Parabéns ao Aventar

Ricardo Lima, O Insurgente

 

Estamos prestes a fazer vinte anos desde que Evan Williams, um jovem empreendedor do Nebraska, cunhou o verbo “to blog”, nos tempos da sua Pyra Labs. A sua plataforma “Blogger”, que pretendia democratizar o weblog, haveria de ser comprada pela Google. Williams não parou. Foi pioneiro dos podcasts e com os recursos deste projecto, que fracassou, funda o Twitter para, segundo quem o conhecia, provar que não era apenas um homem de uma única ideia. Expulso da empresa que ajuda a criar, dá outra cambalhota para criar o cada vez mais popular Medium.

Decidi começar com o percurso de Evan Williams, pois este está intrinsecamente ligado à forma como nos expressamos na internet e à evolução constante dessa expressão. Morremos. Talvez o Medium ou qualquer plataforma do estilo nos dê seguimento, mas os longos textos através dos quais por anos sucessivos nos guerreamos foram sucedidos por threads de 140 caracteres e lives de instagram. O anonimato – e a imaginação necessária – com que convivemos metamorfoseou-se em rostos e em vozes, se bem que alguma convivência pacata de tempos mais moderados também se transfigurou em ódios em que já não discutimos senão caricaturas uns dos outros.
Eu tinha vinte anos e uma certeza inabalável de que tudo sabia do mundo quando, desterrado como tantos dos 90, num Fevereiro desta vida, me estreei n’O Insurgente. Tive sorte, apanhei a era dourada da blogosfera. Entrei de stick em campo, como manda a vizinhança com o saudoso Ramaldense. Passei, obviamente, a ser alvo do Aventar e a fazer do Aventar o meu alvo. Dificilmente teria sequer sido competição interna de visualizações nos primeiros tempos de um jovem de seu nome Carlos Guimarães Pinto, não fossem as citações. Ora o António Nabais me recebia à paulada, ora o finado João José Cardoso, com quem tantos belos debates travei, me elogiava, ora a coisa de invertia, ora era uma guerrilha de blogs que durava semanas, ora concordávamos todos, especialmente nos tempos mais funestos do governo Passos, alvo predilecto da carreira de tiro da blogosfera.
Em retrospectiva e para o que o convívio nas redes se viria a tornar, as nossas batalhas não eram mais que tertúlias assíncronas, regadas de bom humor e etiqueta. É inusitado estar nostálgico aos trinta. Fazer-me de velhinho antes de deixar as saias da mão e explicar à juventude, à outra, como é que as coisas se processavam numa altura em que um comentário era mais longo que um tweet e as conversas tinham fontes e referências e bibliografia densa e eu não conseguia responder ao bom velho Nabais com gifs, quando ele me massacrava tardes inteiras, pois não havia gifs, nem desenhos, nem tags nem coisa nenhuma. Não tive, no entanto, de tudo. Não cheguei a apanhar as jantaradas de bloggers nem a copofonia que só a política abrilhanta. Por isso, ao parabenizar estes veteranos que muita companhia me fizeram, não deixo de lançar o convite pós-pandémico, para que se brindem a tempos melhores.

O que é um pandêgo?

É parecido com um pândego, mas com dificuldades em acentuar. Para além disso, trata-se de alguém que, provavelmente, acredita que São Francisco de Assis é igual a Torquemada porque são ambos católicos.