Nas Caldas da Rainha

2013-02-12 14.14.06

Os lindos pavilhões anexos ao Hospital Termal das Caldas da Rainha. Situados no  Parque D. Carlos I, encontram-se hoje num inacreditável estado de abandono. Embora jamais tivessem servido as termas, neles estiveram instaladas unidades militares, escolas e liceus. No nosso país existe a mania do erguer mais e mais betão, votando-se o património ao abandono, ao miserável e suspeito desleixo.

Este conjunto arquitectónico entra na segunda década do século XXI com janelas escancaradas, vidros partidos, telhados danificados. A ruína é evidente e teme-se aquilo que todos já imaginam. É isto, o Portugal do progresso.

Para quem não acredita


Eles não sabem ou não querem saber. Pedras vividas por tantas gerações, por vezes estimadas, noutras tantas abandonadas. O saber fazer em grande e com beleza, o sentido prático das coisas que marcam presença e que hoje serviriam de inesquecível lição a quem jamais quis aprender. Um Portugal bem maior que aqueles 10 milhões de consumidores de produtos estrangeiros a que nos reduziram. Um Portugal de várias cores, de vários dizeres de português. Há que redescobri-lo e agora – ainda estamos a tempo – sem os complexos, peias ou aguilhões de tutelas, voltarmos a ser quem fomos. Tantos os “de lá” como os “de cá”, são hoje iguais e essa poderá ser a grande força que nos falta.

Património histórico vai a leilão


“Neste país” – é assim que hoje em dia, os portugueses chamam à sua pátria -, existe sempre uma verba qualquer para comprar porcarias de sucata a prazo como um Mercedes ou BMW, destinado a uma qualquer irrisória excelência. No entanto, adquirir belas obras que enriquecem o nosso património e garantem um hipotético renascer da nossa auto-estima, é coisa difícil. Na Sotheby’s de Nova Iorque, vai a leilão este belíssimo quadro que retrata um grande português do Oriente. A base de licitação está fixada entre os 80.000 – 100.000 Dólares (EUA). Não haverá por aí um mecenas capaz de oferecer a Portugal esta prenda de Ano Novo?

Portugal Arruinado

A nação não presta, dizia o abade Correia da Serra. Ao longo dos últimos séculos, a inteligentsia portuguesa, profundamente permeável a modas parisienses, foi esquecendo o obrigatório papel de formação, a que noutras latitudes estaria inteiramente dedicada como primordial missão. Os Correias da Serra reproduzem-se geração após geração – a Conferência do Casino foi um marco que ainda vinga -, auto exilando-se na sua própria terra ou rumando para o estrangeiro, onde finalmente poderão sonhar com uma proeminência que afinal raramente chega. Escolhendo países onde o estudo e a participação cívica fazem parte da normalidade quotidiana, é com surpresa que depararão com verdadeiras coortes de gente tão ou mais interessante do que eles próprios, sem que por isso os demais sejam forçosamente levados a curvaturas de espinha em respeitoso e embascado silêncio. Passam despercebidos e sentem-se mal. Paciência.

A televisão tornou-se no grande teatro que preenche a vida da casa, mesmo quando esta se encontra plena de gente que se dedica aos seus afazeres mais ou menos rotineiros e que oscilam entre o cuidado com a sua subsistência e os imperativos que a tecnologia trouxe. Os Correias da Serra ocupam quase integralmente os canais televisivos de informação por cabo, desfiando rosários de desgraças, amargas críticas e insinuações a respeito de gente desqualificada, inferior e capaz de todas as enormidades, mas que afinal, são a sua razão de ser. Barricados nas suas torres de menagem, não se preocupam em despertar o interesse da maioria dos compatriotas, mas sim em defender ciosamente o seu resplandecente espaço cerebral que decerto não terá rivais à altura. Poucos os entendem, não têm qualquer poder de captação de audiências e aquele grotesco pessimismo que faz escola, é por si capaz de tornar insuportável a simples visão daquelas faces carrancudas e tristonhas. Quantos Josés Hermanos Saraivas temos em Portugal? Posicionamento político à parte, este contador da História concita a violenta repulsa daqueles que sendo oficiosamente os seus pares, não suportam a popularidade e o magnetismo pessoal de um homem capaz de prender a atenção de multidões. Numa lodosa turfeira de desgraças e autocomiseração, JHS é aquele estreito caminho de terra enxuta que atrai os viandantes há muito órfãos do torrão que subitamente passam a olhar como imenso e até então insuspeitado. Será de direita e esse facto pouco interesse terá, se compararmos as por vezes discutíveis análises de eventos de um passado nebuloso, com o reacender da chama, mesmo que bruxuleante, de uma consciência identitária que para o melhor e para o pior, garantiu a existência de Portugal no decorrer de quase nove séculos. Desejável seria termos outros JHS das mais diversas filiações ideológicas e que pudessem contribuir decisivamente para afastar o rançoso complexo de inferioridade que criminosamente nos é inculcado há tanto tempo, há mais de seis ou sete gerações!

[Read more…]