Bannon vs. Davis

Lanny Davis e Steve Bannon em Praga, no passado mês de Maio. Pouco mais de uma hora e meia de política. A ver com atenção.

Dúvidas legítimas da Fenprof

Lear. Blow windes,& crack your cheeks; Rage,blow
You Cataracts, and Hyrricano’s spout,
Till you haue drench’d our Steeples, drown the Cockes.
You Sulph’rous and Thought-executing Fires,
Vaunt-curriors of Oake-cleauing Thunder-bolts,
Sindge my white head. And thou all-shaking Thunder,
Strike flat the thicke Rotundity o’th’world,
Cracke Natures moulds, all germaines spill at once
That makes ingratefull Man.
[…]
Heere I stand your Slaue,
A poore, infirme, weake, and dispis’d old man
— Shakespeare, “King Lear” (Folio I, 1623)
Reg. We shall further thinke of it.
Gon. We must do something,and i’th’heate. 
— Shakespeare, “King Lear” (Folio I, 1623)
***

Segundo o Expresso, o secretário-geral da Fenprof duvida que esteja tudo preparado para uma abertura sem problemas do ano ‘letivo’. Mário Nogueira menciona uma visão idílica do ministro da Educação, por este garantir que tudo está preparado para que o ano ‘letivo’ comece com normalidade. De facto, se experimentassem uma abertura do ano lectivo, veriam que um dos problemas ficava logo resolvido.

Efectivamente, esta imagem actual do sítio do costume

deve-se a visões idílicas de anos ‘letivos’.

De facto, também a aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, aparentemente, decorre com normalidade, ou seja, sem «estrangulamentos e constrangimentos».

Exactamente.

***

Em nome da Coerência

Há dois dias, o ministro do Ambiente francês demitiu-se lapidarmente: “Não quero continuar a mentir-me a mim próprio. Não quero dar a ilusão de que a minha presença no Governo significa que estamos à altura dos desafios (ambientais) e, por isso, decidi demitir-me”, anunciou Nicolas Hulot. E foi-se.

Macron, que fez da luta contra as mudanças climáticas uma das suas bandeiras, tinha prometido durante a campanha eleitoral objectivos ambientais ambiciosos, como a proibição do glifosato ou a redução para metade da produção de energia nuclear em França até 2025.

O balanço de Hulot, ao fim de pouco mais de um ano em funções, é explícito: “Já começámos a reduzir o uso de pesticidas? A resposta é não. Já começámos a fazer alguma coisa contra a perda da biodiversidade? A resposta é não. Já começámos a fazer algo para a preservação dos nossos solos? A resposta é não.” [Read more…]

50% Off

Postais da Raia #6 a #10 (de Cáceres a Castelo de Vide)

As terras do extremo e a campa triste de um capitão de Abril

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tenho passado os últimos dias a atravessar fronteiras, sempre entre os mesmos países, embora em sítios diferentes. Saindo do Sabugal e do maravilhoso e relaxante hotel do Cró, de um quarto com vista para todas as estrelas do universo e com uma banheira também com vista para os campos, atravessei a fronteira na Aldeia do Bispo, sem que Espanha se fizesse anunciar. Apenas reparei que os sinais de trânsito eram diferentes e a estrada um pouco melhor. De resto, não se dá pela fronteira, nem creio que ela exista para muitos dos que a cruzam quotidianamente entre o lado português e o lado espanhol. Anda-se um bocadinho em Castela e Leão e entramos na Extremadura, ou nas terras que estão no extremo. De Espanha, claro, porque a seguir ainda há Portugal que tem as suas próprias terras do extremo, ali à beira do oceano, a última das fronteiras, o último dos horizontes, ou se calhar (de certeza, vá) não.
 

[Read more…]

Os agentes da ortografia

Quis pedir ajuda, mas a língua estava morta.

Mesa & Rui Reininho

Si cada español hablara de lo que sabe y solo de lo que sabe, se haría un gran silencio nacional que podríamos aprovechar para estudiar.

— Manuel Azaña (apud Felipe González)

Wenn der Mann auf dem Bett liegt und dieses ins Zittern gebracht ist, wird die Egge auf den Körper gesenkt. Sie stellt sich von selbst so ein, daß sie nur knapp mit den Spitzen den Körper berührt; ist diese Einstellung vollzogen, strafft sich sofort dieses Stahlseil zu einer Stange. Und nun beginnt das Spiel.

