Obrigada por este bocadinho, François! (III)

tu_vas_la_fermer_
Na montra de uma livraria em França onde o livro da ex de Hollande não está à venda, um poster de um filme imaginário com menção ao caso do tweet contra Ségolène Royal com que Trierweiler desafiou Hollande

Alguns livreiros recusam-se a vender o livro de Valérie Trierweiler, Merci pour ce moment, revoltados que estão com o fenómeno estapafúrdio gerado por um livro que, com justeza, consideram sem qualidades, apesar de ter vendido numa só semana o que a maior parte dos escritores franceses não consegue numa vida literária. [Read more…]

A melhor – não ponham dúvidas – livraria da cidade

Aquilo a que chamo o meu bairro, um raio de imprecisas centenas de metros ao redor da minha casa e que se vai alargando todos os dias, tem a sorte de ter a melhor livraria do Porto. Não tem letreiros luminosos, nem é bela como a outra, onde as camionetas despejam turistas aos magotes para fotografarem o cenário do feiticeiro Potter, mas em que os livros mais parecem adereços para emprestar credibilidade a esse cenário. E é tão discreta que podem passar-lhe a porta e nem repararem nela. É um espaço sem pretensões estéticas, sem top de vendas, de aspecto austero, com paredes a precisar de uma demão de tinta, escaparates de madeira tosca e estantes muito antigas. E acolhedor, apesar disso, sem sofás nem ar condicionado, com a rádio, lá ao fundo, sintonizada na Antena 2, e um livreiro que vos deixa em paz se assim o preferirem ou conversa convosco com gosto, se a isso estiverem dispostos.

Se o leitor se sente aqui tão bem, avento eu, será porque nela se respira a inestimável liberdade de uma livraria que se borrifa nas listas de mais vendidos, nos autores da moda, nas estratégias empresariais. E por isso o que vemos à venda reflecte uma escolha, não de grupos editoriais ou de gurus do marketing, mas de um livreiro que tem um projecto que, mais do que comercial, é um projecto de vida. Chama-se Utopia. [Read more…]