Dia de Panteão

panteao-nacional_lisboa
Cumpra-se a vontade popular e a unanimidade parlamentar.

“Trânsito para em Lisboa esta sexta-feira à tarde para deixar passar Eusébio”?

Não. “Trânsito pára em Lisboa esta sexta-feira à tarde para deixar passar Eusébio”. Felizmente, o Público não se mete nessas coisas.

Aos meus amigos Benfiquistas:

Leonel Brás

sclmOntem tive um final de noite fantástico.
Duma vez por todas, vi esclarecido o mistério do ROUBO do Eusébio para o clube da Luz.
Numa mesa de café, com mais 4 amigos, todos benfiquistas (é raro eu ser o único, mas às vezes acontece; ontem, fiquei feliz), veio o tema do campeonato deste ano ser ou não disputado de forma legal.
Às tantas, foi questionada a guerra SCP/SLB e veio logo o tema Eusébio. É claro que dois dos meus amigos, ferrenhos benfiquistas, refutaram logo e disseram que ele veio sempre apontado ao SLB.
Pois bem, um dos outros dois, Homem dos seus setenta e tal, serenamente voltou-se para um deles, e disse.
– Meu amigo Mor****, sabe bem que isso NÃO é verdade!
Afinei logo as orelhas, claro.
Continuou: essa ‘estória’ vivia-a eu na PRIMEIRA pessoa, como o amigo sabe! Custa-me, mas o Eusébio era do SCLM, onde JOGAVA COMIGO! Foi indicado pelo SCLM para o SCP e paga a sua viagem. X, tratou de tudo (por sinal, um familiar do mesmo contador). O que aconteceu a seguir, foi que o Eusébio foi levado ao indivíduo da Agencia de Viagens, meu amigo, para se encarregar da viagem até Lisboa. [Read more…]

Exactamente: Eusébio

eusebio-benfica-ac-milan

«Benfica inside-left Eusebio da Silva Ferreira takes a flying kick to score the first goal of the match 18 minutes into the European Cup final against AC Milan at Wembley, 22nd May 1963. Milan won the match 2-1» (Foto via contra.gr)

Eusébio

Que mil Eusébios floresçam

José Xavier Ezequiel

pantera_eusebio

Desde a morte da senhora-dona-Amália que não se assistia a tamanha comoção pública. Feitas as exéquias, espero conseguir perorar sobre o assunto sem correr o risco de ser liminarmente linchado.

1 — O NOME.
Eusébio sempre foi Eusébio (vá lá, Inzébio para alguns disléxicos como Jorge Jesus). De repente, políticos venerandos, jornalistas atenciosos e comentadores desportivos despachados, desataram a chamá-lo Eusébio da Silva Ferreira. Talvez pensem, naquelas cabecinhas oportunistas, que o enormizam. Antes pelo contrário — apenas é conhecido por um só nome quem é realmente grande (Amália, Camões, Mandela, Maradona, Zappa, Eusébio.)

2 — O COGNOME.
Quando eu era mais pequeno, Eusébio era conhecido por ‘Pantera’. Se alguém pretendia, por uma razão ou por outra, realçar-lhe a cor da pele, chamava-o ‘Pantera Negra’. Por estes dias, gente insuspeita (e até muito republicana), tratava-o por ‘Rei’. Alguns mesmo, puxando galões mais internacionalistas, por ‘King’. Não me parece. Os reis (e os ‘kings’) costumam herdar os títulos. Eusébio nasceu e morreu plebeu. E teve que correr como o caraças para ser quem é.

3— O MITO.
O mítico jogador. O mítico estádio. O mítico jogo. O mítico raio que os parta. Bem sei que os jovens jornalistas, hoje em dia, não devem muitos favores à cultura em geral, quanto mais à clássica (a culpa não é só deles, bem sei). Porém, se têm mesmo necessidade de adjectivar, convinha perceberem que um mito é uma coisa que não existe. Por exemplo, na frase: ‘Cavaco Silva é um homem probo’ — um ‘homem probo’ é um mito. Já Eusébio, tendo existido em carne e osso, nunca pode ser um mito. Suponho que, quando estas criaturas dizem ‘mítico’, quereriam talvez dizer — lendário. Um raio de uma palavra que tem apenas mais uma sílaba. Que diabo, não há-de ser assim tão difícil de soletrar. [Read more…]

Hoje, lembrei-me de Djavan

A que propósito? Já lá vamos.

Através do jornal O Estado de S. Paulo, ficámos a saber que Cavaco Silva se pronunciou acerca de Eusébio, nos seguintes termos: “uma pessoa de qualidades humanas excepcionais“.