Franz Kafka, (ARD, adapt. 00:26:51)

***

Há erros ortográficos que nos dão indicações importantes sobre aspectos fonéticos e fonológicos. Um *’fato’ em vez de ‘facto’ ou um *’contato’ em vez de ‘contacto’, por exemplo, dão-nos interessantes pistas sobre as quais nos podemos debruçar hipoteticamente logo no segundo ponto deste decálogo. De igual modo, é sabido (por exemplo, por Cook) que um falante de uma língua estrangeira, através de certas características ortográficas presentes em textos escritos nessa língua — e não só com dados denunciados pela pronunciação —, pode desvendar particularidades do sistema fonológico da língua materna e não só do sistema de escrita em que o falante, leitor e escrevente aprendeu a ler e a escrever.

Também é sabido há muito (por exemplo, por Maria Helena Mira Mateus) que um <s> em vez de <ç> (como a *’insersão’ em vez de ‘inserção’ dos autores da Nota Explicativa do Acordo Ortográfico de 1990) demonstra a falta de adequação do “critério fonético (ou da pronúncia)”, pois “a ortografia portuguesa é fonológica e etimológica e não fonética”. Sabe-se agora também que <ç> em vez de <s> (como um *’dorço’ em vez de ‘dorso’) leva a polícia brasileira a ter dúvidas sobre a autenticidade de documentos.

Adiante.

No sítio do costume, tudo como dantes.

Através da RTP, percebe-se, [Read more…]

Postais da Raia #5 (Sabugal e arredores)

A Nave de Pedra

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

«Quem vem de longe, das terras frescas do litoral, onde o verde salpica os olhos e se debruça nas estradas, e após a transição das ravinas do Zêzere, encontra uma paisagem que passo a passo se atormenta: a Beira Baixa. Aí, transposta que é a charneca com a sua cabeleira rala, nos cômoros a ferida aberta das ribeiras que descem ao Tejo por entre sobressaltos de xisto, ou ainda o dourado da campanha da Idanha, a querer-se alentejana sem o ser – aí, senhores, já a tristeza começa a espessar-se, a montanha crepita tendo por detrás relances de horizontes fundos, e as coisas se tornam graves. Ei-lo, um mundo de soledade, sobre que pesam crimes, mesmo se as frondes e as ramadas lhe escondem as dores do exílio.
 
Assim, de facto, o sentimos: remoto e em degredo. E Monsanto se chama, de pedra é feito – minha nave coalhada.» *
 

[Read more…]

Uma questão de escolha

Não me interessa saber se pertencem a uma minoria étnica, ou se são altos, loiros e possuem olhos azuis. Tão pouco me interessa se são ateus, agnósticos, cristãos, judeus, muçulmanos ou budistas. Quem teima em viver à margem da lei, atentando contra o direito à propriedade, tem que sofrer duras consequências.
Após uma frustrada tentativa de furto no interior de estabelecimento comercial, a segurança chamou a polícia que identificou os autores do crime, em seguida dezenas de familiares tentaram tirar desforço, agredindo os agentes que tiveram que receber tratamento hospitalar. Tudo isto sem que alguém tenha sido detido, apenas três pessoas foram identificadas e sabemos que isso resulta sempre em nada.
É inadmissível que ocorram este tipo de situações, sem que a polícia possa usar a força. Entre um polícia e um bandido, nem hesito, prefiro que o polícia. Mas todos sabemos que nestes casos se os agentes tivessem cumprido inteiramente o seu dever, no dia seguinte estariam acusados pelos que sempre desculpabilizam criminosos. Quando estes pertencem a uma qualquer minoria ainda aparecem algumas associações com acusações de racismo ou xenofobia.
A continuarem com este tipo de permissividade, não se queixem que um destes dias o populismo encontre terreno fértil para o crescimento eleitoral. Viver dentro ou fora da lei é também uma questão de escolha e escolhas têm consequências. Doa a quem doer, criminoso merece tolerância zero, a bem da sociedade.

Postais da Raia #3 e #4 (Sabugal e arredores)

«Ah, mas onde é que estão as aldeias todas?»*

Este slideshow necessita de JavaScript.

E podia ficar-me apenas por aqui, para resumir os últimos dois (mesmo três) dias. Não é que as aldeias não existam, mas a verdade é que estas aldeias (as históricas e as outras) não existem, ou já quase não existem. As razões são múltiplas, escrevi-o antes de antes de ontem e variam entre o abandono e a ruína e a transformação noutra coisa qualquer.

[Read more…]

Todo o cais é uma saudade de pedra

Ide.

O favor que afinal não é favor nenhum.

