Há tantas razões para gostar de Espanha

Hoje pode ser porque o Júri do Prémio Príncipe de Astúrias decidiu premiar Philip Roth. Diz o Júri sobre o romancista norte-americano:  “Personagens, factos e argumentos compõem uma complexa visão da realidade contemporânea que se debate entre a razão e os sentimentos, como o signo dos tempos e o desassossego do presente. Possui uma qualidade literária que se reflecte numa escrita fluida e incisiva”.

Depois do clamoroso erro de casting da Academia sueca, que, trocou o Nobel da Literatura que cabia a Roth por um da Paz para um seu conterrâneo, a Fundação Príncipe das Astúrias escolhe uma vez mais um premiado maior do que o prémio  e faz alguma justiça a este romancista.

Se ainda não leram, aproveitem o pretexto. Humor feroz, inquietação, sexo, cinismo e lucidez, e momentos líricos arrancados literalmente da merda, como na magnífica passagem do seu tributo à memória do pai, Património, na tradução de Fernanda Pinto Rodrigues: [Read more…]

Leonard Cohen, princípe nas Astúrias

um poeta que é músico ou um músico que é poeta

por quem me alegro