Postal de Sevilla #4…

… … que não é um postal de Sevilha

Tal como o anterior, este postal vai escrito a partir de Aveiro. Não é um postal de Sevilha porque não foi escrito em Sevilha e porque as fotos não são de Sevilha (mas espero que, pelo menos, sejam de Espanha, o que é difícil de dizer ao certo a não sei quantos pés de altitude, a bordo de um avião minúsculo, desta vez chamado Gaio).
Não gosto particularmente de andar de avião, já vos disse de outras vezes. Menos ainda de andar em aviões minúsculos mesmo que tenham nomes de pássaros simpáticos. Também não gosto de viajar à janela, ao contrário, penso, da maioria das pessoas. Não aprecio a vista porque, mais a mais, tenho vertigens e fico enjoada quando olho para baixo e vejo os minúsculos pontinhos das casas, ou as grandes serras transformadas em colinazinhas sem qualquer importância ou os grandes rios transformados em pequenos risquinhos azuis. De qualquer modo reconheço que, dali de cima, tudo o que se vê abaixo parece desenhado perfeita e rigorosamente. Como num mapa. E eu gosto de mapas. E desta vez, a bordo do Gaio, atrevo-me até a tirar umas fotografias.

[Read more…]

Postal de Sevilla #3

Que nunca seja ‘la azquena’

Este slideshow necessita de JavaScript.

este postal e o próximo são escritos já de Aveiro, ainda que neste as fotografias sejam de Sevilha ou dos seus arredores. Foram 4 dias cheios para mim, ainda que só dois os tenha de facto passado em Sevilha. Dois dias inteiros, três noites e uma manhã. Dias de dormir, exceto hoje que dormi mais, entre três a cinco horas. Dias que foram dois num só. Na verdade dias de estar acordada quase 20h. Trabalhar entre 7 a 10 horas e ir ‘de copas’ a seguir. Querer fazer muita coisa em pouco tempo. Querer estar com os colegas que também são, alguns, amigos e, todos, pessoas de que gosto. Aproveitar bem o tempo. Trabalhar, mas também rir muito, brincar, falar de política, levantar o punho cada vez que uma máquina fotográfica nos observa.

Do dia antes de ontem escrevi já um postal, sem fotografias. Sevilha é uma cidade magnífica. Dizem-me que tem o maior centro histórico da Europa e, pelo que andei (e não vi metade) acredito que assim seja. Sevilha e o seu folclore. As procissões, as meninas vestidas de Sevilhanas, os bares recriados como tradicionais para os turistas. A ‘movida’ intensa de sexta e sábado à noite. O flamenco mal cantado nas esplanadas, os turistas americanos, as mil e uma tapas e montaditos, as cañas frescas, o tinto de verano con blanca, uma exposição de ‘Genesis’ de Sebastião Salgado no meio de uma praça. A catedral, o alcazar, o pátio Banderas onde fica uma parte da UIMP, a Plaza Carmen Benitez, onde fica o hotel onde dormimos. Já não me lembrava que Sevilha fervilha e não é (só) do calor que falo.

[Read more…]

Postal de Sevilla #2

11390213_10207132783384235_8424241429739103166_n

Se esta rua fosse a minha…

O postal de hoje é curto. Não tenho energia para mais. Estou acordada há 19 horas depois de ter dormido umas três. Se continuo a viver dois dias num não sei o que vai ser de mim.

O dia foi de trabalho até às cinco da tarde. Um calor abrasador. Três ataques de tosse violentos que me tiraram (ainda mais) as forças. Em parte a culpa foi do ar condicionado, que me seca a garganta, fragilizada nestes dias, mas sem o qual não é possível viver aqui. Não sei com sobrevivem os sevilhanos em Agosto. .. mas imagino que derretam. [Read more…]

Postal de Sevilla #1

(com fotografia de Madrid)
11391195_10207113093692005_4873050739672801722_n

Um avião chamado Pardal…

Um comboio. Um táxi. Um avião. Um comboio. Outro comboio. Sevilha finalmente, 10 horas depois de ter saído de casa. Não me canso de dizer que é sempre tudo tão complicado, chegar de Aveiro a qualquer parte, que não entendo por que raio hei-de viver eu ali ou (mais frequentemente) por que raio não foi ainda inventado o teletransporte. 10 horas é imenso tempo. E mal aproveitado, neste caso, sempre entre meios de transporte. Sem sossego.

Agora mesmo devia estar a dormir. Daqui a 4 horas e pouco tenho de me levantar. Mas nada. Nem ponta de sono. Cheguei a Sevilha era meia noite e dez. Exatamente à hora prevista. 12 anos sobre a primeira -e até hoje, única – vez. Há 12 anos era Agosto. Sevilha estava um forno insuportável. Viemos de carro, depois de Ronda e da Ruta de los Pueblos Blancos – bem bonitas. Lembro-me do calor que fazia (muito mais que hoje), do N. ter ido comprar água enquanto eu fiquei sentada à sombra (como se adiantasse). Um homem sentou-se ao meu lado e disse banalidades antes de me perguntar se eu era italiana.Disse-lhe que não, no mesmo instante em que o homem que me importava chegou com a água. O outro desinteressou-se, naturalmente e foi pousar noutro banco qualquer. Talvez tenha conhecido uma italiana. [Read more…]

Como vingar a inquisição

Mais uma vez 6 milhões rezam contra o esconjuro de um treinador judeu. Bem feito.