Exactamente:

estadao

Curiosamente, sabendo nós aquilo que muito bem sabemos, o presidente da República terá de facto escrito excepcionais e a máquina devoradora de consoantes gerou este ‘excecionais’.

excecionais cavaco

Isto é, só recorrendo a um jornal brasileiro é que podemos ter uma ideia daquilo que o presidente da República Portuguesa efectivamente escreveu.

Sim, sem AO90, em Portugal e no Brasil, escreve-se ‘excepcionais’. Sim, com o AO90, no Brasil escreve-se excepcionais e em Portugal escreve-se excecionais — é um paradoxo, eu sei, mas a culpa não é minha.

***

Agora, Djavan.

Lembrei-me de Djavan, por causa [Read more…]

E depois das homenagens…

O negócio segue o seu rumo. Podia ser um whisky, mas depois a malta dizia que era influência do Soares. Vodka preta esta na moda.

Olimpo simples

vaso grego
“Está bem, eu vou. Mas não te ponhas a armar em Fangio” – respondia, há anos, um aluno meu a um colega que lhe oferecia boleia.

Fiquei surpreendido com a referência. Mais tarde, manifestei ao jovem essa surpresa, perguntando-lhe o que sabia de Juan Manuel Fangio. Que não, que não era nada disso – garantiu-me – é daquelas coisas que se dizem. Na verdade, confessou que nem sabia ao certo se Fangio era uma pessoa. Claro que Fangio não era do seu tempo; a bem dizer, nem era do meu. É, simplesmente, sinónimo universal de rapidez, de boa condução. Quando se diz de alguém que se “arma em Fangio”, está-se simplesmente a enunciar a improbabilidade de o imitador atingir o modelo ideal. No domínio do desporto, isto acontece com alguma frequência. [Read more…]

Eusébio

FBL-POR-LIGA-BENFICA-PORTO

© AFP

Ainda Eusébio e o Panteão

Como se calculará, esta conversa vem a propósito do voto da Assembleia da República, que determina o depósito de Eusébio no Panteão. Contra a qual tenho quatro ou cinco objecções. Por um lado, não me cheira que Eusébio gostasse de se ver naquela companhia. Por outro, ninguém lhe pediu autorização para esse exercício de propaganda dos políticos, que ele talvez não apreciasse. E há mais. Há que Eusébio era um génio da sua profissão e de repente (tirando Garrett e Amália) o rodeiam de uma série de mediocridades, que nunca se distinguiram por terem ajudado a humanidade ou os portugueses. Sim, senhor, Eusébio merece um Panteão. Mas não aquele. Um Panteão no estádio do Benfica, ou perto dali, que as pessoas pudessem visitar sem medo de se irritar ou contaminar. Quanto ao Panteão Nacional, do que ele precisa com urgência é de um “saneamento” sucessivo, que o aproxime um pouco da realidade.

Texto parcial do  artigo de hoje de Vasco Pulido Valente (actual cronista no Público e um dos melhores Secretários de Estado da Cultura do pós 25 de Abril).

3 milhões e 600 mil segundos

Em silêncio!

Eusébio

nos Jerónimos?

Afinal, onde estava Sócrates a 23 de Julho de 1966?

Não sei, nem tenho nada a ver com isso. Aquilo que impressiona nesta notícia é a descontracção daqueles que grafam seleção em vez de selecção e Julho em vez de julho e, numa demonstração de segurança ortográfica à prova de bala, adoptam *contatando. Sim, *contatando, evidentemente — a variação sobre um tema conhecido continua e, aparentemente, veio para ficar. Claro, claro, o AO90 está a ser aplicado e, ainda por cima, “sem problemas de maior“. Sim, pois, claro.

sócrates

Pinto da Costa morreu

Calma. Este não é um post sobre nenhum habitante do Oceanário.

Não é também a expressão de um desejo benfiquista – sou sócio do Sport Lisboa e Benfica mas a mensagem de Eusébio é para mim algo com significado muito real. Corro riscos com este título, até porque os meus amigos azuis do Aventar lidam menos bem com a divergência clubística, o que me surpreende sempre muito. Nem que fosse por compaixão pelas minhas derrotas (ao minuto 92) bem mais frequentes que as deles, poderiam tolerar melhor as minhas bocas, mas voltemos ao rumo da escrita.

Orgulho-me do património Luso que retirou das práticas políticas e judiciais a pena de morte e, até como católico, jamais poderia desejar a morte de alguém.

O título do post é apenas um instrumento de provocação.

