Dia de Panteão

panteao-nacional_lisboa
Cumpra-se a vontade popular e a unanimidade parlamentar.

O fascismo era isto

Tenho um amigo, oficial reformado do exército, que tem passado os últimos tempos a procurar e a trazer para casa os restos mortais dos militares que morreram em África.

 

Ainda se lembra dos sítios onde estão enterrados, e aí vai ele com outros camaradas militares e cientistas e com o apoio da Liga dos Combatentes, para a Guiné, que no caso dele, é o país que conhece melhor e onde combateu.

 

Já voltaram perto de uma dezena e há uma equipa neste momento no terreno, com sepulturas identificadas. Mais de 5700 militares estão ainda sepultados em vários países da Europa e África.

 

Hoje, no Público, vem o testemunho emocionado de um filho que não conheceu  o pai por este ter morrido  em Angola. Durante uma grande parte da sua vida lutou para trazer o corpo do pai para a terra natal, o que conseguiu porque conheceu camaradas do seu pai, da mesma companhia, e que lhe deram indicações precisas do local da sepultura.

 

Tem condições monetárias para dar paz à memória do seu pai e a si mesmo, mas a maioria das famílias não têm condições para fazer o mesmo. A besta fascista que enviava os jovens de vinte anos para a guerra, roubando-os às mães, muitas vezes sem sequer lhes ter proporcionado uma vida digna, enviá-los à escola, deixava-os aprodecer quando morriam a defender uma Pátria que não os merecia.

 

O Estado fascista, não pagava a trasladação dos corpos dos jovens militares mortos. O Estado democrático, 34 anos depois, serve-se da boa vontade dos familiares e amigos para os sepultar em paz!

 

Coitado de quem é pobre!