[fb maquinistas]

Os horários de caminho de ferro são um intrincado bailado horário, onde um comboio avariado no Sul pode significar o atraso de um comboio no Norte de Portugal, mesmo sem qualquer atraso intencional para garantir ligações.
Um comboio especial circula fora do horário planeado, muitas vezes através de vários eixos horário diferentes. Isto torna o seu encaixe algo de muito complicado.
Uma das maneiras de encaixar um comboio rápido de passageiros fretado e garantir que o mesmo tenha tempos de viagem idênticos aos comboios regulares rápidos é aceitar pequenos atrasos nos comboios mais lentos causados pela ultrapassagem do comboio especial rápido.

[Read more…]

Que é feito da integridade

Estranho muito as duas primeiras frases deste texto, mas, quanto ao demais do mesmo, parece-me bem louvável que este senhor Inspector da Polícia Judiciária venha assumir publicamente um posicionamento do tipo “o rei vai nu” e alertar para as consequências dessa nudez.

O nível de compadrio assumiu proporções nunca antes vistas, ou, pelo menos, reveladas. A troca de favores (tráfico de influências) assume-se como o comportamento normativo no interior de determinadas organizações político partidárias, que servem apenas agendas próprias dos seus integrantes e olvidam o compromisso da causa pública.

Esta cultura de caciquismo, que se perpetua no tempo e vai gerando “jobs for the boys” tem de cessar, sob pena de um futuro absolutamente comprometido!“

O incrível é que toda a gente sabe, toda a gente denuncia, ele há investigações, queixas e arguidos, mas as “más práticas” continuam a todos os níveis.

Não há, mas não há mesmo, jeito maneira de as enterrar? Agradeço que me enviem só respostas sérias e construtivas.

Postais da Raia #2 (Sabugal e arredores)

Querido mês de agosto

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

As aldeias lembram uma música que começa assim: ‘meu querido mês de agosto, por ti levo o ano inteiro a sonhar’, que venho a descobrir depois de me recordar dela no carro, ser do Dino Meira, um cantor que convenhamos não é bem o meu género. Também lembram um filme, entre o documentário e a ficção, de Miguel Gomes, cujo título – Aquele Querido Mês de Agosto* – foi, justamente, retirado daquela canção.

[Read more…]

Julian Assange

 

Julian Assange

 

Caro camarada

Caro Camarada,
infelizmente, não poderei estar presente.

Como sabe, estou suspenso da condição de militante do PS, na sequência de um processo/conspiração disciplinar com vista à minha expulsão do partido, por delito de opinião e outras acusações difamatórias a ser dirimidas em local adequado, depois de uma denúncia do seu amigo e camarada Eduardo Vítor Rodrigues. Sim, esse. O Dr. Luciano Vilhena, presidente da Comissão Federativa de Jurisdição do PS/Porto, explica-lhe. Ele sabe tudo. Embora desconfie que ainda vai ficar a saber mais qualquer coisa. Mas ele é advogado, safa-se bem.
Já agora, como sei que o camarada não é mentiroso, tomei a liberdade de o arrolar como testemunha.
Boa sorte para a festa e grande abraço.

Cordialmente,
Bruno Santos

Lula Lidera. Elite Enlouquece.

Quando pego ônibus para faculdade fico ouvindo os relatos das mulheres (geralmente negras) sobre suas patroas e patrões. Penso até em começar a sistematizar esses relatos em alguma forma artística ou jornalistica.
É impressionante como essa elite, essa classe média brasileira, acha que pobre é burro e preguiçoso.
Essa narrativa é perpetuada desde o Brasil colonia mesmo quando a tal princesa assinou o papel enquanto as sinhás e sinhôs mandavam escravizados às ruas para vender a produção de suas propriedades.
Um dos grandes erros dessa classe escravocrata e preconceituosa que utiliza a vida de tantos para manter os privilégios é os tratar assim e ainda de forma brutal.
E é por isso que o voto do patrão ou da patroa diverge do voto daqueles que os “servem”.
Os 40% de Lula são um tapa na cara e que deveria muito ensinar algo essa elite.
Esse percentual não crê na total inocência do Lula, como querem fazer muitos integrantes dessa direita reacionária. Apesar grande imprensa publicar diariamente sobre triplex e etc, a população mais pobre do Brasil entendem que os mesmo que o perseguem não gostam de pobres, pretos, indígenas, nordestinos e etc.
Eles tem plena consciência que aquelas pessoas fazendo dancinha nas ruas usando camisa verde e amarela não fizeram absolutamente nada para melhorar a vida na favela, nos ônibus lotados, no SUS e etc. Fizeram apenas por si mesmas. Por suas famílias corruptas (algumas no poder desde as capitanias hereditárias).
Pobre não é burro. Os avanços sociais do lulismo, como a dignidade mínima de um prato de comida, energia elétrica, possibilidade de entrar na universidade, não são, necessariamente, marcas de um governo de esquerda. São apenas o básico para começar a conversa em um país que está entre os mais ricos do mundo e, simultaneamente, entre os campeões mundiais de desigualdade, com milhões de notas na mão de um e milhões de outros sem nem uma nota na mão. Os 40% de Lula não são uma guinada do país ou do eleitorado para a radicalidade ou o “bolivarianismo”. São apenas a resposta aos manifestantes brancos da Avenida Paulista, que deram o golpe em 2016, dizendo que as faxineiras também existem, que os porteiros e serventes de pedreiro existem, que as cozinheiras e garçonetes existem, que as mães da periferia, os lavadores de carro, garis, todos existem e são a grande maioria. A meia dúzia de sempre deu um golpe, tirou Dilma à força, prendeu Lula com pressa em um processo judicial contestado hoje ao redor do mundo. Bastaria depois eleger um candidato deles. Faltou combinar com os pobres.

