Lembrem-se quando forem votar

“Foi pirateado. Isso só demonstra que há necessidade de haver controlo na Internet” A. Marinho e Pinto.

O advogado parece não saber que há uma lei geral em vigor.

Neste caso concreto, deixou o caderno de notas aberto no jardim da cidade e houve que lá fosse deixar escrito quanto apreço nutre por este sujeito. É a vida.

Daí até extrapolar para a necessidade de “controlar” vai um grande passo. Podia ter referido que quem fez isto, que não foi a “Internet” nem a generalidade de quem a usa, agiu mal. Podia ter aproveitado até para apelar à elevação. Mas não. Sacou do tiquezinho de pequeno ditador, até como explicação lateral para o seu voto que nada teve a ver com isto, e decretou que é preciso controlar a Internet. A seguir, controlam-se os muros, os jornais e o melhor mesmo é fechar as tipografias, não se vá dar o caso de alguém se lembrar de imprimir panfletos.

“A Internet está ocupada por hordas de mujiques e enquadrados por legiões de técnofilos.” A. Marinho e Pinto

Eis a elevação do político, e bem informado, como se percebe.

“O que digo a essas pessoas é que as minhas convicções políticas nunca estiveram em leilão político, nem estarão seja qual for o número de votos que possa ter.” A. Marinho e Pinto

Duvido que este acto de gozo com a nabice do eurodeputado fosse alguma tentativa de o levar a vender o voto. Por outro lado, mais parece ter sido a expressão, mesmo que rude, daqueles que o político não quis ouvir. Sim, este foi um dos representantes dos portugueses junto do Parlamento Europeu que tomaram posição sem se dignar ouvir os seus representados. O próprio Marinho e Pinto o afirmou: não leu nem ia ler os argumentos daqueles que se opuseram à polémica lei entretanto chumbada.

Quanto ao tweet inicial do Viagra, o que há mais são boots a explorar vulnerabilidades como esta. Foi a falta de uso dessa conta por parte do seu dono e da subsequente mediatização do caso que lhe inundou o sítio. Mas se o ego ficar mais elevado por se achar vítima de perseguição, siga então.

Não é preciso leiloar o seu voto, senhor eurodeputado. Basta que se tivesse informado para votar de forma esclarecida.

Mas é bom que se fale de votos. Esta gente não surge do nada. Lembrem-se disto quando forem votar mas próximas europeias.

Comments

  1. Paulo Marques says:

    “A Internet está ocupada por hordas de mujiques e enquadrados por legiões de técnofilos.”

    Preferia que fosse como Bruxelas, ocupada por tecnocratas incompetentes à cata de tacho.

  2. ZE LOPES says:

    Numa coisa tem razão Marinho e Pinto: esta internet está insuportável. Esta noite, porque não conseguia adormecer, resolvi ver umas coisas (alto aí! Só por curiosidade científica, nada mais!) de que me tinham falado. Farto de ver mugiques nuas em exercícios de aquecimento, resolvi ir aos sites dos jornais. Perda de tempo: falava-se de um mugique que emigrou para Itália, dos cinquenta mugiques apanhados a andar de mota com caveiras nas costas, as recusas de um tal mugique Pinho em responder ás perguntas e a cimeira entre mugiques do Leste e do Oeste. Mudei para o Youtube e tropeçava a cada momento em mugiques disfarçados de gatinhos, ou a atirar-se de um décimo andar ou a tocar guitarra mugique ligada á electricidade. Tentei refúgio nos sites de culinária: nada feito! Bacalhau à mugique, McMugique com molho de escabeche, sardinhas mugiquadas… Um horror! Ou se metem estes tecnófilos na ordem, ou estamos perdidos!

  3. ZE LOPES says:

    Última hora! Nem queria acreditar! A Pfizer foi comprada por um grupo financeiro mugique! Está tudo explicado, Dr. Marinho e Pinto!

  4. Rodrigues says:

    Tens bom remedio, não uses a Internet. Não estamos num pais livre?
    Podes sempre ver A RTP1, que é nossa, paga com os nossos impostos e Nacionalizada , logo só pode ser de altissima qualidade.

    Rodrigues

    • ZE LOPES says:

      O pior é que nunca sabemos quando chegam os mugiques para a dominar! Até agora estavam acantonados na Correio da Manha TV. O Eiró nem disfarça: é mugique de certeza. Já para não falar na Mayagique e nas hordas de comentadores desportivos: todos mugiques. Já na SIC abundam os tecnófilos!

    • ZE LOPES says:

      E já dizia Lenine: “Se não tiveres outro argumento mais à mão, manda-os ver televisão” (in LENINE “Obras escolhidas a dedo”, Brasileireiros Editores).

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.