da mulher e como são todas umas complicadas, decidi dedicar umas palavras a uma mulher com um nome igualmente complicado. Da mesma forma que eu tive de ir copiar o nome da Sviatlana, todos deveríamos copiar a coragem e a força desta pessoa.

 

A Sviatlana é a verdadeira presidente eleita pelo povo bielorrusso, mas continua a ser oposição. É assim que acontece em ditaduras. A Sviatlana é a voz da resistência popular contra um ditador e merece toda a nossa atenção.

 

Não gosto muito deste dia. Aliás, eu nem gosto daqueles que apenas se lembram de mim no meu aniversário, como seria se fosse no dia em que se celebra o meu género… Nenhuma pessoa é menos por ser mulher ou por qualquer outra característica natural. Por isso, devemos combater o preconceito, mas parece-me errado tratar grupos sociais como um todo, para o bem e para o mal. As mulheres pertencem a um género, não é a um sindicato. Quem vê desigualdade estrutural hoje, verá sempre. Aliás, um dia, o dia da mulher será polémico celebrar-se, porque é um dia de privilegiados. Registem aí. Alguém defenderá isto.

 

Não por se tratar de uma mulher, mas gosto de exemplos de coragem como o da Sviatlana. Tenho pena que no meu país tenha sido convidada a visitar um museu dirigido por uma militante de um partido que é o único que não a reconhece como Presidente. Tenho pena que em Portugal as discussões de quem quer uma suposta igualdade gire à volta de características de linguagem ou escolhas livres, enquanto uma mulher anda a lutar pela liberdade de um país inteiro.

 

Pensemos, neste dia, em todas aquelas pessoas que ainda se vêem dependentes de um papel de género. Que não podem tomar escolhas livres independentemente do género que são. E infelizmente, são muitas. Neste aspeto, temos a sorte de vivermos na nossa sociedade.

 

Não quero igualdade de género, quero liberdade de género. Aliás, liberdade. Basta. Depois cada um sabe o que faz com a sua.

 

7 de março de 2020

Foi há um ano que fui ao futebol pela última vez. Já presenciei goleadas, já presenciei finais perdidas, já presenciei derrotas contra os maiores rivais… Mas nenhuma derrota é maior do que a tristeza de não te poder apoiar.

É muito mais do que futebol. É o clube, as cores, a cidade, o cheirinho a jogo, as bifanas, as conversas, o nervosinho, o bairrismo, as personagens… Este ano fez-me perceber que não sou propriamente adepto de futebol, mas sim adepto daquilo que o futebol nos dá. Mais precisamente o Futebol Clube do Porto. Quem sente um clube assim sabe que não dá para explicar ao certo o que é. Desejo que todos sintam algo deste género. Se nos faz feliz e não dá para explicar a razão, só pode ter um nome: Amor

Democracia comunista…

Ou democracia estalinista?

O exagero dos liberais

Desde já, alerto que este texto irá conter vestígios de bairrismo e de sentimento. Todos nós temos as nossas hipocrisias e, por muito que eu gostasse de ser totalmente racional, não consigo. Prefiro admitir desde já em vez de tentar arranjar razões forçadas para justificar os meus sentimentos.

Ontem, o meu Porto acordou diferente. A Avenida principal da cidade, que até contém a estátua do Rei Liberal, estava de uma ponta à outra repleta de bandeiras comunistas. Eu não sou contra a existência do Partido Comunista nem sou contra propaganda comunista, mas sou completamente contra este tipo de propaganda. Faria este texto se fosse o PAN ou o PSD? Sim. Seria tão chocante para mim? Não.

Os liberais nunca se revoltaram com cartazes comunistas, mas ontem sim, porque quem não se sente não é filho de boa gente. A disposição daquelas bandeiras lembra perfeitamente um regime comunista típico de Século XX. Uma coisa é um cartaz na berma da estrada, outra é ocupar a Avenida dos Aliados com bandeiras de um partido. E não, não é um partido qualquer, é um partido comunista. Um partido que defende Estaline, que comemora hoje 68 anos como comunista bom, um partido que defende Lenine, um partido que não condena o regime ditatorial existente na Coreia do Norte, entre outras barbaridades. Mas que se engane quem acha que isto é “só lá fora”. Como muito proclama, o PCP não lutou pela liberdade, lutou para impor a sua ditadura. Isto não é querer a liberdade, é querer o poder. Mas aos comunistas é fácil perdoar tudo sob a desculpa de ser apenas uma parvoíce ou uma utopia. Ainda na última festa do Avante se ouviu que é necessário acabar com o capitalismo pela força. Facilmente, se passeiam camisolas de assassinos como Che Guevara e Fidel. Isto não é admissível num partido democrático. [Read more…]

