Governês

Ontem, numa comissão parlamentar, o recém famoso secretário de estado da administração pública, ao ser interpelado sobre a sua conferência de imprensa fantasma e a nova e exótica forma de cortar pensões de reforma que ali anunciou, jurou fidelidade ao líder, baldou-se a responder e rematou com uma latinada que algum assessor lhe ensinou para a ocasião: “Roma locuta, causa finita“. O que, se em latim se pode traduzir como “Roma falou, a questão está encerrada”, em governês significa: “o chefe falou, ’tá falado”.

Esclarecimento

esclarecimento

Secretário de Estado da Administração Pública, José Leite Martins: Senhores jornalistas, anunciem que, depois das eleições de 2015, vamos estrear cortes nas pensões, novinhos em folha. Mas atenção, digam que esta informação vem do Ministério das Finanças.

Passos Coelho: “Ainda não há relatório, só pode ser especulação”.

Luís Marques Guedes: “Porventura a interpretação que alguns órgãos de comunicação fazem de conversas que tiveram com alguns, ou algum, membro do Governo, seguramente é exagerada para não dizer abusiva. Porque uma coisa é fazer-se um ponto de situação dos trabalhos que estão a decorrer, outra é tirar daí conclusões. Isso é um passo exagerado e abusivo

Paulo Portas: “O que aconteceu foi um erro, não devia ter acontecido, o grupo de trabalho não concluiu a sua tarefa, não fez qualquer proposta, não conheço qualquer documento e, não havendo proposta, nem documento, é evidente que o Governo não pode ter feito qualquer avaliação política, muito menos tomado qualquer decisão política”

Esclarecimento: informam-se os portugueses que, até ao dia 25 de Maio, qualquer notícia desagradável sobre o país que está melhor será mera calúnia dos jornalistas. Mais, se algum Secretário de Estado der alguma conferência sobre assuntos que ainda não queremos divulgados, que se saiba que um triunvirato governamental prontamente sairá ao ataque do mensageiro, perdão, em negação da mensagem.  Obrigado.