Abjecção de consciência

“A democracia é precisamente o regime onde posições abjectas podem ser defendidas de forma legítima, da castração química de pedófilos às 35 horas de trabalho na função pública.” – João Miguel Tavares

 

Há quem use o adjectivo “genial” a propósito de tudo e, portanto, de nada. O uso excessivo desgasta qualquer material e as palavras não são excepção. Se tudo for genial, o que poderemos dizer de um génio?

João Miguel Tavares (JMT) exerce o seu direito ao uso da palavra “abjecção para classificar a proposta de castração química do Chega e do regresso a um horário de 35 horas semanais na função pública em 2015. Nada de novo: a direita, por crença ou por conveniência, segue a moda das falsas equivalências, andando numa esquizofrenia perigosa: ai, não gosto nada do Chega, mas o Chega tem os mesmos direitos que os outros, a esquerda é tão abjecta (ora cá está) como o Chega e o Chega cresce por culpa da esquerda.

Aproveitando o seu espaço no Público, JMT renova o seu direito ao uso de “abjecção” para classificar a injustiça das 35 horas semanais da administração pública, face às 40 dos privados. De qualquer modo, há mais histórias nesta história. [Read more…]

Da Mais Abjecta Absolvição de Si

Admito-o, com a máxima franqueza: Passos e as suas circunstâncias trouxeram-me um curral de desemprego, trouxeram-me cortes selváticos e perversões no que realmente recebo de subsídio de desemprego e é abaixo de miserável, indigno, tornando impossível ser pai, marido, gente. Mas não tenho ódio com que odeie este Governo já sobejamente odiado por ter cão e por não ter, porque sim e porque sim, para além das grilhetas herdadas. Sócrates, com a sua máquina mediática furiosa que debitava treta de entreter vinte e quatro por vinte e quatro horas, sete dias na semana, varria os pobres e a paisagem do real feio para debaixo do tapete nas inaugurações-croquete, nos anúncios repetidos, no optimismo vácuo, na mensagem charlatã e no luxo com que se rodeava e a que se não poupava. Passos atira-nos com o real para cima das costas, em bruto. Sócrates fingia que não havia pobreza nem cada vez mais desempregados. Passos quer evacuar de Portugal o máximo de activos humanos através de uma massiva emigração de corações, braços e cérebros, e porventura matar de inanição desempregados, doentes e pobres com mais doses de abaixo de penúria. Um luxava e fingia. Outro perde cabelo e procede segundo a mais estrita crueza em consonância com a situação das Contas Públicas e o que delas puder salvar. [Read more…]