Sérgio Azevedo, o deputado que usa o email do Parlamento para informar comentadores do Benfica

Fotografia@Mário Cruz/Lusa@ECO

Causou polémica o recente caso dos bilhetes pedidos por Mário Centeno ao SL Benfica, com insinuações à mistura que apontavam para um alegado favorecimento dos filhos de Luís Filipe Vieira por parte do Ministério das Finanças. O tema não passou despercebido e foi alvo de várias manchetes nos principais órgãos de comunicação social do país.

Posteriormente, veio à tona um conjunto de emails, que demonstram que um deputado da nação, Sérgio Azevedo (PSD), usa o seu email parlamentar para informar personalidades ligadas ao Benfica, como o comentador Pedro Guerra e o jornalista Hélder Conduto, sobre temas como a transladação do corpo de Eusébio para o Panteão Nacional, um relatório dos delegados da LPF do jogo Sporting – Gil Vicente, que deu origem a um processo disciplinar contra o presidente do Sporting, ou a isenção de taxas municipais ao clube da Luz (Sérgio Azevedo é também deputado municipal em Lisboa), tema sobre o qual partilhou o parecer de Helena Roseta e se comprometeu a enviar o parecer jurídico da CM de Lisboa para Pedro Guerra. Importa referir que o Benfica acabou por beneficiar de uma isenção no valor de 1,8 milhões de euros. [Read more…]

A primeira medida de Mário Centeno como líder do Eurogrupo

Pedir 2 bilhetes a Nasser Al-Khelaïfi para o PSG – Dijon do dia 17 de Janeiro. Afinal, o homem vê futebol há 45 anos.

O PSD já retirou a confiança política a Sérgio Azevedo?

Sérgio Azevedo, o espião do Benfica na Assembleia da República.

Os emails do Benfica e a Comunicação Social prostituída


Os últimos emails do Benfica que foram revelados mostram uma incrível promiscuidade entre o clube e a Comunicação Social. Nesses emails, podemos ver José Manuel Delgado, «jornalista» de «A Bola», a conspirar com Paulo Gonçalves contra o FC do Porto e a combinar notícias que serão publicadas nos dias seguintes. Outros «jornalistas», como Rui Pedro Braz, Nuno Farinha e tantos outros também aparecem nos emails a desempenhar exactamente o mesmo papel.
A Comunicação Social portuguesa, hoje como há muitos anos, não passa de uma prostituta ao serviço do Benfica.
Notícias sobre os emails? Zero! Zero!
Bem pode o Benfica processar todos aqueles que divulgarem os emails. Processem-me, caralho!
E bem podem clamar também pela protecção da intimidade – estamos a falar de crimes graves e isso sobrepõe-se a tudo o resto. Para quem estiver com ideias, visto que estamos a falar de padres, a confissão não entra na equação.
A quem elogiou Julian Assange, Edward Snowden e os autores dos Panama Papers, entre tantos outros, aconselho uma grande dose de coerência. É enternecedor falar sobre o conteúdo quando estão em causa os outros, mas pôr em causa a origem quando falam de nós.
Pudesse eu queixar-me à ERC!
Infelizmente, após o mandato do cangalheiro, que desempenhou a função com a eficácia própria do epíteto, a ERC está hoje entregue a uma Brigada do Reumático que, para além de ser benfiquista, percebe pouco do assunto.
Quanto ao FC do Porto, responde (em campo) da única forma que pode responder.

O Benfica é um Estado dentro do Estado

A vergonhosa actuação do árbitro Jorge Sousa e seus colegas no último FC do Porto – Benfica, provavelmente uma das mais vergonhosas da história de 83 anos do Campeonato Nacional de Futebol, foi apenas mais um episódio da palhaçada em que se transformou a modalidade em Portugal.
Não sei se Jorge Sousa é corrupto ou incompetente. Ou melhor, sei que é incompetente – uma miséria de árbitro. Se é corrupto ou apenas manipulável pela forma como o Benfica põe e dispõe da classificação dos árbitros nos últimos anos, isso já não sei.
Numa actuação completamente branqueada pela Comunicação Social, conseguiu roubar 2 grandes penalidades flagrantes ao FC do Porto, daquelas que não oferecem dúvidas, sobretudo depois de vistas na televisão – e anular, também ao FC do Porto, um golo perfeitamente limpo em que todos os jogadores estavam a ser postos em jogo, mas muito, por um jogador do Benfica.
Curiosamente, quem levantou a bandeirola, Álvaro Mesquita, é de Vila Real. Como também é de Vila Real Nuno Cabral, o «menino-querido» do Benfica. Ou Gonçalo Martins, o 4.º árbitro deste jogo e o inenarrável árbitro do Benfica – Portimonense desta época. Ou Tiago Pinto, o dirigente do Benfica que pontapeou a bola no FC do Porto – Benfica para atrasar a reposição do jogo. Coincidências?
Não, não é coincidência. Álvaro Mesquita fez de propósito. Sabia que ia ser golo, sabia que nenhum jogador do FC do Porto estava em fora-de-jogo (só se fosse cego) e que uma revisão da jogada em sede de VAR (vídeo-árbitro) ditaria a sua legalidade, logo, enveredou pela única solução possível: inviabilizar a jogada e impossibilitar o visionamento pelo VAR. Caso contrário, se houvesse dúvidas (que não havia), deixava seguir e a televisão decidiria.
Não teria sido necessário ser tão radical. No VAR, estava Hugo Miguel, ali colocado pelo consciencioso Fontelas Gomes. E todos sabemos como Hugo Miguel decidiria. Decidiria como decidiu nas 2 grandes penalidades flagrantes não marcadas: a favor do Benfica.
Hugo Miguel, relembre-se, é o árbitro que, há pouco tempo, no Facebook, em alusão ao FC do Porto, disse que «gosto tanto de os ver provar do próprio veneno». É o árbitro que viu no recente Rio Ave – Benfica uma grande penalidade que mais ninguém viu quando o Benfica estava a perder, mas que, no mesmo jogo, não conseguiu ver uma selvática agressão do jogador Pizzi com o jogo parado. Uma agressão selvática mesmo à sua frente – ele estava a olhar!
Que a Comunicação Social tendenciosa e vendida queira equiparar isto tudo a um cartão amarelo não mostrado ao jogador Felipe por uma falta dura, enfim, é mais do mesmo.
Ao fim destas 2 semanas, em que o FC do Porto estaria com 8 pontos de avanço sobre o Benfica se não tivesse sido escandalosamente roubado através de 2 arbitragens incríveis, percebemos melhor as declarações de Luís Filipe Vieira na Assembleia-Geral do Benfica. «Não vamos abdicar da conquista do penta. É o que está pré-estabelecido». Ou aquela frase segundo a qual o Sporting este ano não vai ganhar nada – já se percebeu que esses vizinhos da 2.ª Circular serão as próximas vítimas logo que for preciso – e vai ser já em Janeiro.
Realmente, está tudo pré-estabelecido. Há muito. E está tudo pré-estabelecido porque, de uma forma ou de outra, está tudo comprado. De uma forma ou de outra e de uma ponta à outra.
Parabéns ao Benfica. É assim que gostam de ganhar? Que bom. Podem encomendar as faixas.

[Read more…]