Não Snifarás o Incompetente Passos em Vão

Sou dos que não se perturbam demasiado com o que muitos passosfóbicos qualificam de subserviência exasperante deste Governo perante a corte de poderes externos que põem e dispõem da nossa vida por via dos cruéis Orçamentos deste Ajustamento. Nem tudo o que parece é, e o velho chinês caricatural, retratado a saudar com sorrisinhos e vénias sucessivas o legado estrangeiro, ao recebê-lo para negociações, é o mesmo que se comporta de forma inflexível e inquebrantável, entre esgares amistosos, levando sempre a melhor. Se neste Governo Possível houver homens para negociar à chinesa, poderemos bem com as suas aparentes mesuras e desmesuras subservientes e com a aparente anuência acrítica perante os interventores externos, desde que, lá no fundo onde a mão esquerda desconhece o que faz a a mão direita, se defenda o interesse geral. Ressalve-se tratar-se esta justamente de uma intervenção externa, a qual, por natureza, salvo determinados limites, põe e dispõe de facto das nossas vidas, e à qual ou obedecemos e cumprimos, de facto!, ou cumprimos e obedecemos na mesma. Quem tem argumentos ou os gera, negoceia. Quem está numa posição de força tende a dominar a negociação e nunca o contrário. Ponto.

Infira-se, portanto, que, para Passos, a obediência ao [e o cumprimento do] processo são um absoluto que nos relativiza, a nós, cidadãos, infelizmente. [Read more…]

Da Opinião Ordinária, Insidiosa e Habitual

Hoje é dia de mais opinião ordinária e habitual. Ordinária, porque finge que nasceu ontem. Habitual, porque é palavra de donos disto, arrogados donos morais e institucionais disto-Portugal. Só os que se concebam donos do Regime, como Soares, se alarmam sobremaneira com o confisco que lhes sucedeu impensável também a eles: cansativamente, pronunciam-se sobre a Europa, sobre o País, mas o País suporta mal quer o Fisco Brutal quer o trajecto sanguessuga desses pais e herdeiros imorais do Regime. Ordinária, porque não disfarça os seus intentos pessoalíssimos, a busca na secretaria «Demetir, demetir e demetir!» da desesperada reversão dos prejuízos causados pelo recuo governamental dos apoios à Fundação. Habitual, porque o rei intocável, jarra melindrosa do Regime, não se enxerga: olho para o crepuscular Mário Soares e penso no Dâmaso Salcede que Eça pintou: a mesma figura, a mesma ridícula obsessão por si mesmo inexistente e pelos modelos estrangeiros, mas que nem em França hoje encontram guarida e defensor. [Read more…]

OE 2013: Pataniscas de Ar, Panados de Vento

Empobrecer é fodido. Terça-feira, a proposta do Governo para o Orçamento do Estado para 2013 será aprovada. Sinto-me impotente para contestar o que se mostra inevitável, embora nem discuta o facto patente a todos os olhos de não ter propriamente à testa do Governo quem se bata por mim, por cada um de nós com unhas e dentes. Um País sob intervenção externa não debate nem negocia orçamentos. Debate e negoceia minudências e montanhas que vão parir os ratos habituais. Simular baixar os danos sociais enquanto na verdade se submete ao receituário de base.

Desde logo, eu esperaria da Oposição em geral e do PS em particular ideias que merecessem o acolhimento pelos partidos do Governo: horroriza-me que os partidos não cooperem nem trabalhem sinergias práticas no sentido de desonerar as medidas mais gravosas sobre as pessoas. O que é que PSD e CDS têm para nos dar no que respeita à remoção de todas as situações de excepção na cúpula governativa e noutras zonas de conforto perpétuo?! Zero. Por que motivo não se renuncia ao pagamento dos subsídios de Natal dos assessores e adjuntos do Governo para fazer exactamente o que os Governos-PS nunca por nunca fizeram ou fariam enquanto caminhavam alegremente para o atascamento fatal do País?! Neste ponto, o Primeiro-Ministro e o Ministro das Finanças voltam a ser fracos, a falhar-me, hierárquicos, aristocratas. [Read more…]

O problema do país está em o governo agir

Em caso de uma nova derrapagem orçamental, Governo promete agir. Se, pelo menos, ficasse quieto, já não corria tão mal.