O que a República Checa me ensinou

Às 6h, começa o meu dia. Às 6h38, tenho o meu primeiro autocarro de Karviná para a hlavní nádraží (um emigra a dizer “estação principal”, obviamente”). Nesse autocarro, costumo ir na conversa com uma rapariga que me fez sentir famoso. No primeiro dia em que parti naquela paragem, visto que mudei de casa, perguntei se estava no local correto. Disse que sim e perguntou-me de onde eu era. Portugal. Portugal? E perguntou-me se eu conhecia o Petr. Eu disse que sim e, pelos vistos, o Petr falou bem de mim e do meu colega francês a ela e ao namorado. Ficamos todos amigos. Às 6h59, tenho o primeiro comboio para Bohumin. E em Bohumin, tenho autocarro para a Escola Especial às 7h30. Neste autocarro, costumo ir com um dos miúdos da minha escola, o Patrik, e dois irmãos de 8 e 11 anos que frequentam uma escola normal acompanhados pelo pai. Nota-se que têm menos possibilidades do que a maioria das pessoas. No último dia que trabalhei, eles estavam sozinhos. Lá fui com eles, que estavam mais em baixo, e aproveitei para lhes oferecer um chocolate. O meu trabalho começa pelas 7h45 e estende-se até às 12h30. Nestas horas, lido com várias crianças com necessidades especiais. A maioria tem autismo. Um dos miúdos faz um filme por cada coisa que acontece. Se eu tropeçar, ele diz que eu quase morri. É uma espécie de jogador de primeira liga portuguesa. O outro miúdo fica admirado com tudo o que digo. Por exemplo, se eu disser que as pessoas têm duas pernas, ele solta um “ohhhh”. Outros miúdos fazem muito barulho. Uns são visivelmente de um espetro mais profundo, outros menos. E eles riem-se uns com os outros, não uns dos outros. [Read more…]

O Liberalismo Económico é necessário…

Mas não é suficiente para alguém ser liberal. O Bloco de Esquerda nunca desilude no campo da mentira.

22 anos de Bloquismo

Este fim-de-semana, o Bloco de Esquerda comemorou 22 anos. É um dos maiores partidos e tem uma importância incontornável na nossa História. Infelizmente, é pelos piores motivos. Há 22 anos, nasceu um partido que viria mobilizar pessoas pelas piores características que o ser humano tem: o ódio e a inveja.

A extrema-esquerda ganhou mais forma e está mais do que normalizada, o que é um mérito do Bloco, verdade seja dita. Normalizamos um partido com um espírito antidemocrático. O Bloco é o partido que facilmente critica instituições enormes que promovem a paz, mas que não consegue criticar organizações terroristas. O Bloco é o partido que faz manifestações contra Estados de outros países, mas que não se revolta com ataques ao Estado de Direito de quem lhes deu a mão. O Bloco é o partido que relativiza assaltos a bancos, mas que condena de forma veemente um momento asqueroso de um adversário político. O Bloco revolta-se facilmente, e bem, com atitudes de um ex-presidente dos EUA, mas pouco se indigna sobre bombardeamentos quando muda a pessoa. O Bloco quer policiar pensamentos, no entanto faz manifestações pela liberdade artística de um rapper espanhol. [Read more…]

Na falta de palavras, o título fica: Alfredo Quintana!

Vai defender, vai defender. Esta não passa. Viste? Eu disse-te, pá!

Sou capaz de já ter dito isto umas milhares de vezes na bancada atrás da baliza no nosso pavilhão. Por vezes, com dezenas de pessoas à volta. Outras vezes, com meia dúzia. E algumas, até sozinho. Numa tarde de sábado às 18h ou numa noite de quarta-feira às 21h, pouco importava. E depois desta espécie de adivinhação, tu correspondias e as colunas do Dragão gritavam QUINTANA! E se o momento fosse digno de tal, lá te viravas para a bancada para festejar como se um golo fosse.

