A Segurança Social, a Cruz Vermelha e o Centro Infantil de Valbom (II)

civ4
Ainda a propósito deste post.
Não gosto deste Governo, abomino a sua política, mas a verdade, quando existe, também é para se dizer. No mesmo dia em que enviei o mail a denunciar a situação, recebi uma resposta de Ana Venâncio, assessora do director do Centro Distrital do Porto da Segurança Social, Sampaio Pimentel, reencaminhando o caso e pedindo celeridade na sua resolução a quem de direito. Resposta pronta e eficaz como se impõe quando estão em causa os legítimos interesses de um contribuinte. Nesse mesmo dia, quando cheguei ao Centro Infantil de Valbom para recolher as minhas crianças, lá estava um aloquete a impedir a entrada de automóveis no átrio da instituição, acabando com a insegurança dos seus utentes.
Infelizmente, foi «sol de pouca dura». A Cruz Vermelha, tomando-nos a todos por imbecis, decidiu logo no dia seguinte deixar o aloquete apenas pousado em cima da corrente de ferro em causa, permitindo assim que qualquer um a abra e entre com o seu automóvel no espaço que devia ser sagrado para as crianças. Foi assim, por exemplo, que uma carrinha da própria Cruz Vermelha violou a corrente e entrou para o átrio do CIV. Do seu interior, saiu uma senhora perfeitamente saudável que – supõe-se – tinha medo de mexer o cu por uns míseros 10 metros – a distância entre o parque de estacionamento e a porta da instituição.
Como é óbvio, pedi de novo o Livro de Reclamações e informei a Segurança Social do sucedido.

P. S. – As fotografias que ilustram este post são do Parque Infantil do Centro Infantil de Valbom. Um espaço com uns 10 mil metros quadrados de extensão. Um verdadeiro luxo quando comparado com aqueles infantários de prédio que nem espaço exterior têm.
Desde que a Cruz Vermelha passou a gerir a instituição, as crianças deixaram de poder frequentar o Parque Infantil. [Read more…]

PSD e CDS enxameiam Segurança Social com os seus Boys e Girls

Há alguns meses, Pedro Mota Soares, jovem líder parlamentar do CDS, exibia na Assembleia da República um powerpoint que comprovava a instrumentalização e partidarização da Segurança Social pelo PS, então no Governo.
Hoje, Pedro Mota Soares é Ministro da Segurança Social e não tem qualquer powerpoint para mostrar. Mas os factos falam por si.
A nova Presidente do Instituto de Segurança Social, com a saída de Edmundo Martinho, é Mariana Ribeiro Ferreira Costa Cabral, orgulhosa esposa de um descendente de D. Afonso Henriques e filha do jornalista António Ribeiro Ferreira, o tal que queria partir a espinha aos sindicatos e que era um grande admirador dessa «senhora adorável» que se chama arguida Maria de Lurdes Rodrigues. Não tem a experiência necessária para um cargo desta envergadura, apesar de ter passado pela Acção Social na Vereação de Cascais, mas tem o indispensável cartãozinho do CDS-PP, Partido do qual é Vice-Presidente.
Mas há mais. Luís Monteiro, Vogal do Conselho Directivo, foi assessor parlamentar do PSD; Miguel Coelho e Joaquim Caeiro, outros dois vogais, foram assessores parlamentares do CDS.
Nos Centros Distritais da Segurança Social, é o que já sabemos e que há bem pouco tempo foi denunciado pelo PS – Partido que, como se sabe, nunca faz este tipo de coisas. Os Centros de Coimbra, Bragança, Viseu e o Porto, pelo menos, já começaram a infestar a Administração Central com apaniguados seus.
Quanto ao Porto, estamos em presença de um caso deveras interessante. [Read more…]