De Má Memória

Francisco José Viegas (2.º a contar da direita), com oito anos, deixa o Pocinho (Linha do Douro) em direcção a Chaves. De comboio, claro.
Anos mais tarde, num livro chamado “Comboios portugueses – um guia sentimental” haveria de dedicar ao avô alguns parágrafos, sobre o Douro, sobre o Vale do Tua, que importaria sempre, sempre preservar. Mais tarde, reforçaria nas páginas da Ler a mesma imperiosa obrigação. A seguir comete “o erro de aceitar um cargo político” e é feito Secretário de Estado da Cultura, pasta esta com responsabilidades indesmentíveis na protecção e classificação do vale e da Linha do Tua como  património nacional. Nada fez, que nada podia fazer. O que tinha a fazer nesse momento, caso fosse um escritor com apreço pela palavra escrita, era única e simplesmente abdicar do cargo por manifesta falta de força política para fazer cumprir.
Para mim, Francisco José Viegas é o pior exemplo do que pode ser feito a homem das Letras.

A indelével marca de Francisco José Viegas na Cultura no momento da saída do Governo


Na sua passagem pelo Governo, que agora termina, Francisco José Viegas tem isto para apresentar: a destruição definitiva do Vale do Tua, das suas paisagens e da sua linha férrea.
É assim que passará à História como Secretário de Estado da Cultura, é dessa forma que todos o lembraremos. Como um terrorista cultural e ambiental do nosso país, a exemplo de Gabriela Canavilhas e de outros que os antecederam.