Retrocesso: uma certeza, entre várias certezas

O PS vence por larga margem. A esquerda, no global, também vence, mas a esquerda da esquerda perde de forma retumbante.

BE e CDU terão, agora, de fazer uma reflexão interna. Sabemos que a força da esquerda não se mede por números, como já se viu no passado, mas por propostas; sabemos, no entanto, que terá de ser feita, de forma ponderada, serena e comprometida com o eleitorado, um balanço dos últimos seis anos, nomeadamente da estratégia seguida desde o fim da geringonça em 2019.

O neo-liberalismo cresce a olhos vistos, mostra a perna ao eleitorado, mas este não vê que ele é perneta. Terão agora, pelo menos, dois anos para reflectir se era uma maioria do PS (ou perto disso) que realmente queriam e se o crescimento do neo-liberalismo nas últimas três décadas tem sido benéfico para o país.

Vamos à luta, camaradas. O povo castigou-nos, à boleia da manipulação do PS e da pressão das sondagens, mas continuaremos, sempre, sempre, sempre a lutar por vós. O reforço dos serviços públicos, o aumento dos salários e das pensões, justiça fiscal, criminalização das offshores, e por aí em diante. Não renunciaremos aos nossos mandatos. Viemos à luta, estamos na luta, estaremos na luta.

Avante.

Fotografia: MAYO

Verdes em Portugal: um ecologismo a precisar de emancipação

Continentes-Verde-580x425
Sobre aquilo a que chamou «Comunismo envergonhado» escreveu em 1999 o meu amigo (e já desaparecido) José Manuel Palma Martins. Dizia ele já ser «tempo de o Partido Comunista Português deixar de usar máscaras eleitorais como FEPU, APU ou CDU, siglas envergonhadas da foice e do martelo» e de um partido já há muito «adulto, quase sempre terceiro na hierarquia democrática» do País, e que, tendo sido capaz de sobreviver a «lutas e dissidências», não carecia de apoio «em muletas de satélites». E nesse mesmo seu texto, chamava Palma Martins a atenção para o atraso da emergência em Portugal de uma força política de motivação ecológica, «projectada não para a Esquerda ou a Direita, mas para o Futuro.» Dezasseis anos mais tarde, e nada. E não me venham dizer que temos os Verdes, porque a coligação do Partido Ecologista “Os Verdes” com o PCP (a CDU) tem proporcionado aos ecologistas uma existência pouco mais que pífia, que não faz de modo nenhum justiça à real necessidade e potencial de representação na sociedade de uma força partidária ecologista em que, designadamente, uma fatia não negligenciável de jovens (muitos abstencionistas) pudesse rever-se. Um ecologismo a precisar de emancipação, em suma.