A pergunta ” E quando o Pinto da Costa morrer?” esteve presente nas conversas a propósito da morte do Eusébio. E, do que me apercebi, a referência era feita em torno de duas ideias: a cobertura mediática e o Panteão. [Read more…]

Cavaco no Panteão, já? (II)

Sim sim. Podem enterrá-lo já. Vivo de preferência, para não termos de levar com elogios fúnebres.

Eusébio, Sócrates e as autárquicas

far_west__cowboys__by_dibuganya-d5fjq9p

Confesso que a polémica sobre o que José Sócrates disse na RTP me estava a passar ao lado. Não vi o programa e o que vi nas redes não foi suficiente para me despertar a curiosidade. No caso de José Sócrates atingiu-se um ponto tal que mais parece uma discussão Porto-Benfica. A racionalidade da coisa perdeu-se pelo caminho.

Porém, agora mesmo, nas redes sociais, dei de caras com um post do Domingos Amaral. Fiquei a pensar. Esta história, aparentemente desmontada pelo autor, fez-me recuar ao período eleitoral autárquico de 2013 e o que se passou nas redes sociais. Para não ser acusado de exagero direi que em todos os distritos (desconfiando que foi mesmo em todos os concelhos) existiam páginas de facebook falsas e blogues anónimos de campanhas negras. Recordo o caso do Porto com o famoso “menezolândia” ou o “libertem o JN”. Aliás, Luís Filipe Menezes foi, provavelmente, o candidato autárquico mais atingido por este tipo de campanhas a nível nacional. Eram plantadas frases retiradas do seu contexto, criadas novelas  e facilmente a mentira era transformada na mais pura das verdades e convenientemente espalhada por profissionais e por incautos ingénuos.

Perguntam, como se combate semelhante? Nesta era em que a força das redes sociais e em especial do facebook atingiu, em Portugal, semelhante grau de importância/audiência torna-se quase impossível.

A melhor forma de combater a manipulação, como escrevi num outro blogue sobre outro caso/tema conexo, é não a ignorar e procurar não ser ignorante. Ou seja, a melhor forma de a combater passa pela procura da informação, do conhecimento. A ignorância é a melhor arma da manipulação. A comunicação política sempre assentou na tentativa da manipulação. Umas vezes tragicamente negativa, outras francamente positiva e sempre, mesmo sempre, fruto da falta de informação do receptor.

Ora, o texto de Domingos Amaral é disso um bom exemplo. Era tão simples saber que nesses anos os estudantes tinham aulas ao sábado. Era tão simples primeiro procurar a informação e só depois comentar. Mas não. A lógica nas redes sociais é primeiro atirar e perguntar depois. Como no velho oeste.

Como escrevi noutro post, sobre um outro caso de aparente manipulação nas redes: “A comunicação está a mudar, habituem-se”. O problema é que a malta não se quer habituar e prefere continuar a nadar na ignorância. É Portugal no seu melhor…

Eusébio é de Todos

eusebio-angola-mocambiqueDe Moçambique, de Angola, de Portugal, do Benfica.
Cachecóis do Porto e do Sporting é que não. (© FB)

Príncipes de Portugal, suas grandezas e misérias *

Nos últimos dias, por motivo da morte de Eusébio, falou-se muito no Panteão Nacional. A Presidente da Assembleia da República, vários partidos (PS, PSD, CDS, principalmente), vários políticos, o presidente do S. L. Benfica, etc.

Todos estes intervenientes no sentido de serem transladados para o Panteão Nacional os restos mortais de Eusébio.

A comunicação social, na generalidade, deu grande destaque ao tema. Mas deu-me a impressão de que a maioria das pessoas que falou sobre o assunto não sabe o que é isso do Panteão Nacional. E ainda a qual deles se estava a referir. Confusos? A questão é simples. O Panteão Nacional, seja ele o da Igreja de Santa Engrácia, Lisboa, seja ele o do Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra, não é um monumento, é um estatuto, uma função. Em 1916, essa função foi atribuída à Igreja de Santa Engrácia, em Lisboa. E  aí estão os restos mortais de escritores e ex-presidentes da República. As excepções são Amália Rodrigues e Humberto Delgado. Por outro lado, em 2003, foi atribuído ao Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra o mesmo estatuto/função, o de Panteão Nacional. Esta decisão foi fundamentada pelo facto de aí estarem sepultados D. Afonso Henriques** e D. Sancho I. Outros monumentos há, que também poderiam ter essa função/estatuto. Por exemplo o Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa, onde estão os restos mortais de Luís de Camões, de Vasco da Gama ou de Fernando Pessoa.

