Quem nos salva destes índios?

Está explicado um dos grandes mistérios da humanidade. Ou pelo menos para 50% da que vive em minha casa, que a minha mulher tem mais que fazer que aturar as minhas parvoíces.

Até hoje, pelo menos para mim, o porquê do genocídio dos povos nativos americanos, que viviam nos territórios posteriormente ocupados por gentis colonos europeus, era uma grande incógnita. Não conseguia assimilar que gente tão decente, humana e altruísta pudesse maltratar, desalojar e matar indiscriminadamente milhões. Mas hoje, após aquela que é já a descoberta do ano, I can see clearly, apesar da chuva lá fora. Agora sim, tudo faz sentido. [Read more…]

Celofane

Karp Lykov e a sua filha Agafia, vestidos com as roupas oferecidas pelos membros da expedição de geólogos.

Karp Lykov e a sua filha Agafia, vestidos com as roupas oferecidas pelos membros da expedição.

 

A família Lykov, descoberta por uma expedição de geológos, em 1978, vivia na taiga siberiana há quatro décadas, sem nada saber do mundo, sem avistar qualquer outro ser humano que não um dos seis membros da família, sem paredes de tijolo, sem telhado que repelisse a chuva, sem electricidade, sem canalizações, sem sapatos dignos desse nome, sem cobertores, sem panelas, sem médicos, sem escola, sem notícias do mundo, sempre em risco de morrer de fome ou de qualquer doença que a medicina há muito houvesse domesticado. Viviam numa espécie de bolha, suspensa do tempo, isolada no espaço, uma vida de agruras ancestrais. [Read more…]

Guiné – Irkutsk

  (adão cruz)

Não chovia, mas o céu ameaçava desfazer-se em água. Era plúmbeo, presumivelmente a oeste, e carregado de negro do lado oposto. Uma faixa mais clara nascia por cima de Irkutsk e desfibrava-se ao longo do rio Angorá. Mais parecia um quadro de Fiódor Vasiliev ou de Ivan Aivasovsky. [Read more…]