Eu gosto é do verão

Também gosto do verei, do verás, do verá, do veremos e, efectivamente, do vereis, actualmente tão menosprezado.

A nova ordem mundial em curso

Malcolm Nance discute o best-seller do New York Times, “O enredo para destruir a democracia: como Putin e os seus espiões estão a minar a América e a desmantelar o Ocidente“.

O tom da palestra começa com algum humor.

«Vou dizer-vos uma coisa sobre o mundo da espionagem. Trabalhamos [a equipa de observação] em edifícios, e em salas pequenas, sem janelas e não se consegue entrar numa dessas salas sem uma cripto-chave e uma autorização para ter acesso a essa chave. E tudo o que fazemos é dizer piadas durante todo o dia. A sério, não é nada sério, tal como se vê nos filmes do Jason Born. É apenas piadas seguidas de piadas. Tal como, “Ups, alguém teve um mau dia no Congo, foi o que aconteceu agora. Tiveram outro golpe palaciano? Não! O avião do primeiro-ministro caiu e morreram 40 pessoas.” Literalmente. E depois vem algo espirituoso. “Ele estava no avião?” Claro que ele estava no avião. Está no avião nesta parte do Congo, está no avião naquela parte Congo. É isto que faz a Secção de Observação da Espionagem. Se alguém da comunidade estiver a ouvir, sabem do que é que estou a falar.»

Sem abandonar o registo, logo passa a um tom mais sério, dissertando sobre o que está à vista de todos, mas coberto pelo manto da contra-informação. Toda a informação apresentada está disponível publicamente e pode ser verificada por quem o quiser fazer. A diferença está em ligar as pontas soltas.

Post scriptum
Não é claro a que acidente aéreo se refere Nance. Eventualmente poderá ser aquele onde, entre outros, faleceu Augustin Katumba Mwanke (assessor sénior do Presidente) e onde Matato Ponyo Mapo (ministro das finanças) sofreu graves ferimentos. Como sempre, nunca podemos desligar o sentido crítico perante a informação que recebemos.