Quanto à eventual trasladação de Eusébio, e estando uma discussão em aberto, a questão deve ser muito bem ponderada, com a razão e não com o coração. Eusébio foi e será um dos maiores futebolistas de sempre? Sem dúvida! Esse estatuto foi obtido com a camisola da selecção nacional? Não me parece, apesar do Mundial de 66. Foi com a camisola do Benfica que Eusébio se mais notabilizou em todo o lado. E isto não é coisa pouca. O Benfica teve, na altura, uma das melhores equipas do mundo, e em alguns períodos foi mesmo a melhor equipa do mundo!

Mas na altura Portugal era outro país, que felizmente acabou e ao qual não quero regressar.

Se eu fosse adepto do Benfica quereria que ele fosse sepultado no Estádio da Luz.

 

*Título de um livro de Aquilino Ribeiro (também ele está no Panteão Nacional,Santa Engrácia, com alguma polémica à mistura), cuja leitura recomendo.

**Não há a certeza. Relembro que a investigação prevista sobre esta matéria foi proibida, isto é, não foi autorizada a abertura do túmulo e consequente análise ao seu interior por partes de investigadores da Universidade de Coimbra. Episódio onde pontuaram, entre outros, pela negativa, José Sócrates, 1º Ministro, Isabel Pires de Lima, Ministra da Cultura, Elíso Sumavielle, Director-Geral. Todos de triste memória para a nossa Cultura e para nosso Património Cultural.

Para o ano há mais


Empreendedorismo funerário.

“Bombeiro”

Palavra do ano 2013

Idiossincrasias de um regime

A República grita por um rei, nem que seja da bola.

E mais não digo!

Segundo um estudo de 1998, beber whisky ajuda a prevenir doenças coronárias. Mai nada!

Também não é preciso exagerar

eusebio
Só falta dizer que Eusébio foi um preso político do salazarismo…

Dos Heróis Nacionais

morte-de-eusebio
Sem outros comentários. (© ?)

A glorificação do passado entre a direita portuguesa

beber vinho

Mário Soares disse o óbvio: Eusébio foi mais um analfabeto num país de analfabetos e bebia uns copos onde Salazar ordenara que se bebesse vinho para dar de comer a um milhão de portuguesas. Nada que o desonre ou lhe apague os golos e as fintas, lhe ofusque a excepcional inteligência que demonstrava onde sabia, no campo; assim viveu, foi um homem do seu tempo.

A direita berra, histérica. Mentir, e aquela hipocrisia avulsa de fazer dos mortos uns heróis como nos romances,  está-lhe na alma. Esquecer a verdade desse tempo, também. Isso e o ódio a Mário Soares que, suprema ironia, acaba os seus dias como o último símbolo de Abril que obcecadamente querem enxofrar, ele que foi muito mais de Novembro. O mundo é um lugar estranho, onde se dão muitas voltas mas a direita é sempre a mesma.

Apelo

mario-soares

Os familiares e amigos deste idoso senil, devem evitar que o cidadão, outrora com responsabilidades na condução dos destinos do rectângulo. perca a escassa dignidade que lhe resta, mantendo o senhor afastado das câmaras. Não é bonito ver alguém exposto a tamanho rídiculo. Ainda há quem perca tempo a ler artigos de opinião ou pretenda ver lucidez nas suas patéticas tomadas de posições políticas.

A lição do Eusébio

Ainda sou do tempo em que vi jogar o Eusébio, essa ruptura geracional que ontem dividiu a pátria. Uns viram, outros não, e quem não viu não percebe, olham para o homem como se fosse um Ronaldo em versão cota, no tempo em que o futebol era fácil e não prestava para nada.
1966-portugal-x-coréia-do-norte

Nessas duas ou três vezes a Académica perdeu, o que somado ao enxovalho na escola em Benfica, conimbricense exilado e isolado perante a turba de alfacinhas,  não são exactamente boas recordações. Mas a esses jogos, semente do meu anti-benfiquismo primário, não tinha ido só pelo meu clube numa das suas três visitas anuais mas também para ver jogar o Eusébio, esta parte toda a gente percebe, o Futre e o Figo também conseguiram que os putos os quisessem ver jogar mais do que uma vez por ano na televisão, em diferido.

Porque antes há o jogo da Coreia. Tinha seis anos, é o primeiro jogo que me lembro de ver, o nosso primeiro campeonato do mundo, o único com Eusébio.

O jogo da Coreia ensinou-me umas coisas. [Read more…]

Talvez este vídeo ajude a explicar quem era Eusébio

A meia-final

eusebio 1966
Eusébio abandona o estádio após Portugal ser eliminado pela Inglaterra nas meias-finais do Mundial de 1966.

%d bloggers like this: