Postal de Sevilla #4…

… … que não é um postal de Sevilha

Tal como o anterior, este postal vai escrito a partir de Aveiro. Não é um postal de Sevilha porque não foi escrito em Sevilha e porque as fotos não são de Sevilha (mas espero que, pelo menos, sejam de Espanha, o que é difícil de dizer ao certo a não sei quantos pés de altitude, a bordo de um avião minúsculo, desta vez chamado Gaio).
Não gosto particularmente de andar de avião, já vos disse de outras vezes. Menos ainda de andar em aviões minúsculos mesmo que tenham nomes de pássaros simpáticos. Também não gosto de viajar à janela, ao contrário, penso, da maioria das pessoas. Não aprecio a vista porque, mais a mais, tenho vertigens e fico enjoada quando olho para baixo e vejo os minúsculos pontinhos das casas, ou as grandes serras transformadas em colinazinhas sem qualquer importância ou os grandes rios transformados em pequenos risquinhos azuis. De qualquer modo reconheço que, dali de cima, tudo o que se vê abaixo parece desenhado perfeita e rigorosamente. Como num mapa. E eu gosto de mapas. E desta vez, a bordo do Gaio, atrevo-me até a tirar umas fotografias.

[Read more…]

Postal de Sevilla #3

Que nunca seja ‘la azquena’

Este slideshow necessita de JavaScript.

este postal e o próximo são escritos já de Aveiro, ainda que neste as fotografias sejam de Sevilha ou dos seus arredores. Foram 4 dias cheios para mim, ainda que só dois os tenha de facto passado em Sevilha. Dois dias inteiros, três noites e uma manhã. Dias de dormir, exceto hoje que dormi mais, entre três a cinco horas. Dias que foram dois num só. Na verdade dias de estar acordada quase 20h. Trabalhar entre 7 a 10 horas e ir ‘de copas’ a seguir. Querer fazer muita coisa em pouco tempo. Querer estar com os colegas que também são, alguns, amigos e, todos, pessoas de que gosto. Aproveitar bem o tempo. Trabalhar, mas também rir muito, brincar, falar de política, levantar o punho cada vez que uma máquina fotográfica nos observa.

Do dia antes de ontem escrevi já um postal, sem fotografias. Sevilha é uma cidade magnífica. Dizem-me que tem o maior centro histórico da Europa e, pelo que andei (e não vi metade) acredito que assim seja. Sevilha e o seu folclore. As procissões, as meninas vestidas de Sevilhanas, os bares recriados como tradicionais para os turistas. A ‘movida’ intensa de sexta e sábado à noite. O flamenco mal cantado nas esplanadas, os turistas americanos, as mil e uma tapas e montaditos, as cañas frescas, o tinto de verano con blanca, uma exposição de ‘Genesis’ de Sebastião Salgado no meio de uma praça. A catedral, o alcazar, o pátio Banderas onde fica uma parte da UIMP, a Plaza Carmen Benitez, onde fica o hotel onde dormimos. Já não me lembrava que Sevilha fervilha e não é (só) do calor que falo.

[Read more…]

Postal de Sevilla #2

11390213_10207132783384235_8424241429739103166_n

Se esta rua fosse a minha…

O postal de hoje é curto. Não tenho energia para mais. Estou acordada há 19 horas depois de ter dormido umas três. Se continuo a viver dois dias num não sei o que vai ser de mim.

O dia foi de trabalho até às cinco da tarde. Um calor abrasador. Três ataques de tosse violentos que me tiraram (ainda mais) as forças. Em parte a culpa foi do ar condicionado, que me seca a garganta, fragilizada nestes dias, mas sem o qual não é possível viver aqui. Não sei com sobrevivem os sevilhanos em Agosto. .. mas imagino que derretam. [Read more…]

Postal de Sevilla #1

(com fotografia de Madrid)
11391195_10207113093692005_4873050739672801722_n

Um avião chamado Pardal…

Um comboio. Um táxi. Um avião. Um comboio. Outro comboio. Sevilha finalmente, 10 horas depois de ter saído de casa. Não me canso de dizer que é sempre tudo tão complicado, chegar de Aveiro a qualquer parte, que não entendo por que raio hei-de viver eu ali ou (mais frequentemente) por que raio não foi ainda inventado o teletransporte. 10 horas é imenso tempo. E mal aproveitado, neste caso, sempre entre meios de transporte. Sem sossego.

Agora mesmo devia estar a dormir. Daqui a 4 horas e pouco tenho de me levantar. Mas nada. Nem ponta de sono. Cheguei a Sevilha era meia noite e dez. Exatamente à hora prevista. 12 anos sobre a primeira -e até hoje, única – vez. Há 12 anos era Agosto. Sevilha estava um forno insuportável. Viemos de carro, depois de Ronda e da Ruta de los Pueblos Blancos – bem bonitas. Lembro-me do calor que fazia (muito mais que hoje), do N. ter ido comprar água enquanto eu fiquei sentada à sombra (como se adiantasse). Um homem sentou-se ao meu lado e disse banalidades antes de me perguntar se eu era italiana.Disse-lhe que não, no mesmo instante em que o homem que me importava chegou com a água. O outro desinteressou-se, naturalmente e foi pousar noutro banco qualquer. Talvez tenha conhecido uma italiana. [Read more…]