O verdadeiro artista (*)

André Ventura foi trazido para a lide política pela mão de Passos Coelho, ao dar-lhe palco político em Loures. Constituiu o Chega no meio de ilegalidades apontadas pelo Tribunal Constitucional e que não foram completamente esclarecidas. Viu o seu partido ser elevado ao nível da decência com a coligação dos Açores e posterior abertura ao restante território pelo líder do PSD, Rui Rio.

Porém, para Henrique Raposo, André Ventura é “um filho de José Socrates”. Cola-o a um ex-primeiro-ministro problemático (coloquemos as coisas assim) mas que, para o caso, nada tem a ver com Ventura. Diz que o faz por causa das mentiras e dos maneirismos, como se não tivesse dose igual noutras áreas.

Raposo, ao relacionar Ventura com Sócrates, faz um branqueamento da ligação do Ventura ao PSD. É de artista, como aqueles que metem um nariz vermelho no circo.

∗ título roubado daqui

Adenda: artigo do Henrique Raposo

Comments

  1. Filipe Bastos says:

    Creio que o Raposo se refere apenas ao estilo aldrabão e trauliteiro do Ventura, não tanto a quem o lançou. O Passos também aldraba, como todos os pulhíticos, mas o estilo é diferente.

    Há realmente similitudes entre o Ventura e o 44, mas a comparação parece forçada: o Raposo pode bem estar a tentar limpar o PSD, onde aliás também andou o 44 antes do Partido Sucateiro.

    Mas este post lembra algo que incomoda, e não é o Raposo. É outra coisa. É a tendência de certa esquerda – esquerda mesmo, não só a máfia xuxa – de relativizar ou minimizar o Trafulha 44.

    Admito que o autor não o faça, será injustiça minha, mas lembra-me quem o faz. Por exemplo, o berloque Daniel Oliveira do pífio Eixo do Mal: costuma afastar o Trafulha como um caso menor; uma ‘distracção da direita’; quase um bode expiatório.

    Temos de ser absolutamente claros sobre isto. O Trafulha é o pior e mais reles mafioso que já rastejou do esgoto desta partidocracia. O coveiro do país. O fim da picada. Sim, pior que Passos Coelho. Outra vez, aí para o fundo: sim, ainda pior que Passos Coelho.

    • j. manuel cordeiro says:

      Fartei-me de bater no socras, pelo que estou à vontade 🙂

    • Paulo Marques says:

      Não ponha posições na boca dos outros. Pode ser indefensável e um bode expiatório ao mesmo tempo. E é.

  2. Carlos Almeida says:

    Bastos

    “Temos de ser absolutamente claros sobre isto. O Trafulha é o pior e mais reles mafioso que já rastejou do esgoto desta partidocracia. O coveiro do país. O fim da picada. Sim, pior que Passos Coelho. Outra vez, aí para o fundo: sim, ainda pior que Passos Coelho.”

    Concordo totalmente

    Mas acrescento que o “Ze das Socas” é fruto da doutrinação PPD/PSD, durante a sua militância na JSD no Alto Douro.

    Mas como grande oportunista que sempre foi, vendo que no PPD/PSD tinha o futuro tapado pelo chaparro de Boliqueime, passou-se para o xouxalismo com arma e bagagens.

    Ainda me lembra da primeira ordinarice publica que fez como secretario de estado do Ambiente, foi enviar a GNR a cavalo do Batalhão de Coimbra para dispersar as pessoas das aldeias abaixo da ETAR que mandou construir em Bigorne entre Castro Daire e Lamego e que pacificamente se manifestavam no local da obra.
    É claro que toda a gente nesse tempo sabia que por trás das manifestações estava o PPD/PSD, mas enviar a GNR a cavalo contra manifestantes só em Coimbra em 1968, no tempo do fascismo.
    Curiosamente os GNR deram-se mal, porque as velhas das aldeias abaixo da obra, levavam no bolso sacos com pimenta que atiraram ao focinho dos animais e estes os cavaleiros para o chão.
    Uma inovação “tecnológica” que julgo não tinha sido inventada ainda em 68, pelo menos que eu soubesse

    • POIS! says:

      Pois é um conjunto de brilhantes revelações.