Vou regulamente às modalidades desde 2014, desde os meus 14 anos. Desde sempre vi o Quintana entre os postes. Era um exemplo de profissionalismo, mas também de portismo. A entrega a cada lance fazia com que cada um de nós o idolatrasse. Era muito mais do que um guarda-redes, era muito mais do que um atleta de andebol, era a personificação daquilo que acreditamos de uma forma religiosa que é a mística do Futebol Clube do Porto. No fundo, todos nós achamos que o nosso é melhor do que os outros. E todos nós gostamos de ter um Quintana. E todos nós gostamos de ter rivais como o Quintana. Todos nós gostamos de pessoas leais, mesmo que essa lealdade não seja dedicada a nós.

Por vezes, nos meus momentos mais vazios, penso se não perdi muito tempo a ir ao pavilhão, para jogos que acabavam com diferenças de 20 golos. Hoje, penso no que perdi ao não ir ver alguns desses jogos.

Ontem, a vida pregou-te esta partida. Sempre te distinguiste pelos teus bons valores. Agora, é a nossa vez de honrar o teu bom nome.

Lamento que uma família tão bonita tenha ficado sem o seu número 1. Sem aquele que todos nós temos como um verdadeiro gajo porreiro que emana felicidade por onde passa.

Obrigado, Alfredo Quintana.

 

 

Comunismo nunca mais!

Há 52 anos, em Praga, Jan Zajíc queimou o seu próprio corpo em protesto contra o comunismo. Não pode haver contemplações com um ideologia criminosa. Jan Zajíc é um herói.

Polícia Socialista Parva (PSP)

Este fenómeno muito querido às esquerdas de tentar policiar o discurso e a própria História não é de agora. Aliás, já aqui tinha falado d’A Era do Cancelamento. No entanto, na semana passada tivemos três tentativas de cancelamento por parte da PSP. Digo tentativa, porque por muito que a esquerda transmita a sua ideologia em forma de única maneira decente de pensar, não acredito que consigam apagar a nossa História, para o bem e para o mal.

 

Começámos a semana com a tentativa de cancelar o Ricardo Araújo Pereira, porque este falou mal do PS. Parece-me que isto começou com uma socialista a lembrar que RAP já fez blackface e que usou termos homofóbicos, que “já lhe foi explicado que isso não é ok”. A PSP considera que é propriedade de uma instituição considerar os termos que estão à disponibilidade de Ricardo Araújo Pereira para utilizar nos seus sketchs humorísticos. A mesma esquerda que se pendura à liberdade de expressão para defender um rapper que faz apologia ao terrorismo é aquela que não pode ver uma cara com base a mais ou ouvir a palavra “maricas” num sketch. E nem estou a tomar um lado, estou a mostrar o duplo critério da PSP. Se é para cancelar consoante os nossos gostos, gostava de poder cancelar o Félix, porque ainda não esqueci aquele golo no Dragão. Não há cancelamentos pedidos?

[Read more…]

O Socialismo a falhar? Não pode ser…

Esta semana, saiu a notícia sobre o fim do serviço da Uber Eats em três cidades. Este encerramento deve-se ao facto de o Governo ter limitado a subida das taxas de entrega e impedir a cobrança de comissões aos restaurantes acima de 20%. Portanto, uma espécie de tabelamento de preços, algo que costuma correr sempre bastante bem. O preço de algo pode até diminuir, mas o seu trabalho continua a precisar de ser feito. O esforço é o mesmo, o investimento também. Estas medidas levam a prejuízos de quem trabalha, de quem realiza o serviço. Portanto, a curto ou médio prazo, a situação torna-se insustentável. Eu sei isto e sou de letras.

Ora bem, o Governo achou boa ideia, mais uma vez, limitar o progresso. Tal como em qualquer bom estado socialista, diferentes níveis de riqueza assustam mais do que uma igualdade na pobreza. Com esta medida, o Governo acabou com postos de emprego de estafetas, dificultou a vida de pessoas que têm ou trabalham em restaurantes e ainda dificultou a vida das pessoas que querem encomendar comida através desta aplicação. Outra vez, o Estado limita a liberdade de escolha do cidadão. [Read more…]

Cartão do Adepto? Não, obrigado!