[Read more…]

Quem está errado? Costa ou os que sustentam o Governo?

[Santana Castilho*]

Do Expresso do último sábado jorrou o mantra manipulador de António Costa contra a recuperação do tempo de serviço dos professores. É penoso ler um texto saturado de cinismo e falsidade consciente. Mas o cúmulo da desfaçatez e da desonestidade política está no momento em que António Costa, ministro proeminente do primeiro governo de Sócrates, tem o topete de dizer:

“Com toda a franqueza, fico bastante perplexo que tenha havido tanta serenidade durante os nove anos, quatro meses e dois dias em que se verificou o congelamento e que a agitação tenha começado precisamente no dia em que se acaba com o descongelamento”.

Dê-se de barato o significativo acto falhado de António Costa, quando refere o dia em que acabou com o “descongelamento” (e não “congelamento”). Varrimento da memória relativa à fortíssima contestação do tempo em que ele era apoiante de Maria de Lurdes Rodrigues? Desatenção quanto ao tempo de Crato, mero seguidor das políticas do PS, de ódio aos professores? Nada disso. Apenas o corolário de um comportamento político que permite estabelecer um padrão: de jogador de lances curtos, de manipulador, de negociador de ocasião, numa palavra, de um carácter político que cede facilmente a trair os que lhe garantiram a sobrevivência, quando já não precisa deles. Que o diga o PCP (na Câmara de Lisboa), que o diga Seguro, que o diga o próprio Sócrates, que o diga Manuel Alegre (no triste episódio do Conselho de Estado) ou que o diga Margarida Marques (despedida sem saber porquê), para não prolongar demasiado a lista. [Read more…]

Who is America?

Sacha Baron Cohen voltou à ribalta com uma série de episódios onde explora as peculiaridades dos americanos. Who is America?

Portugal no seu pior

Há quem tenha ficado surpreendido com os esquemas de favorecimento por parte dos autarcas a familiares e amigos, quanto ao tratamento prioritário recebido na reconstrução das casas destruídas pelo incêndio em Pedrógão. As coisas são o que são, a cunha, o favor, estão enraizados na sociedade portuguesa, seja para perdoar uma multa, conseguir um emprego ou receber um subsídio. Isto tem a mesma lógica do tal dirigente partidário que tem uma dezena de familiares a trabalhar na função pública. E pior, poucos se escandalizam e raramente existem consequências resultantes de tamanha promiscuidade. Poucos acreditam em coincidências, mas quase todos assobiam para o lado.
Os anos da troika foram uma oportunidade perdida para diminuir o número de municípios, timidamente diminuiu-se o número de freguesias, porque é sempre mais fácil cortar na arraia miúda para continuar a pagar aos caciques. Mas até isso já querem reverter, porque apesar dos números apontarem que o desemprego está a diminuir, alguns boys ainda aguardam colocação.

Postais da Raia #1 (Sabugal e arredores)

100 carvalhos para 1 eucalipto

Este slideshow necessita de JavaScript.

é a proporção anunciada nos folhetos de informação turística do concelho do Sabugal, onde residem 12544 almas, menos que as que povoam normalmente o campus da Universidade de Aveiro e isto chegaria já para ser espantoso se outros concelhos não houvesse no país com ainda menos almas. 40% destas 12544 almas, são pessoas com mais de 65 anos. Não sei qual a proporção de carvalhos por pessoas idosas, mas palpita-me, pela paisagem que fui cruzando ontem e hoje, que deve ser mais ou menos a mesma que a dos eucaliptos.
 

