Telegrama aberto à comunidade educativa

Em primeiro lugar, e respeitando algum corporativismo, escrevo aos meus estimados colegas que estejam obcecados em inundar os alunos com trabalhos para casa. Nestes tempos extraordinários, os alunos e as famílias precisam, também, de paz, de alívio para a tensão. Manter os alunos activos faz sentido, mas é preciso não exagerar. As vossas intenções serão as melhores, mas é dessas intenções que o inferno se alimenta. É preciso lembrarmo-nos, ainda, de que há muitos alunos com poucas ou nenhumas condições de trabalho em casa, porque um computador é um luxo.

Há uma razoável quantidade de idiotas que afirma que os professores não trabalham. Um idiota nunca aprenderá por muito que se lhe explique. Não vale a pena querer mostrar que se trabalha por causa de uma razoável quantidade de idiotas. Não vale a pena querer mostrar que se trabalha, porque isso é idiota. Vale a pena trabalhar, o que implica, no contexto actual, uma série de decisões que podem ir no sentido de aliviar o trabalho dos alunos.

E nem sequer vou perder muito tempo a fazer referência aos professores que também são pais – eu sei, eu sei que, para muitos, idiotas, isso é algo do domínio da ficção científica, talvez porque acreditam que há uma incompatibilidade legal ou mesmo biológica que impeça tal acumulação de funções.

Uma palavra final aos encarregados de educação que considerem que há professores a exagerar na marcação de tarefas ou de trabalhos para casa. Façam o seguinte: comuniquem – educadamente, de preferência – a esses professores que agradecem a preocupação, mas que são demasiadas tarefas, para mais numa época de inevitáveis tensões. Solicitem alívio e compreensão ou informem mesmo que muitas das tarefas ficarão por realizar e, em princípio, tudo correrá bem.

Comments

  1. Sidónio Pais Mamede says:

    “Há uma razoável quantidade de idiotas que afirma que os professores não trabalham.”
    Há uma razoável quantidade de pessoas normais que vem que há uma quantidade razoável de professores que trabalham o mínimo possível e mal . A coberto de uma corporação que idiotamente defende a todos por igual, “puxando” para baixo o nível geral do ensino em Portugal.
    E depois há uma quantidade irrazoável de profs 100% corporativistas que afirma que todos (mas todos) os professores trabalham mais que os outros. Há até alguns que dizem que estão a morrer de exaustão, e que chamam idiotas a qualquer um que fala abertamente do problema, que tão más consequências trás ao país .
    Bom senso é o que mais falta a quem está dentro da corporação.

    Sidónio Pais Mamede

    • POIS! says:

      Pois aqui está o primeiro!

      Episódio do folhetim “Mameda, O Implacável Catalogador de Corporações”.

      Seguem-se os episódios sobre guardas noturnos,picheleiros, zeladores agricolas, cangalheiros, maestros, tanoeiros, afinadores de piano, cortadores de carnes verdes,e catalogadores de corporações.

      A não perder!

      • Sidonio Pais Mamaqui says:

        VAI-TA FODER paneleiro

        • Dragartomaspouco says:

          Estou siderado.
          Gente tão fina, a dizer grocerias.
          Mas vem novamente georeferenciado o VAI-TA FODER
          Aqui vão as coordenadas geograficas do ordinário:

          Lat : 41 09 34 N
          Long: 08 37 39 W
          Alt: 89 m

          Isto é mesmo preocupante. Que a ralé comuna, use estes termos, nós os ricos entendemos, mas os liberoides ? Estão a desiludir-nos
          Cruzes, valha-nos o Nosso Senhor dos Aflitos

          Mas deve ser um problema do local

        • contra_tadinhos says:

          O Mamaqui

          Consegues ser mais ordinário do que a alternadeira que foi amante do Pinto da Costa

        • POIS! says:

          Pois não é que…?

          O quê? O nome artístico de V. Exa.V. Exa. é mesmo Mamaqui? Aquele que faz shows de travesti vestido de sevilhana, com umas mamas descomunais?

          Eh! Pá! Ganda show! É de partir o coco aquela parte em que canta “si quieres probar mis pechones ven aqui a mis melones” e pede ao público para subir ao palco e experimentar! É de ir ás lágrimas!

          Embora não seja essa a minha orientação sexual (e, por isso, perdoe-me mas não aceito a proposta de V. Exa) gosto de espetáculos LGBT de qualidade como o que protagoniza. Os meus parabéns e fico a aguardar o próximo. Dizem que desta vez é um quarteto a cantar o “Apita o Comboio” enquanto faz o mesmo ao vivo. Aposto que V. Exa. vai ser o maquinista! Uh! Uuuuuuh!