      Ficamos a saber que:

      1 – O Douro banha a Covilhã, daí chamar-se Alto Douro porque aquilo é alto;

      2 – Em 1981 Cavaco já era líder do PSD, andava aos encontrões ao Sócrates e ganhou. Mandou-o por um buraco e aterrou no PS.

      3 – O aterro de Bigorne nunca foi construído por excesso de pimenta no solo.

      • Democrata_Cristão says:

        Wikipedia

        José Sócrates nasceu na freguesia de Miragaia no Porto[6] a 6 de Setembro de 1957 e foi registado como um recém-nascido na freguesia de Alijó, concelho de Vilar de Maçada, terra natal do seu pai, o arquiteto Fernando Pinto de Sousa. No entanto, o jovem José Sócrates viveu toda a infância e adolescência na cidade da Covilhã com o seu pai, que se radicara nessa cidade.

        • POIS! says:

          Ora pois, e lá vai poesia:

          Se alguém sobre isto pensa
          Que me dá alguma novidade,
          Pode ter a absoluta certeza
          Que não sabe da missa a metade.

  3. Rui Naldinho says:

    Há uma direita que se incomoda com a boçalidade verbal de Ventura, mas acha que este lhe dá imenso jeito, por não quererem “conspurcar-se” em debates ideológicos com a plebe. Nada a que não estejamos habituados.
    Para um certa elite, Ventura é o jagunço português do século XXI, que imita em democracia, os velhos jagunços coloniais das ditaduras do século passado. Daí a sua aversão a pretos, ciganos e outras etnias que não a sua.
    Dizer que Ventura é filho de José Sócrates, é o mesmo que dizermos que José Sócrates é filho de Cavaco Silva, duas betoneiras de grande calibre, que fizeram do betão e do alcatrão, o seu modus operandi. Ambos geraram e criaram corruptos, elefantes brancos e negócios ruinosos, que contribuíram em boa verdade para a nossa desgraça.
    O PSD é o maior viveiro de demagogos, populistas e mafiosos, de que há memórIa. Mas aquilo funciona como o funil. Ou seja, não podem passar todos ao mesmo tempo. Um de cada vez e segundo a moda da época.
    Sócrates militou e saiu do PSD. Paulo Portas do PSD saiu. Um foi para o PS. Outro para o CDS. Todos ainda muito jovens. Mas todos com uma rodagem de veículo de alta cilindrada.
    Do PS também sai muita merda. Mas a maioria desses burocratas contenta-se com pouco. Nem para eles são bons.
    Por por isso a nossa CS de reverência lhes dedica tanto tempo, ao contrário dos grandes negócios alimentados pela nossa direita Tuga, negócios esses que contribuíram como poucos para a nossa dívida soberana.
    Questiona-se:
    Quantas vezes vimos o Expresso, por exemplo, falar das suspeitas e trafulhices dos nossos bancos, antes destes caírem em desgraça?
    Nunca!
    Quantas vezes vimos a nossa CS criticar a TAP e as suas administrações, no tempo de Cavaco Silva, dez anos Primeiro Ministro?
    Nunca!
    Com excepção do jornalista João Cerejo, do Público, quantas vezes vimos a CS falar da TECNOFORMA?
    A mim também me assalta uma dúvida:
    Será que Henrique Raposo é filho de Fátima Bonifácio?
    Não sei se é, mas parece.

  4. JgMenos says:

    O PSD precisa de um partido à Direita para que se perceba o que é.
    O PS é a mesma cena só que por agora prefere fazer fronteira com os comunas amansados.

    Nesse pasto do mais ou menos não cabe mais ninguém.

    O CDS diz-se agora de direita mas está com grande atraso em explicar o que isso seja, e continua a ler encíclicas.

    O tempo é o do Chega…habituem-se!

    • Democrata_Cristão says:

      Um contabilista Salazarento como tu, deve estar cheio de esperanças

    • Paulo Marques says:

      Máquinas de lavar do mundo, unam-se!

  5. Vaz Silva says:

    O Henrique Raposo ficou conhecido no Alentejo, de onde é originário, como o Henrique Baboso, e é o que é.