Ontem, o Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa, após ação da Associação Portuguesa do Adepto, confirmou a legalidade do Cartão do Adepto que aqui já foi falado. Este cartão foi criado no âmbito de uma estratégia para combater a violência no desporto. Ora, como todos sabemos, nada combate melhor a violência de indivíduos do que um pedaço de cartão no bolso controlado pelo Estado.

Continuo sem entender como uma lei que trata pessoas de forma diferente pela forma de apoiar é considerada legal. Segundo esta lei, uma pessoa se transportar um trapo de 99 centímetros é um cidadão ordeiro, mas por mais um centímetro pode ser um potencial criminoso.

A Iniciativa Liberal tomou uma posição e anunciou ser totalmente contra este Cartão. Mais uma vez, fica provado que a IL escolhe o lado da liberdade em todas as lutas e não anda ao sabor de popularidade ou poder.

Temos o dever de lutar por que os adeptos não vejam as suas liberdades limitadas, pois quando se trata da liberdade devemos até lutar pelos direitos daqueles que não gostamos. É por uma questão de princípio. Há precedentes que não podem ser abertos.

Como adepto, como liberal e como cidadão:
Não ao Cartão do Adepto!

Cada um com a sua bujarda

Diogo Faro falou na TVI24 sobre cyberbullying no debate com Fernando Moreira de Sá. Para a semana, teremos André Ventura a falar sobre democracia e Francisco Louçã sobre a importância da verdade.

All a bunch of socialists

No sábado, Pacheco Pereira escreveu uma crónica no Público intitulada “Não deixem os atuais liberais apropriarem-se da palavra liberdade”. O texto de Pacheco Pereira começa bem quando fala de neoliberalismo, aquele termo incerto que nunca ninguém soube explicar muito bem o que é. Talvez porque não exista. Neoliberal não passa de uma tentativa de insulto aos liberais. E para não haver hipótese de julgarem que sou faccioso, avanço já que o equivalente a isto é aquela direita que grita marxismo-cultural sempre que a esquerda faz algo que não gostam, mas que não sabem como argumentar. Pacheco Pereira diz que neoliberalismo é o liberalismo reduzido à economia. Certamente não se refere à Iniciativa Liberal, que defende o liberalismo económico, social e político desde o primeiro dia. Falam os liberais mais de economia do que em temas sociais? Certamente, porque estamos num país exemplar para a Europa em certos pontos sociais, mas que caminha para o abismo económico. Admitia que há anos se duvidasse do liberalismo em toda a linha da IL, visto que era desconhecida. Hoje, é só desonestidade intelectual. Um partido que já fez várias propostas de caráter social, que foi a favor de um referendo mesmo sabendo que a sua posição seria aprovada em Assembleia, o único partido que é capaz de condenar veementemente os ataques aos direitos humanos pelo Estado chinês, o partido que propôs medidas para combater problemas de saúde.

 

Para fazer uma análise mais precisa da Iniciativa Liberal recorre ao PREC Liberal, que são 100 medidas apresentadas em contexto de pandemia. Tinha também programas políticos ao longo destes três anos de existência, mas optou pelo PREC Liberal. A Iniciativa Liberal não coloca tudo no mesmo saco, como gosta de fazer passar. A Iniciativa Liberal defende as liberdades de uma forma plena, não tendo preferências. E é preciso voltar a dizer: as ideias liberais para a saúde e para a educação aumentam a liberdade de escolha do cidadão. Em que medida isso é mau? Nunca saberemos.

 

Vamos ao que interessa: o que levou Pacheco Pereira a escrever este texto? Não sei. Mas não posso deixar de reparar num dado curioso. Esta crónica foi lançada sábado, um dia depois do famoso caso nos Açores, em que depois de se saber que o governo PSD/CDS/PPM repete a estratégia tachista do PS, a IL afirma não aprovar um orçamento com estas gorduras. Mais uma vez, a IL provou que não fará oposição clubística, colocando-se numa barricada, criticando os do outro lado, mas de olhos tapados para os defeitos do seu. A IL faz oposição a tudo aquilo que não representa os seus valores, quer tenha de se opor ao PS, PSD ou ao MAS. E isto afeta, porque o PSD perdeu finalmente a esperança de ver na IL aquilo que viu muitas vezes no CDS. O PSD olha para o que o PS faz com o BE e o PCP e ficou triste por não poder fazer o mesmo com a IL. [Read more…]