O meu amor é andaluz

bela gutman

contou-me de si o meu amor, andaluza de certeza e talvez vinda de cigana, sorri, olha para mim galego sabido e judeu algures, devolvi; tem o meu amor de ser ibérico, que te amo tanto?

não era forçoso, podias ser prussiana, das bretanhas, até mesmo de castela, a ocupadora, mas ainda bem que sim, o meu amor é árabe donde portugueses filhos somos mais que dos germanos,  podia ser negra, do leste, o meu amor é de onde venha e assim te amo, para onde vás, assim te sigo.

mas andaluz, e gitana ou judia, prefiro, sem embaraços, facilita.

de qualquer forma e agora e hoje concretizando, que perca o clube do bairro de benfica da cidade de lisboa, onde se me juntaram as letras formando as palavras ódio e a mais selvagem arrogância, assim mas ensinaram de pequenino, assumo, feitas as contas (que na caminhada todos os pontos a todos ajudam) e um dia não são dias, hoje sou, com o meu amor: Sevilha.

 

Jackson Martinez, avançado do FC Porto, realçou o fato

rec

© Lusa (http://bit.ly/OijEVZ)

Ontem, ao chegar de Alkmaar, onde saboreei deliciosa e gloriosa vitória, fiquei a saber, através do jornal A Bola, que Jackson Martinez tinha realçado o fato.

abola

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

Liberdade para a Macarena

 A revista «Mongolia», “revista satírica sin mensaje alguno”, conforme a definem os seus autores, nasceu em Espanha há quase um ano e ainda não tinha provocado grandes polémicas, coisa que não se perdoa a uma revista satírica. [Read more…]

Marinaleda

Marinaleda, uma cidade a 100km de Sevilha, vive muito próxima do socialismo. Neste município com 2800 habitantes, há uma situação de pleno emprego. Por uma casa as pessoas pagam 15eur/mês e para ter os seus filhos na Creche, 12eur/mês.

Reportagem para a SIC de Pedro Miguel Costa com imagem de Filipe Ferreira, via 420doc.

a marcha dos jornaleiros

 Foto: La Opinión

Quando Miguel Hernández, que haveria de morrer, aos 31 anos, numa prisão franquista, escreveu “Andaluces de Jaén”, elevou a símbolo de um povo esses homens e mulheres, “aceituneros altivos”, cujas vidas eram uma sucessão de trabalhos e penas para não mais do que um pouco de pão e um humilde abrigo.

Na Espanha dos “señoritos”, que o romancista Miguel Delibes retratou impiedosamente, os camponeses estavam à total mercê dos seus senhores, e se a um señorito, numa tarde de calor entediante, lhe apetecesse espancar um camponês, ou toureá-lo, ou cuspir-lhe no rosto, ou esbofeteá-lo perante os seus filhos e netos, nada nem ninguém o impediriam.

Nada que se compare com os dias de hoje, dirão, mas quando vejo a marcha dos jornaleiros – os trabalhadores agrícolas sem terras, que trabalham a troco de uma remuneração diária, e que ganham em média 6 a 7 euros por hora de trabalho – ocorre-me que não há muita diferença entre os azeitoneiros altivos de Miguel Hernández e estes homens e mulheres que avançam pela estrada que une Utrera a Sevilha, onde o sol queima mais do que em qualquer outra terra de Espanha,  que fazem ondear bandeiras da Andaluzia, da República e do Che, e vão tomando, sem violência e por poucos minutos, sucursais de bancos, gritando, de cada vez que avistam uma: “Aquí está la cueva de Ali Babá”. [Read more…]

Foi um Sofrimento, mas o Que Fica para a História é a Passagem aos Oitavos de Final

Depois de um começo calmo e cauteloso, o Sevilha fez o FCPorto passar por muitos maus bocados, sofrendo a bom sofrer até ao final.
Numa situação normal, a bola à trave e os muitos remates que o guarda-redes defendeu brilhantemente, teriam sido transformados em golo.
Numa situação normal, Hulk teria brilhado mais do que o fez esta tarde/noite.
Numa situação normal, Álvaro Pereira não teria sido expulso, com vermelho directo, logo após ficarmos a perder por um a zero, com golo de Fabiano (ex-jogador do Porto).
Perdemos o jogo, é certo, mas ganhamos a eliminatória, e isso é que, no final, conta. Com este resultado, seguimos em frente.
Esta é a terceira derrota da época, e o nosso próximo adversário será o CSKA de Moscovo, já no próximo mês de Março.
A nona vitória está a dois jogos de distância, podendo até chegar à décima, o que seria mais um record deste FCPorto e de Villas-Boas.

Factual

Sob o lema “El periodismo no se vende, se compra” um conjunto de jornalistas vizinhos lançaram o projecto “Factual“, um trabalho que invejo: como eu gostava de estar envolvido num projecto assim! De uma qualidade impressionante, a todos os níveis. Descobri-o através do blogue de Miguel Carvalho, ESTE, e fiquei viciado.

suscribe_234X90

A não perder esta pérola – (Sevilla la Puta): Si te sobran cinco millones de euros, puedes hacer que cierren una ciudad de un millón de habitantes para que te des los garbeos que quieras. Eso es lo que se dice que ha pagado la productora de la película Knight and day (bonito juego de palabras, no digas que no) a la ciudad de Sevilla…(para ler o resto basta clicar AQUI).