Pelos Vales Durienses Ameaçados

Celebração do 1º de Dezembro (5ª-feira, feriado) – 
14h00 – Grande Auditório do Centro Cultural de Mirandela
O RENASCER DO PODER LOCAL (com Homenagem ao Autarca José Silvano)
(org. IDP e COAGRET)
14h30- 15h40 – As Causas do Poder Local
15h40 -16h00 – Perspectivas do Poder Local
16h00-16h15 – Um Testemunho: José Silvano (CM Mrd)
16h15-16h30 – D. Duarte de Bragança – O 1 de Dezembro e o Poder Local
16h30: Manifestação de velas pelo comboio em Trás-os-Montes, contra a barragem de Foz Tua (coord. MCLTua) percurso: Centro Cultural – Estação de Caminhos de Ferro de Mirandela, dia 2 (6ª-feira) – canoraft* no rio Sabor (Sto. Antão – Cilhades) c/ a MAPAventura e visita a moinho activo (Paradela, com A Pantorra)
dia 3 (sábado) – rafting* no rio Tua (Sobreira – S.Lourenço – Foz) c/ a BastoRadical e jantar em Foz Tua
dia 4 (domingo) – percurso na Linha do Corgo (com o MCLCorgo) e concentração na Estação de Caminhos de Ferro da Régua
* inscrições obrigatórias (c/ pagamento antecipado):
coagret.pt@gmail.com telm: (+351)969761301
inscrições no canoraft (rio Sabor) e rafting (rio Tua) são obrigatórias, limitadas: 12 lugares no canoraft (rio Sabor) / 30 lugares no rafting (rio Tua) e acabam 3ª-feira dia 29/11

EDP, o Embuste das Barragens e do Emprego.

A EDP continua a apagar as mensagens politicamente incorrectas do seu mural fendido.

O distrito (Bragança) está transformado num estaleiro, com empreitadas em simultâneo de estradas e barragens que representam um investimento sem precedentes no Nordeste Transmontano, superior a 1500 milhões de euros, só na fase de construção.”

Mais de meio século após o início da construção das grandes barragens do rio Douro, uma parte substancial do “povo” (essa coisa) de Trás-os-Montes ainda acredita na lenga-lenga apregoada por uns senhores da Rotunda do Marquês que vem à televisão garantir que as barragens são o progresso, são o futuro, garantem muito emprego (milhares de postos!).

Então como se explica que os municípios ribeirinhos sejam os mais pobres de toda a província, quando geram, pela força das suas águas, lucros de milhões de euros a uma empresa maioritariamente privada, a quem o Estado garante, por via da Entidade Reguladora do Sector Energético, o direito de aumentar as tarifas quanto importe?

Perante tão obtusa falta de memória histórica, alguns autarcas colocam-se mesmo em bicos de pés, apregoando os benefícios das barragem.  Por exemplo, o democraticamente eleito presidente da autarquia de Alijó garante que o rio Tua, depois de sequestrado pela anunciada barragem-maravilha, vai ficar com “um espelho de água extraordinário“, o “turismo de natureza”, “um espaço museológico”, “um turismo diferente”, “a paisagem”, “quatro núcleos museológicos”.

Entretanto, e voltando ao mundo real, enquanto estas inimputáveis personalidades apregoam as maravilhas das barragens (parecendo esquecer o que não-aconteceu desde os anos 50), as notícias dão conta que Trás-os-Montes continua tão pobre, tão desempregado, tão emigrado, tão espoliado como antes…