[Read more…]

Comércio: “Last Week Tonight”, com John Oliver

Tempos estranhos nos quais meios de comunicação social difundem notícias falsas e os programas de comédia fazem análise política.

Aqui fica um sumário em imagens. [Read more…]

A ciática de Augusto Santos Silva

Augusto Santos Silva elogiou a mensagem de Mário Centeno sobre a Grécia. Disse ao Expresso que era “perfeitamente normal” e “até simpática”.

Em 2014 defendia exactamente o contrário sobre o resgate português. Leia-se:

[Read more…]

Incógnita

“A Comissão de Utentes de Transportes de Lisboa defendeu hoje que a ligação de Metro do Rato ao Cais do Sodré e uma linha circular é uma opção “errada e vai degradar” a oferta no norte da cidade.”

De facto. Que razões estarão na base desta preferência pela privilegiada Estrela, em detrimento de Benfica, Carnide ou Olivais e Marvila?

Razões sociais não serão com certeza. O turismo???

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) está a promover uma consulta pública no contexto da avaliação de impacto ambiental. Até amanhã, pode pronunciar-se aqui.

Bernie Sanders, o socialista democrata

O título com que Sanders se auto-adjectiva é estranho. Mas ouça-se o que ele diz quanto a, presentemente e na América, três pessoas terem, entre si, mais riqueza do que a metade mais pobre da população. Uma delas, Jeff Bezos, CEO da Amazon, vê a sua fortuna aumentar diariamente 250 milhões de dólares, mas paga tão pouco aos seus empregados que muitos precisam de recorrer a vales alimentares do sistema Medicaid. Ou, ainda, o que Bernie Sanders diz sobre o sistema eleitoral americano, onde os interesses das grandes fortunas podem financiar as campanhas eleitorais com centenas de milhões de dólares, para eleger representantes dos ricos e poderosos, em vez de representantes da população como um todo.

Este cenário não é exclusivo da América. Até no nosso Portugal, registamos como a banca, a EDP, a Galp e outras grandes empresas, incluindo as beneficiadas pelo esquema das PPP, vêem os seus interesses sistematicamente defendidos, com grande prejuízo da generalidade da população.

Onde vamos parar? Haverá luz ao fundo do túnel nesta sociedade mais preocupada com o lazer do que com as pessoas e com o planeta?

Mário Centeno, o Cristiano Ronaldo de Wolfgang Schäuble

Fotografia: Getty Images via Sábado

Se dúvidas restassem, todas se dissiparam ontem. O Bruno resumiu bem a coisa:

Mário Centeno caucionou os 5 anos de governo Passos Coelho, Vítor Gaspar e Maria Albuquerque.

E foi exactamente isso que aconteceu. Centeno teve a sua oportunidade, e usou-a para mostrar ao país e à Europa where his allegiance lies. Centeno, como grande parte do baronato socialista, vive bem com esta Europa ao serviço dos grandes negócios. E as várias fases do so-called resgate grego, bem como as manobras de terrorismo financeiro que o antecederam, foram um grande negócio para muita gente. Excepto para a Grécia. [Read more…]

Centeno e Montenegro, separados à nascença

“Eu sei que a vida quotidiana das pessoas não está melhor. Mas não tenho dúvidas de que a vida do país está muito melhor do que em 2012”

Luís Montenegro, 21 de Fevereiro de 2014

“Today, economic growth has picked up (…) I know these benefits are not yet felt in all quarters of the population, but gradually, they will”

Mario Centeno, 20 de Agosto de 2018

 

O vídeo de Centeno sobre a Grécia

A mensagem de Mário Centeno sobre o “fim” do resgate grego suscitou várias reacções, mesmo no interior do PS, sem qualquer substância ou interesse políticos. Umas previsíveis, outras encomendadas, nenhuma foi de encontro ao verdadeiro significado da intervenção do presidente do Eurogrupo e ministro das finanças português. Esse significado é o seguinte:

  1. Mário Centeno caucionou os 5 anos de governo Passos Coelho, Vítor Gaspar e Maria Albuquerque.

  2. Mário Centeno fez evaporar o que restava da credibilidade de António Costa, exibindo-o como uma fraude política, alguém que, de facto, enganou centenas de milhares de portugueses – muitos do PS – para chegar a primeiro-ministro.

  3. O que interessa de debate político na Europa trava-se entre Varioufakis e Bannon. O resto é mera sucata civilizacional.

Fake news

Na mouche…

Correio da Manhã: a aldrabar portugueses desde 1979

Fake news. Fake news nojentas, manipuladoras, canalhas.

Eis o jornal mais vendido deste país. Explica muita coisa.

%d bloggers like this: