Famosa lenda em versão vegan pós-moderna

Pelos campos do Sítio da Nazaré ia D. Fuas Roupinho em esforçada perseguição a um veado que, lesto, lhe escapava como se se divertisse com o esforço do cavaleiro. Este porfiava e atiçava o cavalo que, espumando e resfolgando, corria a toda a brida, cortando os ventos fortes do lugar. No seu entusiasmo, não reparou o fidalgo que presa e caçador se aproximavam perigosamente da falésia do Sítio. E foi quando, subitamente, o abismo se lhes deparou como uma fatal sentença. Foi nesse momento que se abriu um clarão nos céus.

Assustado, o corço estacou de pronto, cortando o solo com os cascos até parar mesmo à beira da falésia, à qual prestes virou as costas. O mesmo fez o cavalo, fazendo brilhar faíscas ao fincar as ferraduras no solo rochoso. Também o rocinante se salvou. Só D. Fuas, coitado, não teve sorte. A brutal paragem da sua montada fê-lo sair em voo sobre as orelhas do cavalo e despenhar-se na falésia. Durante a sua breve queda ainda gritou “valha-me a Senhooooora…”. Mas a Senhora não valeu e o infeliz alcaide de Porto de Mós foi estatelar-se nas rochas da praia.

Os quadrúpedes da história, indiferentes – o seu limitado cérebro não lhes permitia especular sobre as complexidades da situação vivida – lá foram, lado a lado, em direcção aos verdejantes pastos de erva fresca que bem mais lhes importavam que as maravilhas a que acabavam de assistir.
– É para que vejas, cornúpeto amigo – ia reflectindo o cavalo, como quem tenta entender a moral da história. Se D. Fuas fosse vegetariano como nós nada disto acontecia.


Nota: Na narração destes eventos, não foram mortos, sacrificados ou maltratados quaisquer animais. Já não se pode dizer o mesmo no que concerne aos humanos mas, nos tempos que correm, isso parece não ser importante.

Comments

  1. JgMenos says:

    Hoje, entre os humanos, há-os pensadores correctos e os sencientes.
    O D. Fuas seria hoje considerado na segunda espécie.

    • ZE LOPES says:

      E quanto a V. Exa, quando se atirar de um 10º andar, vai no mesmo destino do D. Fuas! É só tentar, não custa nada! Ficamos à espera do relatório da experiência!

  2. Torquato says:

    E o menos um belo solípede…

  3. Ana A. says:

    “Nota: Na narração destes eventos, não foram mortos, sacrificados ou maltratados quaisquer animais. Já não se pode dizer o mesmo no que concerne aos humanos mas, nos tempos que correm, isso parece não ser importante.”

    Mas, durante a narração destes eventos, podemos garantir com toda a certeza que um sem-número de humanos (cujos cérebros não são limitados), maltrataram e mataram um sem-número de outros seres: humanos e não humanos, sem que, os seus mui complexos cérebros se tenham permitido especular sobre as complexidades da situação vivida!


  4. Na verdadeira versão vegan, D. Fuas Roupinho, o cavalo e o veado passeavam livremente a desfrutar da naturez, ninguém perseguia ninguém, e ninguém caía da falésia. Não eram necessários milagres nem senhoras imaginárias.
    O único desgosto era do palerma que queria ver sangue e ficava a chuchar no dedo…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.