          .

    • Carlos Almeida says:

      Caro Sr Mamede

      Gostaria apenas de lhe fazer estas 3 perguntas:

      1 – É professor em Portugal?
      2 – Já foi professor em Portugal?
      3 – Se foi, quando foi (ano)

      Cordiais cumprimentos

      Carlos Almeida

    • Carlos Almeida says:

      Boa tarde Sr Mamede

      Reproduzo apenas 1 ou 2 linhas do post do Sr Nabais.
      “Manter os alunos activos faz sentido, mas é preciso não exagerar. As vossas intenções serão as melhores, mas é dessas intenções que o inferno se alimenta. É preciso lembrarmo-nos, ainda, de que há muitos alunos com poucas ou nenhumas condições de trabalho em casa, porque um computador é um luxo.”

      Reparei que no seu post de resposta, nada comenta sobre o que o Nabais afirma, limitando-se a um discurso politico, na minha opinião completamente desfasado neste contesto.

      Tem alguma coisa a dizer sobre os parágrafos que acima reproduzo ou não ?

      Ja agora, quando o seu tempo permitir, PF responda-me à pergunta que lhe fiz em post anterior, sobre se é ou não professor.

      Fico a aguardar

      Cordiais cumprimentos

    • Paulo Marques says:

      Hmmm, que dirá o Sidónio quando se diz o mesmo da bófia?

    • António Fernando Nabais says:

      Sidónio, as caixas de comentários existem para que até os ignorantes atrevidos comentem. Muito obrigado pela sua ignorância e pelo seu atrevimento.

  2. Luís Lavoura says:

    A minha mulher tem passado dias de imenso stress a resolver trabalhos de casa complicadíssimos (muitas das perguntas nem eu, que sou doutorado, consigo perceber e resolver) que professores, completamente malucos, mandam o nosso filho de 15 anos fazer.
    São trabalhos em catadupa, de diversas disciplinas, uns a seguir aos outros.
    Os professores não ensinam matéria, nem dizem que páginas de que manuais os alunos devem estudar. Pura e simplesmente, atiram-lhes com trabalhos de casa para cima. Muitos deles irresolúveis.

    • Sidónio Pais Mamede says:

      És doutorado em quê ?
      E os trabalhos complicadissimos são de que área ?

      Sidónio Pais Mamede

      • anticarneiros says:

        Que é que o Mamerda tem a ver com isso

        • Sidonio Pais Mamede says:

          Ó filho da puta não te metas na conversa dos outros.

          Sidónio Pais Mamaqui

          • A educação é muito linda says:

            O Mamede é muito bem educado

          • POIS! says:

            Pois, mas Mameda não é apenas isso!

            É um admiravel pensador! A sua subtil ironia deixa-nos siderados! Já para não falar da sua sofisticada retórica, da sua sublime tolerância e do seu insuprível nível cultural!

    • António Fernando Nabais says:

      Luís Lavoura, convido-o a reler o último parágrafo do meu texto. Muito obrigado.

  3. Vila do Conde says:

    Oh Mamede começo a pensar que tens razão realmente o teu professor do1º ciclo…coitado. “trás”

    • anticarneiros says:

      De facto o Mamede deve ter tido um professor do 1ª ciclo.
      Os adultos tiveram professores da 4ª classe, mas não são ordinários, como este garotão neo liberal

  4. anticarneiros says:

    O´Nabais

    tens que aturar cada mamerda !

  5. Professor B says:

    Falar com idiotas é como catar pulgas com luvas de boxe…

    • POIS! says:

      Pois atualize-se, Professor B!

      As pulgas agora estão em baixa! Vírus!

      • Professor B says:

        Estou actualizadíssimo.
        Já sei que as pulgas estão em baixa; ao contrário, os idiotas, em alta.
        Agradeço a preocupação.

        • POIS! says:

          Pois ,mas há outras atualizações!

          Os ditados, provérbios e mesmo adivinhas estão a ser todos atualizados pelo povinho lá na minha terra. Eis alguns exemplos:

          “Doente é, vírus o põe”;

          “Mais depressa se apanha um mentiroso que um infetado”

          “Mais vale um vírus na mão que dois nos pulmões”;

          “Em terra de infetados quem tem meio virus é rei”;

          “A ociosidade é a mãe de todos os vírus”;

          “Mais vale ser rico e saudável que pobre e infetado”;

          “O prometido é de vírus”.

          Isto diz o povo! Lá na minha terra!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.