Abriu a caça ao funcionário público!

O portuguesinho tem um odiozinho pelo funcionário público, mesmo que goste da ideia de ter uma administração pública com qualidade (de preferência, sem funcionários públicos, gente desprezível e vil). Esse odiozinho nasce da ideia de que o funcionário público trabalha pouco (tem um horário de trabalho), ganha acima da média (na administração pública, há uma enorme percentagem de trabalhadores com formação superior) e tem demasiados direitos (e o portuguesinho prefere que os outros percam direitos a lutar por ter os mesmos).

O liberaloidismo socrático-passista, descendente directo dos cavaquismos, conseguiu impor a ideia de que o salário de um funcionário público é crime de lesa-pátria, quanto mais a recuperação de congelamentos sobrepostos. A opinião pública, influenciada por muita publicada, revolta-se. Os padres do regime, estrategicamente colocados nas televisões, falam em “reformas estruturais”, eufemismo que corresponde ao despedimento de funcionários públicos, à privatização de recursos públicos e ao cultivo de baixos salários em nome de défices e em benefício do poder financeiro e empresarial. Hoje, tudo isso está entranhado em consciências e em inconsciências. [Read more…]

Premiar a mediocridade em lugar do mérito…

É normal que um profissional entre no mercado de trabalho, adquira experiência, competências, invista na sua formação e consiga evoluir na sua carreira. Obviamente que existem aumentos na remuneração à medida que o desempenho e qualificação também permitem a obtenção de melhores resultados. Não me passa pela cabeça que um médico com 20 anos de serviço tenha a mesma remuneração que um colega que terminou o estágio há pouco tempo. Nem tão pouco que um professor após 20 anos a leccionar possa ser comparado com um colega recém formado. Mas a justificação para a diferenciação não pode ficar pelos anos de serviço, precisa ser acompanhada de resultados obtidos. [Read more…]

Descongelamentos, aumentos, feira de Beja, olho do cu

No Público de hoje, está esta nota, que faz parte da rubrica “Orçamento de 2018 explicado em dois minutos”.

Vejamos: primeiro, o Público diz-nos que os funcionários públicos “terão direito a ser colocados no correspondente patamar remuneratório”. Convém lembrar que os funcionários públicos, há vários anos, tiveram direito a congelamentos de carreiras e a cortes salariais. Na realidade, graças a engenharias várias, foi possível fazer com que os mesmos funcionários públicos ficassem mais longe do topo da carreira e passassem a ganhar menos.

Vamos lá a uma parábola: o menino Joãozinho comia, todos os dias, quatro batatas. Um dia, os pais passaram dar-lhe só duas batatas. Passados dez anos, os pais anunciaram ao menino que iria ser aumentado, porque passaria a comer três batatas por dia. Estranhamente, o senhor João (Senhor João? Pois, passaram dez anos!), protestou:

– Chamam aumento a uma reposição? E as batatas todas que eu não comi durante estes dez anos e que vocês andaram a meter ao bolso, que aquilo está cheio de moscas? Nem sequer voltei às quatro batatas… Aumento?! Vocês andam mas é a confundir a feira de Beja com o olho do cu, pá!

Os pais, ofendidos com a linguagem, embatucaram. Realmente, o senhor João deveria ter muito mais cuidado com a linguagem: é que passar a ganhar mais do que se ganhava é, evidentemente, um aumento. Até os jornais de referência, como o Público, dizem que sim.

 

A Fenprof não aderiu?

A Função Pública hoje está a fazer greve

Descubra as diferenças entre um salário de um médico e de um motorista de… um ministro

Temos que ser intelectualmente honestos. O nosso País paga a um ministro menos de 5000 euros e a um presidente de câmara, em média, cerca de 2000 euros líquidos, salários muito abaixo das suas responsabilidades.

Como podemos ter com salários destes os melhores na vida politica?

O mesmo País paga € 2008,45 a um médico especialista anestesiologista, num hospital publico, que investiu nos seus estudos mais de 20 anos.

FB_IMG_1452973223481-1

Como conseguimos com estes salários manter os melhores médicos no serviço nacional de saúde?

[Read more…]

Desigualdade e 35 horas semanais

semana de 35 horas

Imagem: TSF

Da mesma mesma forma como repetidamente me manifestei por os cortes salariais atingirem mais a função pública do que o privado, também agora quando o governo se prepara para criar outra desigualdade me posiciono contra esta medida.

Acredito que o legislador tem obrigação de procurar a equidade, atendendo às especificidades que possam existir. Neste caso concreto não vejo particularidade alguma que justifique esta diferenciação, pelo que a vejo como inaceitável.

Não querendo alterar o código do trabalho para legislar para todos os trabalhadores, António Costa estará a dar argumentos aos que defendem que o governo não tem condições de estabilidade devido à acção da CGTP e do PCP. Será mais uma pedra que os defensores do “menos Estado, melhor Estado”, apesar de melhor Estado para eles significar mais transferências do Orçamento de Estado para certas empresas privadas, dizia, será uma pedra que eles não se coibirão de atirar.

Certamente que haverá muitas áreas de negociação entre os partidos que suportam o governo. Mas escolher esta em particular é um mau exemplo.

Ficamos mais descansados

Não há nenhum compromisso firme de atingir os 12 mil funcionários públicos. Foi uma estimativa, mas que não corresponde a uma meta à qual o Governo esteja vinculado